quarta-feira, 13 de abril de 2016

Barbarismo



Oh dor!
Quando avaliamos ser grande a nossa perda, constatamos, assombrados, que existe quem a queira muito maior.

 A manhã chegou com uma dolorosa surpresa. O principal quadro da obra de Bruno de Giusti, na Catedral de Sorocaba,  sofreu um ataque de vandalismo.

O jornal “Cruzeiro do Sul” de hoje, 13/04/2016, mostra o ataque que atingiu o quadro da multiplicação dos pães e dos peixes, do artista ítalo-sorocabano Bruno de Giusti. Quadro recém submetido a um trabalho de restauro  e de cuidados  para sua preservação. 

Fiz o meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) do curso de Jornalismo, na UNISO (Universidade de Sorocaba), sobre a obra do artista na Catedral.  Pelo que aprendi ao longo de uma vida no catolicismo, com o gosto pela arte, especialmente a sacra, e o que foi aprendido com os estudos e pesquisas, a obra de Giusti conjuga e harmoniza conteúdo e forma, comunicação e arte. É um verdadeiro tesouro cultural contido em um acervo extremamente democrático, uma vez que qualquer pessoa pode ter acesso a  tais obras, sem menor a restrição.  Ele  pertence ao povo de Sorocaba, 

O estado lamentável dos afrescos das capelas laterais evidencia a  necessidade de um sério trabalho de restauro, no qual a pintura original do artista, ressurja de debaixo de várias camadas de possíveis pinturas sobrepostas. Mas parece que, pelo estado em que agora se encontram, algumas estejam quase sem condições de serem restauradas. Muito especialmente o de Nossa Senhora Aparecida, tão significativo para o catolicismo, a cultura de berço do povo sorocabano. 

A fácil acessibilidade talvez tenha sido o calcanhar de Aquiles, responsável pelo imenso dano. Ter obras valiosas assim expostas, em tempos atuais, é mesmo muito perigoso. É importante registrar porém, que tal ato de vandalismo não combina com a população que frequenta a Catedral para fazer orações, e que se beneficia das  obras de Giusti como inspiração.  Não combinam também  com os mendigos que ali entram, e circulam, sem menor a cerimônia, como pequeninos na casa do Pai rico.  Tal barbarismo é próprio de um tipo de  black bloc que deseja protestar contra Deus. Tudo o que exalta Seu valor e eleva a alma humana, causa-lhe dor tão grande que sente necessidade de destruir. Lamentável ato de quem deseja ter Deus banido.  Ou então, pior ainda, seria coisa de um fundamentalismo bárbaro, o mesmo que parece acometer integrantes do "Estado Islâmico",  que andam destruindo patrimônios culturais da humanidade, em diversos lugares.

Nunca precisamos tanto da misericórdia divina!

P. S. O texto atribuído a mim nas aspas da reportagem do “Cruzeiro do Sul” não é de minha autoria. O que escrevi e publiquei sobre a obra de Giusti pode ser lida e vista  partir do seguinte seguinte link:



"Para aqueles que emigraram para a morte, essa aldeia era como uma harpa.Todas as coisas tinham o seu significado: árvores, fontes, casas. E cada árvore com a sua história, diferente da outras árvores. E cada casa com os seus costumes, diferente das outras casas. E cada muro diferente dos outros muros, por causa dos seus segredos. Quando caminhas, vais compondo o teu passeio como uma música, extraindo o almejado som de cada um dos passos. Mas o bárbaro acampado não sabe fazer cantar a tua aldeia. Aborrece-o essa proibição de penetrar nas coisas e acabam por te desmoronar as paredes e dispersar os objetos. Por vingança contra um instrumento de que não se sabe servir, ateia o incêndio, que ao menos lhe paga com um pouco de luz. Depois desanima e começa a bocejar. Para a luz ser bela, é preciso conhecer até o que se queima. Aí tens a chama do círio que acendes ao teu Deus. Mas ao bárbaro, nem a chama da tua casa dirá coisa alguma, pois não é chama do sacrifício.” - Saint Exupéry, em “Cidadela" -

sábado, 9 de abril de 2016

Nove de abril: "Dia da Lola"

Nove de abril é a data em que a Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola chegou ao Céu , depois de uma longa vida de santidade. saiba sobre ela aqui.

