quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Meditação para a primeira sexta-feira de fevereiro


Há tantos indiferentes, tantos ingratos no mundo! Oremos juntos para que a paciência e misericórdia do meu Coração, que os espera aqui na minha Eucaristia, triunfem da sua resistência.
Tenho sede de me ver rodeado, nesta Hóstia, de pródigos vencidos, de ovelhas reencontradas... de filhos meus convertidos pela doçura do meu chamado, das minhas lágrimas, das graças singulares que Eu concedo, durante a Hora Santa e na primeira sexta-feira do mês.

Por que esperais? Pedi, pedi com fé, pois o vosso Deus sacramentado não está aqui, prisioneiro, senão para fazer a felicidade do mundo. Batei à chaga do meu Peito, e o meu Coração se abrirá inteiramente.. Buscai, pedi; pois quero ser Jesus e cumprir em vós as minhas promessas...

 Trecho da Hora Santa para a vigília da primeira sexta-feira de fevereiro.
Tirada do livro "Hora Santa"do R. P. Mateu Crawley- Boevey SS. CC.
Edição de 1987 - Distribuída gratuitamente pela Serva de Deus  
Floripes Dornelas de Jesus, a Lola.

Saiba mais sobre a Lola

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Exposição: A Arte de Bruno de Giusti na Catedral de Sorocaba



Uma mostra de fotografias feitas como as de tantos frequentadores da Catedral, que registram suas impressões para guardá-las. Como algo precioso. Acontece na Oficina Cultural Grande Otelo, de 19/01 a 27/02 de 2016








Bruno de Giusti

Ele chegou ao Brasil por volta de 1947. Veio fugindo de um pós guerra muito difícil na sua terra. Trouxe consigo o diploma da Escola de Belas Artes de Veneza e o cadastro de pintor de grandes qualidades, além das recomendações das Cúrias Diocesanas de Travesso e de Vitorio Venito.

 Através de contatos na Comissão de Artes Sacras da Arquidiocese de São Paulo, soube  que Sorocaba procurava um pintor para decorar a sua catedral. Depois de acertos com com então pároco, Monsenhor Francisco Antônio Cangro, e com o Bispo da época, Dom José Carlos Aguirre, estabeleceu-se nestas paragens.

Seu primeiro trabalho foi a decoração das oito capelas que margeiam a nave principal. Uma das peculiaridades do artista foi retratar rostos de moradores de Sorocaba no lugar de personagens das cenas representadas. Olhando os afrescos as pessoas tinham a impressão de ver alguém conhecido, era esse o seu objetivo.Tal característica  se acentuou ao longo dos outros trabalhos realizados em diversas  cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, e muitas outras do interior de São Paulo. 

Para igreja matriz de Tietê, retratou, em duas telas, a história  da festa do  Encontro das Canoas no rio Tietê, comemorada na cidade às vésperas  do Natal.  Na  primeira, mostra o sofrimento  e as orações do povo, numa epidemia  de febre amarela, em 1830. Na segunda, retrata, em 1983, uma das comemorações realizadas todos os anos, em agradecimento a Deus pela graça alcançada: o fim da epidemia.Nela, entre os retratados,está o bispo diocesano da época,Dom José Lambert.

 Já num trabalho terminado em 1987, na igreja da Vila Arens em Jundiaí, ele vestiu” as personagens bíblicas com roupas atuais. O jornal “Bom Dia Jundiaí”, numa reportagem de Cláudia Rangel sobre tal trabalho, traz uma sugestiva foto do artista com a seguinte legenda: “ Giusti: mestre figurativo impressionista italiano busca retratar o ser humano em toda a sua essência”.

O artista, nascido em San Michelle de Ramera, província de Treviso, na Itália, em 13 de outubro de 1920, faleceu em Garça, SP, em 29 de agosto de 2011.

 A multiplicação dos pães e dos peixes. Quadro de cerca de 12 metros quadrados na parede da capela do Santíssimo


 Detalhe da multiplicação dos pães





Teto da capela do Santíssimo, recentemente restaurado



Capela de São Tarcísio
Um adolescente que morreu no ano 257, apedrejado por seus próprios amigos.
Vítima de bullying, por defender o dom mais precioso da sua fé,
o Santíssimo Sacramento

São Mateus, um dos quatro evangelistas das colunas do presbitério.
Tem como símbolo o anjo com rosto humano, porque seu Evangelho tem como foco a humanidade de Jesus.
No detalhe, o anjo, cujo modelo foi Paulo Mendes, ex-prefeito de Sorocaba que, quando menino, se encantava observando o trabalho do artista.

