sábado, 15 de novembro de 2014

Perseverança



“Naquele tempo, Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo:

“Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário!’Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: ‘Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum.Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha agredir-me!”

 E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto. E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?””(Lc 18,1-8)

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Dona Tereza Martins Rocha, uma grande amiga da Lola.

Maisa Rocha  trouxe ao Facebook  uma linda mensagem que tem tudo a ver com a Causa da Lola.
Sua mãe, Dona Tereza Martins Rocha, assim como suas irmãs, Dona Didi, recém falecida, e Dona Ilza, quando meninas, eram vizinhas da Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola.
Dona Tereza contou-me que elas estavam sempre próximas à Lola, especialmente quando ela começou a rejeitar alimentos. Elas ficam no quarto com a Lola, e quando sua mãe trazia a comida uma delas a comia, após a saída da mãe. Assim, por algum tempo, guardaram Dona Deolinda (mãe da Lola) da preocupação com a falta de alimento da filha.



Contou-me também que seu pais, Sr. Antônio Vitorino, é quem deu à Lola a imagem do Sagrado Coraçào de Jesus que hoje fica na Igreja de São Manoel em Rio Pomba. Tal fato aconteceu na época em que Lola recebeu ordens do Sr. Arcebispo, Dom Oscar de Oliveira, para não receber mais os peregrinos, que vinham aos milhares à sua casa pedir orações. Lola considerou que o presente era obra do Sagrado Coração de Jesus e estabeceu que "toda pessoa que pedisse uma graça contemplando aquela imagem, que considerasse que ela estaria endossando o pedido. Que o Sagrado Coração de Jesus considerasse que era um pedido dela, a Lola.


Imagem do Sagrado Coração de Jesus doado à Lola pelo Sr. Antônio Vitorino e que se encontra na Igreja de São Manoel em Rio Pomba.


Outro fato contado por Dona Tereza é que seu pai, Sr. Antônio, adoeceu com câncer e que, graças às orações da Lola, o Sagrado Coraçào e Jesus concedeu-lhe a graça de não sentir nenhuma dor, até sua morte.

O texto de Maisa é o fruto de uma vida familiar rica e saborosa, como convém aos que foram criados e formados sob o VERDADEIRO AMOR, aquele que só Deus, que é o próprio AMOR, pode conceder, especialmente por meio do CORAÇÃO DE JESUS, seu filho, que Deus como ele e humano como nós:

"Ontem lembrei dos tempos que morei na roça, fomos visitar a casa q morei ,quando crianca . Tempo onde tudo era perfeito, familia reunida, onde n havia maldade, " como eu era feliz com aquela vidinha, nao existia medo do amanha ".

Hoje venho agradecer em nome de meus irmãos, pelo pai guerreiro e pela mãe cheia de sabedoria para cuidar de nós: 11 filhos. Foi muita luta, que eu sei, mas eles venceram com honestidade , dignidade, é  isso que importa: valeu, estamos todos aqui, firmes e fortes, e aprendemos muito com vcês, só resta agora a saudade daquela vidinha tranquila e feliz."

Fotos de Maisa Rocha:     



Lindo lugar.

Maisa Rocha e sua mãe, Dona Tereza Martins Rocha que , quando menina, "comia no lugar no da Lola, para que a mãe dela, Dona Deolinda, não ficasse triste. 

Casarão dos Martins Rocha, muito parecido com o do sítio da Lola. 

Maisa e seus pais, Dona Tereza e Sr. Lulu, que continuam cheios de vida e alegria, como convém aos devotos do Sagrado Coraçàod e Jesus "da Lola", como o povo costuma se referir.

O caminho bem percorrido é sempre lindo!
Giselle Neves Moreira de Aguiar

sábado, 8 de novembro de 2014

A censura vem aí ?


Os jovens de hoje não sabem o que é censura. Vivem um tempo de tanta libertinagem que não podem nem mesmo supor o que seja censura de pensamento, de ideias de comportamento, de postura diante da vida. 

Mas a censura aconteceu realmente em todos os níveis do jornalismo e do entretenimento cultural no tempo dos militares, quando textos, letras de música e roteiros de cinema TV e teatro eram previamente aprovados ou não, pela figura do censor, cujo cargo existia e era tida como uma influente profissão. 

Foi um tempo dolorido em que muitos justos pagavam pelos pecadores, uma vez que apenas um pequeno grupo queria tomar o Poder para implantar no país outro tipo de ditadura, a ideologicamente  antagônica: o chamado comunismo.  Perseguindo esse grupo o governo militar adquiriu uma espécie de ultra-sensibilidade  e passou a ver o demônio onde havia apenas a sua sombra. Assim qualquer manifestação poderia ser considerada subversiva e seus autores alvos de constante observação.


A tentativa militar de extirpar  o mal pela raiz fez a censura aparecer em todos os cantos. Tal fato estimulou a criatividade de artistas, tanto que só hoje sabemos que muitas das belas canções que cantávamos na juventude tinham, na verdade, um sentido oculto que remetia ao protesto contra os militares  além de loas e glórias aos regime comunista. Nesse caso, haveria espaço para um livro sobre as especulações que poderiam ser feitas sobre a manipulação da juventude pelos artistas populares, através de suas músicas com letras de duplo sentido.

A notícia da demissão da jornalista Eliane Catanhêde, pela “Folha de São Paulo”  depois de um artigo em que ela expõe as mazelas do governo recém-reeleito, reportou-me a algumas aulas do curso de jornalismo recentemente terminado. Mais especificamente de uma leitura obrigatória da unidade curricular Telejornalismo, o livro “Padrões de Manipulação na Grande Imprensa, de Perseu Abramo, publicada pela Fundação Perseu Abramo, instituída pelo Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores.