 Resume bem sua vida a professora de  Língua Portuguesa e Literatura, Helena Maria Rodrigues Gonçalves, em texto publicado no livro no livro “o Sagrado Coração de Jesus da Lola” - A “Santa"  de Rio Pomba “e também no jornal “O Imparcial", de Rio Pomba, MG:

“Foi preciso que a humanidade progredisse, atingindo níveis avançadíssimos em todos os ramos do saber, para que Lola nos ensinasse, como se ensina às criancinhas, a acreditar em Deus na Sua mais plena simplicidade. E Lola não foi mais que isso: plena na sua simplicidade, e simples na sua plenitude.

Que a sua passagem por nós continue como exemplo concreto de que Deus existe, a despeito de todas as falhas humanas… Que os seus livrinhos, tão carinhosamente divulgados, continuem, através de nossa divulgação, como mensageiros de conversão… Que eles também nos façam crer, definitivamente, que a saudade é a presença ausente daquela que nunca desaparecerá depois de ter passado por nós." 


sexta-feira, 8 de abril de 2016

Nono dia da novena ao Sagrado Coração de Jesus pedindo graças, e a beatificação da Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola




Nono dia 

Oração pela beatificação  (Com aprovação eclesiástica)

Composta por Padre Paulo Dionê Quintão, seu diretor espiritual nos últimos anos, e aprovada por D. Luciano Mendes de Almeida, quando Arcebispo de Mariana (MG).


Deus Pai, que revelastes as maravilhas do Reino aos pequeninos, nós Vos agradecemos pelos tesouros de virtude e sabedoria que em vida concedestes a Vossa filha Floripes Dornelas de Jesus, Lola.

Nós Vos pedimos, pela força do Vosso Espírito, exaltai sua humildade elevando Vossa fiel serva à honra dos altares.

Concedei-nos a graça da oração e total confiança no Sagrado Coração de Vosso Filho e na proteção materna de Maria, para que o maior número de pessoas possa tê-la como intercessora e modelo de vida cristã. Amém.  


Morte abençoada

Lola, a Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, faleceu, em odor de santidade, em 9 de abril de 1999. Momentos antes de morrer, assistiu à Santa Missa celebrada por seu diretor espiritual Padre Paulo Dionê Quintão.  Milhares de pessoas acorreram ao  seu velório e sepultamento. Seu funeral foi noticiado nos  telejornais do País no dia 10/4/1999. Tratava-se de uma pessoa considerada santa por todos os que, de alguma forma, tiveram contato com ela.


Testemunho

Parte do testemunho da Sra.  Helena Maria Rodrigues Gonçalves, professora de Lingua Portuguesa e Literatura, que foi publicado no livro “o Sagrado Coração de Jesus da Lola” - A “Santa"  de Rio Pomba “, de Roberto  Nogueira Ferreira, e também no jornal “O Imparcial”:

[…] “Ela me contou a história de Lola. Achei muito estranho, inacreditável. Diante da minha incredulidade e do meu ceticismo, ela indagou se eu gostaria de conhecê-la. Fomos até Rio Pomba. Estava louca para chegar à casa de Lola. Achei simplesmente bucólico o local: muito verde, as flores, as árvores estavam lindas com as chuvas de verão (era janeiro de 1988), e as vacas ruminado no terreiro, emprestavam ao lugar um ar de perfeita harmonia, um ar de profunda paz. Estava esperando que todos se distraíssem para, dessa forma, entrar no quarto de Lola. Só queria ver se era verdade que ela não comia, não bebia água… Foi o que fiz. Com ninguém na sala, atravessei-a e cheguei até à porta. Antes de abri-la, porém, detive-me diante de um umbral onde se pendia um pequeno quadro, já velho e roto, com uma imagem do sagrado Coração de Jesus, em torno do qual se liam as doze promessas feitas pelo Sagrado Coração de Jesus à santa Margarida. Com a mão esquerda no trinco da porta e os olhos no quadro, comecei a ler as promessas. Minha intenção era, ao terminar a leitura, abrir a porta e ver Lola. No fundo queria, além de ver Lola, constatar se não havia algum copo de água ou algum prato de comida escondido. Queria ver para crer. Li cada promessa atentamente, mas, ao chegar na sétima (As almas tíbias se tornarão fervorosas), algo muito estranho aconteceu, quase que indescritível: senti algo como se fosse uma ausência física. Era como se eu estivesse suspensa no universo cósmico. Lembro-me de ouvido o senhor Onofre  (marido de dona Jelza) chamar todos para me acudirem, que eu estava desmaiando. Fiquei chorando, segundo ele mesmo afirmou, durante duas horas e quinze minutos. […] 

Ela termina assim : 
“Foi preciso que a humanidade progredisse, atingindo níveis avançadíssimos em todos os ramos do saber, para que Lola nos ensinasse, como se ensina às criancinhas, a acreditar em Deus na Sua mais plena simplicidade. E Lola não foi mais que isso: plena na sua simplicidade, e simples na sua plenitude.