Capela de Nossa Senhora Aparecida
Muito rápido aprendeu o italiano, recém chegado, a história tão brasileira da imagem de Nossa Senhora aparecida no rio, com a cor de seus filhos que eram aqui escravizados.
Giusti escolheu como modelo do escravo um sorocabano, muito conhecido na época, chamado Roque.



A capela de São Pedro
A morte do pescador humilde, escolhido para chefiar a Igreja porque amava Jesus mais que os outros,
foi eleita para retratá-lo. Não se julgando  digno de morrer como o mestre,
pediu que o crucificassem de cabeça para baixo.





Assinaturas do artista
"Somos feitos assim, imaginativos; precisamos das imagens para ir além delas
- R. P. Régamey- 






 A Arte da Preservação

Cada templo religioso constitui uma expressão artística da religiosidade de um povo em determinada época. Estudiosos de várias ciências encontram nos templos religiosos de cada época uma verdadeira biblioteca de informações ali encerradas; desde os materiais empregados até como eram praticados, e por que eram celebrados, os ritos.
           
Os mais antigos são de grande interesse dos arqueólogos que se submetem a trabalhos penosos, e lentos, para sentir a alegria de saber um pouco mais como viviam os antepassados de sua espécie.
           
Desde que passou a existir como instituição, a Igreja Católica exerce importantíssimo papel de mecenas. Sob suas asas, sempre foram abrigados os artistas de todas as artes ao longo dos dois últimos milênios. Seus templos se tornaram ricos e democráticos (ao alcance de quem queira apreciar) acervos culturais em cada lugar do planeta, onde arquitetos, artífices e artistas plásticos dão vida e valor a simples trabalhos braçais transformando-os em monumentos de arte, que encantam todos os tipos de observadores.
           
 Hoje vivemos em acelerada evolução, quando o tempo é cada vez menor entre uma realidade e outra, portanto construções consideráveis e esmeradas de pouco tempo atrás já se tornam ícones importantes para mostrar, como em câmera lenta, as várias etapas da evolução da arquitetura e das outras artes.
           
 É importante, não só para católicos, mas também para quem valoriza a arte, a conservação respeitosa dos seus templos religiosos, preservando o trabalho artístico da época em que cada um foi construído. É legado inestimável para que as futuras gerações possam avaliar e valorizar o esmero e gosto artístico com que foram concebidas e concretizadas as obras, em material forte o suficiente para atingir a geração mais longínqua possível. Obras feitas para se cultuar o 
Deus Altíssimo e Eterno.
           
Portanto, merecem mais ainda louvor os que servem apenas de ponte entre as gerações, os que mantêm intactos e preservados os acervos artísticos dos templos para os povos dos novos tempos; que o fazem usando os mais modernos recursos da tecnologia, aumentando e atualizando o conforto dos que procuram Deus, sem, no entanto, interferir na obra arquitetônica e 
seus importantes detalhes.
           
Ocorre agora um novo tipo de arte, a arte de preservar enquanto proporciona conforto. As gerações futuras haverão de reconhecer e agradecer os que caminharam antes delas no caminho da fé deixando pegadas de respeito pelo passado e pelo futuro.
           
 Maravilhosa é a civilização dos que constroem a vida em função de Deus, que é a própria perfeição; ela faz cada geração mais rica e mais próxima do Bem. Detém e faz uso da genuína prosperidade. 

Giselle Neves Moreira de Aguiar 



segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A conversão de São Paulo



Ora, aconteceu que, na viagem, estando já perto de Damasco, pelo meio dia, de repente uma grande luz que vinha do céu brilhou ao redor de mim. 

Caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: 
‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’ 

Eu perguntei: ‘Quem és tu, Senhor?’ 
Ele me respondeu: ‘Eu sou Jesus, o Nazareno, a quem tu estás perseguindo’. 