Falando sobre o comportamento da grande imprensa, durante a ditadura militar,  o livro  de Abramo apresenta os mecanismos de manipulação usados, segundo ele, pelas grande empresas de comunicação da época da ditadura militar (o texto foi escrito em 1988), para manter sob tutela ideológica os incautos leitores, ouvintes e telespectadores de notícias.  Segundo sua visão, o leitor, ouvinte ou telespectador é um ser no mínimo ingênuo, para não dizer otário.

Na primeira leitura do livro, feita por imposição de um professor,  o que me saltou aos olhos foi o olhar negativo sobre a imprensa. Que mau juízo fazem dos profissionais da notícia os que são considerados ícones nas escolas de jornalismo! Como alguém pode se formar para exercer uma profissão da qual faz as piores ideias? Seria como um estudante de medicina que tivesse horror a ambientes hospitalares ou  não suportasse ver  sangue.

Se o jornalismo é assim, um mal tão grande, por que o interesse seguir tal carreira? Por que insistir em fazer parte de um grupo de corruptos e corruptores? Por que se demonstra tanto ódio aos  grandes patrões do jornalismo ao mesmo tempo em que se faz tudo para estar entre seus empregados?

 Há algum tempo, muitas informações depois da primeira leitura, tenho feito uma ligação entre o livro de Abramo e uma frase atribuída a Lênin: “Acuse seus adversários de fazer o que você faz. Faça o que acusa o outro de fazer”. Podemos observar, que depois de tantos anos de governo pró-marxismo, que inclui os governos de Fernando Henrique Cardoso, as redações da grande mídia estão repletas de discípulos e ex-alunos de Perseu Abramo e seus companheiros. Desta forma, não é difícil imaginar que a máxima de Lênin tem sido aplicada, há anos, no meio jornalistico dominante. As acusações feitas às grandes empresas jornalísticas de outrora parecem  caber muito nas dos tempos atuais.

  Observemos alguns trechos do livro aplicados à mídia que temos hoje:

"Uma das principais características do jornalismo no Brasil, hoje, praticado pela maioria da grande imprensa, é a manipulação da informação.

O principal efeito dessa manipulação é que os órgãos de imprensa não refletem a realidade. A maior parte do material que a imprensa oferece ao público tem algum tipo de relação com a realidade. Mas é uma relação indireta. É referência indireta à realidade, mas que distorce a realidade. Tudo se passa como se a imprensa se referisse à realidade, apenas  para apresentar outra realidade, irreal, que é a contrafação da realidade real. É uma realidade artificial, não-real, irreal, criada de desenvolvida pela imprensa  e apresentada no lugar da realidade real." 

Essa parte lembrou-me muito os vídeos da campanha do PT na última campanha eleitoral para presidente da República, que, apesar de ser publicitária, soa como jornalismo.  Espera-se de um trabalho de comunicação nesse ramo que apresente aos eleitores as reais condições em que se encontram o país e quais são as propostas do possível governante para estimular o que for bom e corrigir o que for mal aos olhos de todos; e não a contrafação da realidade, como diz Abramo, que foi apresentada.

Segundo Abramo, os seguintes são os padrões de manipulação da imprensa; procuramos aplicá-los ao nosso jornalismo de hoje:

1- Padrão de ocultação-  Segundo Abramo: Acontece na grande mídia"um deliberado silêncio militante sobre determinados fatos da realidade."

Vale aqui, lembrar alguns exemplos:

 Nesse padrão cabem perfeitamente a demissão de Eliane Catanhêde, uma vez que  as publicações da jornalista falando sobre as mazelas do governo não seriam do interesse do jornal, que serviria de sustentação ao governo.   Cabe também o silêncio imposto aos comentários de Raquel Sherazade no  Jornal do SBT.

O Youtube disponibiliza diversos vídeos de importantes petistas discursando no chamado “Foro de São Paulo”, uma organização comunista que reúne representantes de organizações de vários países da América Latina, entre elas as FARC ( Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia) que  dizem protender fazer  daqui uma imensa Cuba. Nada disso figurou, ou figura, na grande mídia.

Só ficamos sabendo do financiamento brasileiro da construção do porto de Mariel em Cuba depois que ele foi inaugurado. Tudo aconteceu em “em segredo” principalmente o fato de tal financiamento a um país estrangeiro não ter tido o aval do Congresso, sendo por tal meio, inconstitucional, segundo doutora em direito internacional, Maristela Basso, em entrevista a Heródoto Barbeiro.

2- Padrão de fragmentação - “...todo  real é estilhaçado, despedaçado, fragmentado em milhões de minúsculos fatos particularizados, na maior parte dos casos desconectados entre si, despojados de seus vínculos com o geral,  desligados de seus antecedentes e de seus consequentes no processo em que ocorrem”… 

Aqui cabe lembrar o grandioso rombo que parece acontecer há 12 anos na Petrobrás, a maior empresa estatal do país, nas barbas dos grandes veículos de comunicação. As notícias são veiculadas à prestação, ora uma, ora outra… sem que a conexão entre elas fique bem clara para o leitor, ouvinte, ou telespectador. Quase não são vistas matérias com profundidade, que analisam os detalhes, os aprofunda  e faz conexões entre eles.  Somente uma pequena parcela da população se inteira do que realmente acontece, quais são os personagens principais e, principalmente, quais são  as consequências de tais fatos na vida diária dos cidadãos.

3- Padrão da inversão -  Diz Abramo: ”Fragmentado o fato em aspectos particulares, todos eles em descontextualizados, intervém o padrão da inversão, que opera o reordenamento das partes, troca de lugares e de importância dessas partes a substituição de umas por outras e prossegue assim com a destruição da realidade original e a criação da outra realidade.” Tudo isso pode ser admitido como uma definição de gramscismo.  Desconstruindo a realidade e formando outra de acordo com a hegemonia almejada.  