Que a sua passagem por nós continue como exemplo concreto de que Deus existe, a despeito de todas as falhas humanas… Que os seus livrinhos, tão carinhosamente divulgados, continuem, através de nossa divulgação, como mensageiros de conversão… Que eles também nos façam crer, definitivamente, que a saudade é a presença ausente daquela que nunca desaparecerá depois de ter passado por nós." 


Oração

Sagrado Coração de Jesus fazei com que a simplicidade e fidelidade à Vós, que sois a Verdade,  concedida por Vós  à Lola, sejam também uma característica comum a todos os cristãos. Concedei-me, também, por sua intercessão a graça que preciso.


Tudo por Vós ó sagrado Coração e Jesus!

Pai Nosso, Ave Maria e Glória ao Pai.


Para a Glória de Deus, e nossa alegria, a Congregação das Causas dos Santos, no Vaticano, em Roma, concedeu o status de NULLA OSTA (nenhum obstáculo) Para o andamento do Processo de  Beatificação de Floripes Dornellas de Jesus; assim sendo, nossa Lola recebe o título de Serva de Deus. 

Nihil Obstat: 
 Data: 30 de novembro de 2005
Protocolo: 2.699
Autor da Causa: Cúria Arquidiocesana de Mariana (MG)


A quem alcançar graças por intercessão da Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola, pedimos que as reporte à 

Arquidiocese de Mariana
Rua Dom Silvério, 51 – Centro
MARIANA • MG • CEP: 35420-000
www.arqmariana.com.br

Sorocaba, Páscoa de 2016
Organização e textos 
Giselle Neves Moreira de Aguiar 

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Oitavo dia da novena ao Sagrado Coração de Jesus pedindo graças, e a beatificação da Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola



Oitavo dia 


Oração pela beatificação  (Com aprovação eclesiástica)

Composta por Padre Paulo Dionê Quintão, seu diretor espiritual nos últimos anos, e aprovada por D. Luciano Mendes de Almeida, quando Arcebispo de Mariana (MG).

Deus Pai, que revelastes as maravilhas do Reino aos pequeninos, nós Vos agradecemos pelos tesouros de virtude e sabedoria que em vida concedestes a Vossa filha Floripes Dornelas de Jesus, Lola.

Nós Vos pedimos, pela força do Vosso Espírito, exaltai sua humildade elevando Vossa fiel serva à honra dos altares.

Concedei-nos a graça da oração e total confiança no Sagrado Coração de Vosso Filho e na proteção materna de Maria, para que o maior número de pessoas possa tê-la como intercessora e modelo de vida cristã. Amém.  

O tesouro

Lola tinha caixas repletas de estampas do Sagrado Coração de Jesus; no verso de cada uma estava impressa uma tabela com espaços para serem preenchidos com datas nas quais as pessoas realizavam as comunhões reparadoras, segundo o pedido feito por Ele à Santa Margarida Maria Alacoque, na décima segunda promessa dirigida aos devotos do Seu Sagrado Coração: "O amor todo poderoso do meu Coração concederá a todos os que por nove meses seguidos comungarem na primeira sexta-feira a graça da perseverança final e da salvação eterna “. 


Elas estavam todas preenchidas.  As pessoas adquiriram o costume de lhe enviá-las ao término de suas novenas. Ela dizia, com alegria e leveza de espirito,  que aquele era o seu “Tesouro”.  Cada uma daquelas estampas preenchidas representava alegria e conforto para o Sagrado Coração de Jesus.   Elas significavam que Seu pedido havia sido atendido por cada pessoa que enviara sua estampa. Sem falar nos imensos benefícios recebidos por  cada uma delas. Para ela, que vivia só para alegrar o Coração, tão humano, de Deus, aproximando dele as almas humanas, tão amadas  e queridas por Ele, ela tinha um verdadeiro tesouro.


Ambiente  cheio da luz de Deus.