Meus companheiros viram a luz, mas não ouviram a voz que me falava. Então perguntei: ‘Que devo fazer, Senhor?’ O Senhor me respondeu: ‘Levanta-te e vai para Damasco. Ali te explicarão tudo o que deves fazer’. 

Como eu não podia enxergar, por causa do brilho daquela luz, cheguei a Damasco guiado pela mão dos meus companheiros. 

Um certo Ananias, homem piedoso e fiel à Lei, com boa reputação junto de todos os judeus que aí moravam, veio encontrar-me e disse: ‘Saulo, meu irmão, recupera a vista!’

 No mesmo instante, recuperei a vista e pude vê-lo. Ele, então, me disse: 

‘O Deus de nossos antepassados escolheu-te para conheceres a sua vontade, veres o Justo e ouvires a sua própria voz. Porque tu serás a sua testemunha diante de todos os homens, daquilo que viste e ouviste. E agora, o que estás esperando? Levanta-te, recebe o batismo e purifica-te dos teus pecados, invocando o nome dele!’”. (At, 22, 6-16)

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Dia de Reis

Feliz festa de Santos Reis!
Na foto, os temos retratados no centenário presépio de minha avó Aurora. Hoje é dia de "desarmá-lo".
No tempo dela, o cenário ocupava grande parte da sala. 
Montado com tecidos pintados e engomados para simular uma gruta de pedras, tinha arroz germinado como grama verde e espelho contornado de areia como lago.
Tudo começava no início de novembro. Era o tempo do grande motivo para praticar, e curtir, diversos tipos de arte, enquanto o coração se enchia de verdadeira, sincera e forte alegria.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Presente de Natal



No Natal, o melhor presente que
podemos dar aos nossos queridos
é a nossa oração por eles.
Porque tal presente é um vale:
vale estar no colo de Nossa Senhora,
recebendo todo o carinho e atenção que ela  deu a Jesus.
Feliz Natal!!!

Natal: significado de esperança




Apesar de tudo, Deus não pode deixar de ter nascido humano.
Continua sendo a salvação, e a derramar a Paz
nas mentes e corações das pessoas de boa vontade...
Feliz Natal!!!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Natal



No Natal os cristãos festejam o nascimento de Jesus Cristo: o Verbo, a Palavra que é a Verdade, o Deus, autor do mundo, que  quis nascer humano.  Para tanto, se sujeitou a todas as humilhações que isso possa significar para poder demonstrar, na carne,  como é viver a plenitude da Vida, na Luz. 

 Ele nasceu e viveu  como pobre, podendo ter tudo (é Deus!). A celebração do Natal  e o presépio servem para  lembrar esse fato tão importante.  

 Ele foi cruelmente  assassinado pelos que queriam mais o Poder do que o bem do povo,  e viam nele apenas um concorrente.  Porém, como Ele é a Vida, ressuscitou.  Está vivo e muito atuante.  Quem, como seus antepassados, continua a celebrar a Verdade da Vida, no Caminho que Ele traçou, pode facilmente percebê-lO, e gozar das prerrogativas de ser amigo(a) do Rei, o deveras Poderoso,  cuja existência muitos, hoje, querem  negar.

A condição para se perceber a Sua Presença  é apenas um ato da vontade humana: desejar realmente estabelecer  um clima de sintonia, feito a partir do espírito, essa faculdade humana que anda desligada, inoperante, portanto, muitos pensam que não exista. O resto é com Ele. Ele é Deus, e não precisa absolutamente de nada. Pode dar o que quiser, a quem bem entender, quando e onde desejar.

Não há nada que alguém possa saber que Ele já não saiba antes,  não há nada que um ser humano possa ter feito de errado que Ele não possa reparar. Porque, TODOS os seres humanos são personagens do Livro da Vida, que Ele não se cansa de escrever. Personagens tão amados e respeitados na Sua visão (e também para sentir umas doçuras que só a humanidade pode viver),  que quis ser um  de nós.   Ele pode, Ele o quis, Ele o fez. Ele é Deus!

Por tanta riqueza de lições e significados que pautam suas existências, os cristãos festejam, com muita alegria, a data que marca o Natal de Jesus, o Cristo.

Feliz Natal!!!!