(O site Youtube tem disponível um vídeo de uma aula  sobre Gramsci, em que um professor indefinido faz um gramscismo às avessas, tornando-se um subversivo à moda da ditadura dos anos de chumbo, para explicar aos alunos outra visão de Gramsci, diferente daqueles que o cultuam. Ou talvez ele se comporte como sugere Abramo aos jornalistas na página 38 do seu livro quando afirma que: “é defensável que o jornalismo, ao contrário do que muitos preconizam, deve ser não- neutro, não-imparcial e não isento diante dos fatos da realidade. E em que momento o jornalismo deve tomar posição?  Na orientação para a ação. O órgão de comunicação não apenas pode  mas deve orientar seus leitores/espectadores, a sociedade, na formação da opinião, na tomada de posição e na ação concreta como seres humanos e cidadãos. É esse, exatamente, o campo do juiz de valor, do artigo de fundo, da opinião, do comentário, do artigo, do editorial "

Nessa parte vem a lembrança certa comentarista melíflua que tranformam notícias desabonadoras do governo em algo "nem tão mal assim" e finaliza quase jogando beijos aos telespectadores. 

4- Padrão de indução - Graças a esse padrão, que parece ter sido usado em dose tsunâmica na última campanha eleitoral pelo partido dominante, “O leitor é induzido a ver o mundo não como ele é, mas sim como querem que  ele o  veja.” 

 Aqui, a apoteose é a última campanha eleitoral da Presidente Dilma. As redes sociais estavam cheias de comentários do tipo: "meu sonho de consumo é morar no lugar mostrado pela campanha do PT".

5- Padrão global  ou padrão específico do jornalismo de televisão e rádio - O termo global é empregado no sentido de ser completo, redondo. Segundo Abramo, na radiodifusão (rádio e TV) as matérias sempre acontecem em três atos: no primeiro a exposição do fato que é notícia, no segundo o povo fala, isto é, as pessoas atingidas pelo fato-problema apresentam suas queixas e em seguida uma autoridade é entrevistada e fala das providencias que serão tomadas. Assim se passa a imagem de que as autoridades  são talentosos “resolvedores” de problemas do povo.

O exemplo vivo desse padrão são as célebres entrevistas do atual ministro Guido Mantega, dando explicações curiosas a respeitos dos, cada vez piores, números e índices produzidos pela administração federal. Raramente se vê algum jornalista contestá-lo. Todos parecem preservar primeiramente a própria imagem de politicamente correto antes do interesse pela clareza das informações que chegam ao leitor, ouvinte ou telespectador. Assim, sem serem contestadas, bizarrices ditas por autoridades soam como grandes verdades ao público.

Depois de apresentar tais padrões de comportamento da mídia, Abramo faz uma longa lista de semelhanças de comportamento entre os órgãos de imprensa e os partidos políticos no modus operandi de cooptar simpatizantes.  Menciona  como um dos motivos para tal comportamento, o econômico.   Aqui  devemos nos lembrar que, devido aos altíssimos preços do tempo  na TV e dos grandes custos da produção de alto nível de peças publicitárias, quais são, atualmente, os grandes anunciantes da grande mídia senão o o governo, seus órgãos, as empresas estatais e as autarquias? 

Abramo ressalva que “os padrões de manipulação não ocorrem necessariamente em todas as matérias e programas de todos os órgãos impressos, auditivos ou televisivos, diariamente ou periodicamente. É possível encontrar diariamente, um grande número de matérias em que esses processos de manipulação não existam ou existam em grau mínimo, e também encontrar certo número de matérias em que as distorções da realidade são frutos de erros involuntários ou de limitações naturais à capacidade de captar e transmitir  informações sobre a realidade. É possível, até, que o número de matérias em que tal ocorra seja eventualmente superior ao daquelas em que seja possível identificar a existência de padrões de manipulação. E, finalmente, deve-se levar em conta a variação da intensidade de manipulação  segundo o órgão em exame ou o assunto, o tema ou a “editoria” de cada órgão.” 

 O fato de existir o jornalismo sério faz acontecer as oportunidades de se poder, ainda, formar uma clara consciência da realidade.    No entanto, parece que cada vez mais se tem impressão de que o repórter que dá notícia (e tal fato pode ser melhor observado  entre  os da televisão, por motivos óbvios, vemos suas expressões) não alcançam a importância da notícia que transmitem, ou que,  pelo menos não fazem os devidos "links" com matérias já publicadas, às vezes  por eles próprios; e menos ainda com o que pode significar tal notícia para a vida do leitor, ouvinte, ou telespectador.   Observação que caberia no  segundo padrão de manipulação, o da fragmentação.

É no final do livro, nas suas recomendações e conselhos que Abramo descortina o pensamento a que estamos na iminência de ser submetidos e que confirmam textualmente a aplicação da máxima de Lênin citada acima:

“se estamos na perspectiva da segunda ordem de questões, isto é, na perspectiva da tendência  histórica de mudanças decisivas  e sem retorno, é fundamental antever também as principais transformações que necessariamente  deverão efetuar-se no outro polo da contradição nascente [em relação ao domínio da mídia pela burguesia]. Basicamente haverá a tendência, igualmente histórica, de a sociedade também mudar sua postura tradicional diante dos órgãos de comunicação. Essa mudança de postura  provavelmente se dará em três planos. Como são os grandes empresários da comunicação - a burguesia - que se situam na parte dominante da sociedade, às classes  dominadas caberá o papel fundamental das transformações na visão do jornalismo da população.

Num primeiro plano, as classes politicamente dominadas tenderão, cada vez mais, a desmistificar o jornalismo e a imprensa. Não mais terão motivos para acreditar ou confiar na imprensa e seguir suas orientações. Passarão identificar sua postura crítica , sua análise de conteúdo e forma diante dos órgãos de comunicação. Por meio de seus setores mais organizados, as classes dominadas contestarão as informações jornalísticas, farão a comparação militante entre o real e o acontecido e irreal comunicado, farão as denúncias sistemáticas da manipulação e da distorção. Tomarão uma das suas principais tarefas  de luta a desmistificação organizada da imprensa e das empresas de comunicação.