Quem convivia com Lola demonstra, através de seus relatos, que sua profunda humildade não permitia que sua pessoa fizesse sombra à Presença de Deus nela, e consequentemente,  em todo o seu quarto. Naquele espaço, só vigorava a Presença de Deus!

Essa abençoada criatura de Deus marcou a vida de inúmeras pessoas. Não foram raras as vezes que pessoas saíam de profundo estado de sofrimento físico, mental ou espiritual para um estado de produtiva alegria, por terem sido agraciadas pelas bênçãos de Deus, recebidas através de suas orações.


 Testemunho do Sr. Arcebispo

No dia primeiro de julho de 2005, Dom Luciano Mendes de Almeida, então arcebispo de Mariana, celebrou uma missa festiva pela Abertura do Processo de Beatificação de Floripes Dornelas de Jesus, junto à Congregação para as Causa dos Santos, na Santa Sé.

Naquela ocasião, com Igreja de São Manoel repleta de fiéis, foram enchidas duas enormes cestas, colocadas no altar, com  os testemunhos dos fiéis relatando graças recebidas por intercessão da Lola, como era conhecida. O objetivo era levantar documentos para a Causa de sua beatificação.

No sermão Dom Luciano contou um fato por ele testemunhado:

Um padre da sua arquidiocese estava em profunda depressão havia bastante tempo. O arcebispo levou-o até  a Lola, para pedir que ela rezasse por ele. Ficaram apenas alguns minutos no quarto da Lola, conversando sobre assuntos formais.  Segundo disse os Sr. arcebispo, já ao sair de lá o padre se mostrava como se fosse outra pessoa. Toda depressão havia dissipado e ele se mostrava muito vivo, cheio da alegria da graça de Deus.


Oração 

Sagrado Coração de Jesus, que por vossa admirável providência, fizestes com que Lola vos service com um apostolado tão frutuoso, apesar de ser uma pessoa tão limitada fisicamente, fazei também que eu e minha família também encontremos e vivamos a alegria de produzir o bem que pudermos, ao nosso próximo, pelo vosso amor. E que, por esse mesmo amor, eu receba a graça que tanto preciso, pela confiança que teve a Lola no vosso sagrado Coração.

Tudo por Vós ó Sagrado Coração de Jesus!


Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.



quarta-feira, 6 de abril de 2016

Sétimo dia da Novena ao Sagrado Coração de Jesus pedindo graças e a beatificação da Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola





Sétimo dia

Oração pela beatificação  (Com aprovação eclesiástica)

Composta por Padre Paulo Dionê Quintão, seu diretor espiritual nos últimos anos, e aprovada por D. Luciano Mendes de Almeida, quando Arcebispo de Mariana (MG).

Deus Pai, que revelastes as maravilhas do Reino aos pequeninos, nós Vos agradecemos pelos tesouros de virtude e sabedoria que em vida concedestes a Vossa filha Floripes Dornelas de Jesus, Lola.

Nós Vos pedimos, pela força do Vosso Espírito, exaltai sua humildade elevando Vossa fiel serva à honra dos altares.

Concedei-nos a graça da oração e total confiança no Sagrado Coração de Vosso Filho e na proteção materna de Maria, para que o maior número de pessoas possa tê-la como intercessora e modelo de vida cristã. Amém.  



O "óleo da Lola"

 Certa vez, uma pessoa estava muito aflita com uma ferida. Procurou então a Lola, e pediu suas orações. Ela, com a simplicidade que lhe era peculiar, disse:
          
 -- Tenha calma, você não vê aquela chama naquele vidro de óleo junto do sacrário? É a chama que indica a presença viva de Deus, de corpo presente, na Hóstia Consagrada. Vá até ali, molhe seu dedo naquele óleo e passe no local, perto da ferida, como sinal da luz da Verdade que o Sagrado Coração de Jesus está presente, junto a você, assim como está no sacrário. Confie então que você e sua ferida estão aos cuidados d’Ele! O Deus Todo Poderoso proverá todos os recursos que se fizerem necessários, com certeza, você ficará bem! Em pouco tempo aconteceu a cura. De lá para cá, esse óleo ganhou fama.

Mas, o óleo da chama da luz do sacrário do quarto da Lola passou a ser somente o "óleo da Lola”, devido a uma razão muito simples: a conhecida maneira dos mineiros gostarem  muito de resumir e  simplificar tudo. 

E até hoje continua a ser muito usado como veículo (sinal de unção) de cura para dores do corpo e da alma.
              