No segundo plano, as classes dominadas tenderão a passar a um nível superior de defesa e contra-ataque em relação à imprensa. Passarão a tratar os órgãos como eles e apresentam e se comportam, isto é, como entes políticos partidários, e não como instituições de formação e conhecimento, acima do Bem e do Mal . Exigirão que esses novos e sui generis partidos políticos sejam tratados em níveis de equivalência com os demais partidos e demais instituições político-partidárias, tenham os mesmos direitos, sem regalias especiais, e sejam submetidos a diversas formas de controle público. Consequência inevitável serão a revisão e a reformulação de conceitos tradicionais como o de “liberdade de imprensa", "liberdade de expressão “ etc. Evidentemente, o grau de intensidade dessas mudanças estará condicionado pela correlação de forças, mas os alvos perseguidos provavelmente  conduzirão a uma regulamentação  rigorosa sobre toda a atividade de comunicação, como forma de garantir o controle público sobre as empresas jornalísticas.

No terceiro plano, as classes dominadas lutarão pela transformação da própria natureza  dos meios de comunicação . Se os  órgãos de comunicação passaram de instituições  da sociedade civil [na visão de Abramo] a instituições da sociedade política, se deixaram de ser órgãos de comunicação para se transformar em entes político-partidários, não haverá mais razão para aceitá-los como institutos de direito privado, e deverão se transformar em institutos de direito político.  Em outras palavras, a parte dominada da sociedade passará a questionar o regime de propriedade privada dos órgãos de comunicação.

A tendência poderá caminhar no sentido de vedar ao empresário privado a exploração desse setor de atividades. A comunicação e, principalmente , a informação passarão  a ser objeto de exploração apenas por parte do Estado ou de instituições de direito público, sob controle público. A assunção por parte do Estado de toda a comunicação de massa e de toda a informação  também dependerá da conjuntura e da correlação das forças sociais. Para  a parte dominada da sociedade ela é tão desejável  quanto a propriedade privada dos meios de comunicação. As classes dominadas,  portanto, tenderão a lutar   pela transformação dos órgãos privados e estatais em órgãos públicos, sob formas e mecanismos que evidentemente ainda estão por ser  engendrados e desenvolvidos, E finalmente, então, o jornalismo poderá se libertar do seu pior inimigo: a imprensa tal como ela existe hoje. " 

O livro de Abramo parece conter a teoria que rege o conceito de jornalismo que tem o PT. Se encaixa perfeitamente dentro de novos conceitos, muito diferentes dos mencionados por ele no livro sendo apresentados em processo de desconstrução : “Há diferenças fundamentais entre a objetividade  e os demais conceitos. Neutralidade, imparcialidade isenção, honestidade etc. são palavras  que se situam no campo de ação. Dizem respeito aos critérios  do fazer, do agir, do ser. Referem-se  mais adequadamente  a categorias de comportamento moral. Os próprios conceitos têm caráter moralista e moralizante, e, quando conjugados aos seus antônimos, formam pares que vendem a nos convocar a um ajuizamento bom/mau, certo/errado."

 O que teriam eles, Abramo e petistas, contra tais conceitos de bom/mau, certo/errado que fazem parte  da estrutura mental da humanidade há milênios?

 O site da mesma Folha de São Paulo, tem, postado no dia 28/05/2014, um artigo “Dilma  diz ao PT que fará regulação econômica da mídia Traz os seguinte trechos: 

"Em seu mandato, Dilma engavetou a proposta de regulação elaborada durante o governo Lula, de autoria do ex-ministro Franklin Martins (Comunicação Social), que tratava de normatizar o setor de radiodifusão. Na época, Martins defendeu também a criação de um Conselho de Comunicação para regular o conteúdo de rádios e TV.

A ideia tinha apoio de entidades que defendiam o "controle social da mídia", mas foi amplamente criticada por representantes do setor. Para eles, a agência abriria brechas para cercear o jornalismo e a dramaturgia.”

Em recente reunião no Palácio da Alvorada, Dilma deixou claro a petistas não ter a intenção de regular conteúdo, mas sinalizou que topava tratar da parte econômica: "Não há quem me faça aceitar discutir controle de conteúdo. Já a regulação econômica não só é possível discutir como desejável", disse.

"No encontro, líderes petistas comemoraram a fala do ex-presidente Lula no encontro nacional do partido, quando ele defendeu a regulação da mídia num tom interpretado como senha para debater também um controle de conteúdo da imprensa.”

Parece que o ex-presidente Lula tem tido mais poder do que atual presidente. Pelo menos é que demonstra o controle de conteúdo que aparece acontecendo na mesma Folha de São Paulo, pelo menos quanto à Eliane Catanhêde, o mesmo que já aconteceu com Raquel Sherazade no SBT.

Parece  também  que após vários anos de poder o PT pretende implementar de vez a hegemonia do pensamento pelos moldes gramscistas  começando já a  submeter  a grande mídia a seu poder. 

Para quem não tem nenhum problema em desconstruir conceitos como neutralidade , imparcialidade  isenção e honestidade  não terá nenhum constrangimento em invocar a democracia para implantar  a hegemonia…

 Este  vídeo, foi o restou de um que era disponível no Youtube, no qual o PT explicava que precisava da democracia para por meio dela instalar a hegemonia…  Daí  podemos concluir o risco que correm os amantes da liberdade, nesta terra que um dia foi Brasil:


Considerando tudo o vimos,  fica evidente a  real  possibilidade do pleno uso da máxima de Lênin (“Acuse seus adversários de fazer o que você faz. Faça o que acusa o outro de fazer”)  no jornalismo atual e que organizações de comunicação, como a Folha de São de Paulo estariam se comportando como descreve José Arbex Jr. na apresentação do livro de Abramo: ”a  "grande mídia” constitui, hoje  - com todas as suas complexidades,  os seus paradoxos e suas contradições -, uma coluna de sustentação do poder . Ela é imprescindível como fonte legitimadora das medidas políticas anunciadas pelos governantes  e das "estratégias de mercado” adotadas pelas grandes corporações e pelo capital financeiro. Constrói consensos, educa percepções, produz “realidades" parciais apresentadas como a totalidade do mundo, mente, distorce os fatos, falsifica, mistifica - atua, enfim, como um “partido”que proclamando-se  porta-voz e espelho dos “interesses gerais” da sociedade civil defende os interesses específicos de seus proprietários privados.” 

 E, quanto a Eliane Catanhêde, seus artigos estariam em desacordo com o ethos do jornal? Ou seria pressão dos maiores anunciantes, os detentores do Poder, a razão para que a jornalista, que escrevia há longo tempo no jornal, fosse impedida de  continuar a manifestar seu pensamento, de publicar o que considera de interesse do público? Que  neologismo  haverá de  ser  criado para substituir a palavra censura? Estaria havendo o controle de conteúdo?

Como devemos nos colocar diante do que tem nos apresentado a imprensa? 

domingo, 2 de novembro de 2014

A comunhão dos santos


O universo da vida católica é infinitamente amplo; impossível de ser analisado, compreendido e muito menos vivido  quando se faz uso apenas  dos mecanismos materiais e dos recursos do aparelho biológico humano.

A parte mais rica da vida  católica é intangível e  invisível, por dizer  respeito ao espírito. É um mundo tão fascinante que é inenarrável  por  palavras.  Só pode ser vivido.  



Uma das  leitura da missa da Comemoração dos Fiéis Defuntos diz:

"Jó tomou a palavra e disse:
”Gostaria que minhas palavras fossem escritas e gravadas numa inscrição com ponteiro de ferro e com chumbo, cravadas na rocha para sempre!
Eu sei que o meu redentor está vivo e que, por último, se levantará sobre o pó; e depois que tiverem destruído esta minha pele, na minha carne, verei a Deus. Eu mesmo o verei, meus olhos o contemplarão, e não os olhos de outros”". (Jó 19,1.23-27 a)


A doutrina do Catecismo da Igreja Católica esclarece sobre a  amplitude dos relacioanmenteos humanos na  COMUNHÃO DOS SANTOS:


 Em resumo, por meio dos parágrafos 960 a 962: 

960. A Igreja é «comunhão dos santos»: esta expressão designa, em primeiro lugar, as «coisas santas» (sancta) e, antes de mais, a Eucaristia, pela qual «é representada e se realiza a unidade dos fiéis que constituem um só Corpo em Cristo» (523).

961. Este termo também designa a comunhão das «pessoas santas» (sancti) em Cristo, que «morreu por todos», de modo que o que cada um faz ou sofre por Cristo e em Cristo reverte em proveito de todos.

962. «Nós cremos na comunhão de todos os fiéis de Cristo: dos que peregrinam na terra, dos defuntos que estão levando a cabo a sua purificação e dos bem-aventurados do céu: formam todos uma só Igreja; e cremos que, nesta comunhão, o amor misericordioso de Deus e dos seus santos está sempre atento às nossas orações» (524).  


Em detalhes pelos parágrafos de 946 ao 959


946. Depois de ter confessado «a santa Igreja Católica», o Símbolo dos Apóstolos acrescenta «a comunhão dos santos». Este artigo é, em certo sentido, uma explicitação do anterior: pois «que é a Igreja senão a assembleia de todos os santos?» (505). A comunhão dos santos é precisamente a Igreja.

947. «Uma vez que todos os crentes formam um só corpo, o bem de uns é comunicado aos outros [...]. E assim, deve-se acreditar que existe uma comunhão de bens na Igreja. [...] Mas o membro mais importante é Cristo, que é a Cabeça [...]. Assim, o bem de Cristo é comunicado a todos os membros, comunicação que se faz através dos sacramentos da Igreja» (506). «Como a Igreja é governada por um só e mesmo Espírito, todos os bens por ela recebidos tornam-se necessariamente um fundo comum» (507).

948. A expressão «comunhão dos santos» tem, portanto, dois significados estreitamente ligados: «comunhão nas coisas santas, sancta», e «comunhão entre as pessoas santas, sancti».

«Sancta sanctis! (O que é santo, para aqueles que são santos)». Assim proclama o celebrante na maior parte das liturgias orientais, no momento da elevação dos santos Dons antes do serviço da comunhão. Os fiéis (sancti) são alimentados pelo Corpo e Sangue de Cristo (sancta), para crescerem na comunhão do Espírito Santo (Koinônia) e a comunicarem ao mundo.

I. A comunhão dos bens espirituais

949. Na comunidade primitiva de Jerusalém, os discípulos «eram assíduos ao ensino dos Apóstolos, à comunhão fraterna, à fracção do pão e às orações» (Act 2, 42).

A comunhão na fé. A fé dos fiéis é a fé da Igreja recebida dos Apóstolos, tesouro de vida que se enriquece na medida em que é partilhada.

950. A comunhão nos sacramentos. «O fruto de todos os sacramentos pertence a todos. Os sacramentos, e sobretudo o Baptismo, que é como que a porta por onde os homens entram na Igreja, são outros tantos vínculos sagrados que os unem todos e os ligam a Jesus Cristo. A comunhão dos santos é a comunhão dos sacramentos [...];o nome de comunhão pode aplicar-se a cada um deles, porque cada um deles nos une a Deus [...]. Mas este nome convém mais à Eucaristia do que a qualquer outro, porque é principalmente ela que consuma esta comunhão» (508).

951. A comunhão dos carismas: na comunhão da Igreja, o Espírito Santo «distribui também graças especiais entre os fiéis de todas as ordens» para a edificação da Igreja (509). Ora, em cada um se manifestam os dons do Espírito, para o bem comum» (1 Cor 12, 7).