 Segundo Myriam Rodrigues Vieira, afilhada e assídua colaboradora de Lola, no último janeiro antes da  sua morte, as senhoras Jelza e Rita trouxeram-lhe  cerca de vinte litros de óleo de mamona (usado antigamente nas lâmpadas de sacrário) para dar continuidade ao seu costume de distribuí-lo. Eles foram bentos, no dia dois de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, pelo padre Paulo Dionê, seu diretor espiritual, seguindo o costume e o gosto da hoje Serva de Deus.
            
Continuando fiel a esses mesmos costumes e gostos da madrinha, a fiel Myriam sempre completa o volume com óleo novo toda vez que o nível chega à metade. Assim tem sido distribuído até hoje e inúmeras graças continuam sendo alcançadas pela fé!

Myriam registrou essas informações no Cartório de Rio Pomba e as enviou ao Sr. Arcebispo de Mariana, Dom Geraldo Lyrio.


Uma, de várias graças alcançadas.


 Em janeiro de 2009, William Rodrigues Mendes estava com uma grave doença. Câncer sanguíneo, mieloma múltiplo que havia se manifestado na calota craniana. Estava internado num dos melhores hospitais do país para o seu caso, na capital do seu Estado, onde fora submetido à um transplante de medula. Precisava ficar em total isolamento, não podia correr o risco de  uma possível contaminação. Sua esposa, Angela Moreira Lopes, revezava com a mãe dele o seu acompanhamento. Moravam no interior e ela tinha que trabalhar e cuidar do filho. 

Aconteceu que Angela, estando na sua cidade recebeu um comunicado que fosse rápido ao hospital, porque o estado de William havia se tornado gravíssimo. Ela foi muito angustiada, rezando e pedindo ajuda a Deus. Levava um vidrinho com o óleo da Lola que sua mãe havia lhe dado. 

 Daquela vez, significando a gravidade da situação, no hospital não exigiram dela o sério processo de assepsia necessário para entrar onde estava William, deixaram até que ela levasse o o óleo da Lola… 

Com todo amor, ela ungiu a testa dele com o óleo que representava as orações que toda a família estava fazendo, pedindo a Deus a saúde de seu esposo.

 A graça foi alcançada. Hoje William goza de plena saúde e sua família é cheia de gratidão. Há  vários anos, ele já havia obtido a cura de seu irmão, com pancreatite, desenganado pelos médicos. Havia colocado uma estampa com a oração de beatificação da Lola debaixo do travesseiro dele, em penhor de tantas orações que fazia, pedindo pela saúde  do irmão.


Oração 

Sagrado Coração de Jesus, que atendestes a tantos pedidos feitos por intercessão daquela que O amou de forma tão simples e completa, a Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus,  fazei que eu também receba, por sua intercessão a graça que tanto preciso.

Tudo por Vós, ó Sagrado Coração de Jesus!

Pai Nosso, Ave Maria e Glória ao Pai.

Outra Neumann, brasileira.

Em 1956 foi publicado um dos primeiros artigos sobre a nossa querida Lola.

 Foi no  livro: A “Graça” que Frutifica – Contos e Narrativas – 
de autoria do Pe. Fernando Pedreira de Castro, S.J.,publicado  pela Editora Vozes, Petrópolis, RJ., em 1956, com Nihil Osbtat do Pe. J. B. Rocha, S. J. - Provincial da Companhia de Jesus no Brasil Central - em Nova Friburgo, 22 de maio de 1955.

 Na pagina 163 existe uma crônica chamada Outra Neumann, brasileira .
 Nela, a Serva de Deus, Floripes Dornelas de Jesus, a nossa Lola é comparada à Teresa Newman uma mística alemã, estigmatizada, falecida em 1962 , que teria vivido  39 anos se alimentando somente da Sagrada Eucaristia.















.. E nós, o povo de Rio Pomba, MG, Brasil, podemos testemunhar que, de 1953 até a sua morte em 1999, Lola viveu mais 46 anos nas mesmas circunstâncias...

Tudo por Vós ó Sagrado Coração de Jesus!


Peregrinos rezam no sítio da Lola

Nós, que estamos longe, façamos uso dos recursos da tecnologia para realizarmos uma visita virtual à casa da Lola e rezar lá o terço  do Sagrado Coração de Jesus, com um grupo de peregrinos de Cataguases, MG:




Tudo por Vós ó Sagrado Coração de Jesus!

Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, Lola, rogai por nós!