952. «Eles punham tudo em comum» (Act 4, 32): «Tudo o que o verdadeiro cristão possui, deve olhá-lo como um bem que lhe é comum com os demais, e deve estar sempre pronto e ser diligente para ir em socorro do pobre e da miséria do próximo» (510). O cristão é um administrador dos bens do Senhor (511).

953. A comunhão da caridade: na sanctorum communio, «nenhum de nós vive para si mesmo, e nenhum de nós morre para si mesmo» (Rm 14, 7). «Se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro for honrado por alguém, todos os membros se alegram com ele. Vós sois Corpo de Cristo e seus membros, cada um na parte que lhe diz respeito» (1 Cor 12, 26-27). «A caridade não é interesseira» (1 Cor 13, 5) (512). O mais insignificante dos nossos actos, realizado na caridade, reverte em proveito de todos, numa solidariedade com todos os homens, vivos ou defuntos, que se funda na comunhão dos santos. Pelo contrário, todo o pecado prejudica esta comunhão.

II. A comunhão entre a Igreja do céu e a da terra

954. Os três estados da Igreja. «Até que o Senhor venha na sua majestade e todos os seus anjos com Ele e, vencida a morte, tudo Lhe seja submetido, dos seus discípulos uns peregrinam na terra, outros, passada esta vida, são purificados, e outros, finalmente, são glorificados e contemplam "claramente Deus trino e uno, como Ele é"» (513):

«Todos, porém, comungamos, embora de modo e grau diversos, no mesmo amor de Deus e do próximo, e todos entoamos ao nosso Deus o mesmo hino de glória. Com efeito, todos os que são de Cristo e têm o seu Espírito, formam uma só Igreja e n'Ele estão unidos uns aos outros») (514).

955. «E assim, de modo nenhum se interrompe a união dos que ainda caminham sobre a terra com os irmãos que adormeceram na paz de Cristo: mas antes, segundo a constante fé da Igreja, essa união é reforçada pela comunicação dos bens espirituais» (515).

956. A intercessão dos santos. «Os bem-aventurados, estando mais intimamente unidos com Cristo, consolidam mais firmemente a Igreja na santidade [...]. Eles não cessam de interceder a nosso favor, diante do Pai, apresentando os méritos que na terra alcançaram, graças ao Mediador único entre Deus e os homens, Jesus Cristo [...]. A nossa fraqueza é assim grandemente ajudada pela sua solicitude fraterna» (516):

«Não choreis, que eu vos serei mais útil depois da morte e vos ajudarei mais eficazmente que durante a vida» (515).

«Quero passar o meu céu a fazer o bem sobre a terra» (518)

957. A comunhão com os santos. «Não é só por causa do seu exemplo que veneramos a memória dos bem-aventurados, mas ainda mais para que a união de toda a Igreja no Espírito aumente com o exercício da caridade fraterna. Pois, assim como a comunhão cristã entre os cristãos ainda peregrinos nos aproxima mais de Cristo, assim também a comunhão com os santos nos une a Cristo, de quem procedem, como de fonte e Cabeça, toda a graça e a própria vida do povo de Deus» (519).

«A Cristo, nós O adoramos, porque Ele é o Filho de Deus; quanto aos mártires, nós os amamos como a discípulos e imitadores do Senhor: e isso é justo, por causa da sua devoção incomparável para com o seu Rei e Mestre. Assim nós possamos também ser seus companheiros e condiscípulos!» (520).

958. A comunhão com os defuntos. «Reconhecendo claramente esta comunicação de todo o Corpo místico de Cristo, a Igreja dos que ainda peregrinam venerou, com muita piedade, desde os primeiros tempos do cristianismo, a memória dos defuntos; e, "porque é um pensamento santo e salutar rezar pelos mortos, para que sejam livres de seus pecados" (2 Mac 12, 46), por eles ofereceu também sufrágios» (521). A nossa oração por eles pode não só ajudá-los, mas também tornar mais eficaz a sua intercessão em nosso favor.

959. Na única família de Deus. «Todos os que somos filhos de Deus e formamos em Cristo uma família, ao comunicarmos uns com os outros na caridade mútua e no comum louvor da Santíssima Trindade, correspondemos à íntima vocação da Igreja» (522).



quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Conselho Popular: você conhece um.




A maioria dos brasileiros conhece muito bem  os tais “Conselhos Populares”, embora  ignorem as reais finalidades deles. Atua neles, até protagoniza, passivamente.

 Tem causado polêmica  o decreto  n. 8.243, de 23  de maio de 2014 que submete os movimentos sociais à coordenação da Secretaria Geral da Presidência da República. Partidos políticos, protestam e o governo usa todas as suas forças para impingir o famigerado decreto, dourando a pílula com recursos de sofismas.

Artigos assinados por quem entende, dotados de respaldo e conhecimento, têm sido publicados explicando o quanto tal decreto é nocivo; porém, quem acompanha atentamente a mídia e a vida no quotidiano não precisa  ser nenhum especialista para entender as intenções por trás de tal decreto.

Muitas pessoas, dos mais diversos segmentos, já experimentaram fazer parte de algum conselho na sua comunidade, entre eles os chamados conselhos paroquiais, cujos propósitos anunciados são, ou eram até certo tempo,  os mesmos do decreto 8. 243 da Presidência da República  com "o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo e a atuação conjunta entre a administração pública federal e a sociedade civil." (Art. 1º); no caso dos paroquiais seria entre os fiéis e a "igreja particular”.

 Os membros de tais conselhos são todos ‘convidados'  e cada um se sente feliz  ao ser chamado à participar de decisões sobre ações que beneficiarão sua comunidade. Mas, já nas primeiras reuniões sente diminuir a alegria porque, sem que ninguém fale ou explique, cada reunião já começa tendo sua pauta rígida em todos os sentidos. Nenhum assunto é proposto, para ser discutido, avaliado, ponderado por um número de cabeças pensantes, cada uma com seu repertório de conhecimentos a serem partilhados, a respeito de determinado assunto de interesse coletivo. 

Trata-se, na verdade da participação em algo já decidido, quase sempre por uma única pessoa ou por um grupo bem pequeno. Na maioria das vezes, quem coordena a reunião apenas transmite o que foi decidido à sua revelia.

O incauto que se atreve a emitir a sua verdadeira opinião é visto como uma aberração, principalmente se a opinião for contrária ao objetivo da reunião que acontece apenas para chancelar a decisão pelo aval  do “Conselho”.

Um clima desconfortável se estabelece. Ninguém se atreve a emitir opinião.  Até que surge a primeira manifestação de aprovação, geralmente feita por pessoa de natureza muito emocionável, que adere à ideia somente pela aprovação da coordenação, sem, na verdade, ponderar o mínimo a respeito do que se trata a decisão. 

As outras pessoas acabam contagiadas pelo clima; estabelece-se um novo ambiente, artificial e violento para a consciência. Uma vez  que tais ideias são ‘inseridas' na comunidade, os outros integrantes dela, para serem bem vistos, vão se desconstruindo, abandonando suas convicções, para assumir outros valores, muitas vezes antagônicos aos antigos, propostos pelos “novos líderes”.

 No novo clima, as pessoas mais relevantes, as mais entusiasmadas, galgam os postos de destaque na vida da comunidade, embaladas pela vaidade  estimulada  através do ‘reconhecimento do seu valor’ pelo novo e maravilhoso líder; se sentem e se mostram cada vez mais 'importantes', daí para adquirirem um comportamento arrogante basta apenas um passo. Por serem, na maioria, muito pouco letradas, aderem visceralmente às novas ideias, e se tornam verdadeiros canhões ideológicos, prontos a proferir  palavras de ordem e  adjetivos (des)qualificativos aos que ousam interferir de alguma maneira nos novos e inconfessados objetivos que passam a vigorar. 

Nesse ambiente, as pessoas mais letradas e sensatas se afastam da vida ativa da comunidade. 

Um terrorismo silencioso, muito mais doloroso, atinge as consciências.Pais veem seus filhos praticar atos antes condenáveis e reivindicar aprovação e elogios. Pessoas dilaceradas compõem as famílias, divididas entre o amor ao membro de comportamento estranho e a própria consciência que clama por manifestação de condenação em defesa dele próprio. Reina a esquizofrenia.

Enquanto isso, os verdadeiros responsáveis por tanto sofrimento, os líderes que aparecem só de vez em quando, continuam a receber homenagens, tratados como celebridades, cultuadas quase como santos. O povo, que não mais pondera, não constata que são  os tais, os responsáveis por sua dor e sofrimento;  eles, quando aparecem, só falam de coisas positivas com voz e maneiras melífluas ou efusivas.  O trabalho de desconstrução já foi realizado, “democraticamente", com a participação direta da comunidade local, pela aprovação do “Conselho”. Ao grande líder cabe apenas tomar posse das consciências dos novos escravos mentais, a serem usados…

Uma observação feita com mais acuidade mostra que  em grande número das cidades pequenas do interior do país, tal fenômeno acontece em todas as áreas. Tudo foi politizado à nova maneira, e nos mais diversos “Conselhos" o modus operandi é sempre o mesmo. Deve ser por tal razão que o Sr. Ministro responsável pela Secretaria Geral da Presidência diz que o decreto visa apenas a coordenação do que já existe…

Giselle Neves Moreira de Aguiar

A Igreja Católica e a Ciência

O Papa Francisco afirmou no último dia 27, que a a criação do mundo “não é obra do caos, mas deriva de um princípio supremo que cria por amor." Segundo ele, "o Big Bang não contradiz a intervenção criadora de Deus, mas a exige.

A fala do Pontífice muito alegra os corações dos muitos que militam pelo Reino de Deus, no campo das Ciências. Confirma o que já se sabia com clareza: a Bíblia narra a criação em sentido figurado, de maneira que pode ser entendida por seres humanos de TODOS os tempos. No nosso, já começamos a descobrir os mecanismos usados por Deus para criar tudo o que existiu e existe, sendo também Ele o autor do que virá a partir do que já temos hoje. 

Muito esclarecedora a entrevista dada pelo padre Jesus Hortal Sánchez ao jornalista Carlos Alberto Sardenberg, na rádio CBN em 29/10/2014.
 
Vale ressaltar que o primeiro cientista a propor a  teoria do Big Bang  a que chamou de "Hipótese do átomo primordial",  foi padre Georges Lemaître  ( na foto abaixo endo condecorado pelo Papa PioXII).  Tal teoria foi desenvolvida depois por George Gamow.

Papa PioXII condecora o Padre Georges Lemaître, que propôs a Teoria do Big Bang, a que chamou de "Hipótese do átomo primordial", e que foi desenvolvida depois por George Gamow. Foto do site da Pontifícia Academia de Ciência, do Vaticano: http://www.casinapioiv.va/content/accademia/en.html

Sabemos que TODAS as leis da Física são compatíveis com a lei de Deus. Muito normal e natural.

Desde 1603 existe, no Vaticano,  a Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano, que é de âmbito internacional, formada pelos mais notáveis cientistas de todas as etnias e credos. Toda a história da Academia está disponível

 Os objetivos da Academia são:

-Promover o progresso da matemática, ciências físicas e naturais, e o estudo de questões relacionadas com as questões epistemológicas e reconhecendo a excelência em ciência, estimular uma abordagem interdisciplinar para o conhecimento científico.

- Incentivar a interação internacional promovendo a participação nos benefícios da ciência e da tecnologia, o maior número de pessoas e povos.

- Promover a educação e compreensão do público sobre a ciência.

- Assegurar que a ciência trabalha para promover a dimensão humana e moral do homem.

- Conseguir um papel para a ciência que envolva a promoção da justiça, desenvolvimento, solidariedade, paz, e a resolução de conflitos.

- Promover a interação entre fé e razão e incentivar o diálogo entre ciência e valores espirituais, culturais, filosóficas e religiosas.

- Prestar consultoria à autoridades sobre assuntos científicos e tecnológicos.

- Cooperar com os membros de outras academias em um espírito amigável para promover esses objetivos.

 "O infinito e o infinitesimal transcendem ao nosso entendimento finito, o primeiro devido à sua magnitude, o segundo devido à sua pequenez; imagine o que eles são quando combinados."  Afirmou Galileu Galilei, membro da Academia, em 1638.

Desde 1902 até 2007, 46 membros da Academia Pontifícia receberam o Prêmio Nobel. Hoje ela conta com 80 homens e mulheres cientistas de todas as áreas do saber humano, entre eles o célebre físico Stephen Hawking e o neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis.

Baseando-nos nessas informações e em inúmeras mais da mesma natureza, entre elas a de que a Universidade de Sorbonne  em  Paris, foi fundada em 1257, pelo padre católico Robert de Sorbóna, podemos verificar que a Fé e a Ciência  sempre foram totalmente compatíveis e grandes auxiliares  uma da outra;  e também que o que a doutrina da Igreja Católica considera como ciência ao longo de seus dois milênios tem amplo respaldo dos mais laureados cientistas, nas suas respectivas épocas e áreas de atuação.











sábado, 25 de outubro de 2014

História das pílulas de Frei Galvão


Por: Pe. José Arnaldo - Capelão do Mosteiro da Luz

(25 de outubro, dia de São Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro)



Certo dia um moço, que se debatia com fortes dores provocadas por cálculos renais, pediu a Frei Galvão que o abençoasse para ficar livre da dor.

Frei Galvão, lembrando-se do poder de intercessão da Santíssima Virgem, escreveu em um papelzinho o verso do breviário: “Post partum Virgo inviolata permansisti, Dei Gentitrix Intercede pro nobis” e mandou ao moço ingerir o papelzinho feito, em forma de pílulas. O moço o fez, confiando em Nossa Senhora e expeliu os cálculos sem dificuldade.

Caso semelhante se deu: Frei Galvão foi procurado por um senhor, pedindo ajuda para sua mulher que se achava em grave trabalho de parto e com perigo de vida.
Frei Galvão se lembrou do caso do moço curado dos cálculos e deu novamente a este senhor as pílulas de papel com os mesmos dizeres (Depois do parto, ó Virgem, permanecestes inviolável, ó mãe de Deus, intercedei por nós).Depois de ter ingeridos as pílulas, a mulher deu à luz sem dificuldades ou quaisquer problemas. Esta foi a origem das pílulas.

DEVIDO A PROCURA SER GRANDE POR ESSE PAPELZINHO COM A ANTÍFONA DE NOSSA SENHORA FREI GALVÃO SE VIU MUITO OCUPADO, SEM TEMPO PARA ATENDER AO POVO, FOI ENTÃO QUE ELE CONFIOU O SEU TRABALHO ÀS Irmãs, SENDO QUE SERIA PASSADO DE IRMÃ PARA IRMÃ, COMO UMA TRADIÇÃO FAMILIAR, COMO FREI GALVÃO CONFIOU ÀS IRMÃS ESSE TRABALHO, O MESMO DEVERÁ CONTINUAR SOMENTE FEITO POR ELAS, A MISSÃO FOI ENTREGUE A ELAS POR FREI GALVÃO. TUDO TEM QUE SER FEITO NO ESPÍRITO DE ORAÇÃO E DENTRO DO MOSTEIRO PARA NÃO PERDER A ESSÊNCIA, A ESPIRITUALIDADE DAS PÍLULAS.

Desde então, as pílulas tem sido muito procuradas por devotos de Frei Galvão. O Mosteiro da Luz, através das Irmãs Concepcionistas da Ordem da Imaculada Conceição, conforme as orientações de Frei Galvão, confeccionam as pílulas e distribuem gratuitamente para as pessoas que têm confiança na intercessão de Frei Galvão.

As Pílulas de Frei Galvão não são remédio como os da farmácia. São, sim, remédio para a alma e o corpo para todo o fiel cristão que tem fé. Importante, também, interceder pelos médicos que cuidam da saúde dos que buscam a intercessão de Frei Galvão.


NOVENA À SANTÍSSIMA TRINDADE 
PARA ALCANÇAR GRAÇAS PELA INTERCESSÃO 
DO SANTO ANTONIO DE SANT´ANNA GALVÃO.

Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, eu Vos adoro, louvo e Vos dou graças pelos benefícios que me fizestes. Peço-vos por tudo que fez e sofreu o vosso Santo Antonio de Sant´Anna Galvão, que aumenteis em mim a fé, a esperança e a caridade, e Vos digneis conceder-me a graça que ardentemente almejo. Amém.
Rezar 1 Pai Nosso, 1 Ave Maria e 1 Glória ao Pai

Reze durante 09 dias a Oração da Novena à Santíssima Trindade. Tome 03 pílulas da seguinte forma: uma pílula no primeiro dia, outra pílula no quinto dia e outra no último dia da novena.


SOLICITAÇÃO DAS PÍLULAS VIA POSTAGEM (carta)

Envie dentro do seu envelope de pedido de pílulas, um envelope selado (Um dentro do Outro).
Preencha o envelope com letra legível e endereço completo (Com CEP) para evitar que você não receba.

Mande os dois envelopes (um dentro do outro) para o endereço abaixo:
Endereço (Destinatário):

Mosteiro da Luz
Av. Tiradentes, 676 – Luz – São Paulo – SP CEP.: 01102-000

Para quem mora em São Paulo/SP, as pílulas são entregues, gratuitamente no Mosteiro da Luz – SP.