domingo, 28 de setembro de 2014

Moisés e Josué




Na manhã de hoje, 28/09/2014, aconteceu um encontro dos nossos dois Papas, em um evento na Praça São Pedro, no Vaticano. 

A imagem dos dois Papas me lembra as figuras de Moisés e Josué no Antigo Testamento.
Lembra unidade da Igreja, e o especial cuidado que Deus tem com Ela, quando, para guardá-la e defende-la, faz acontecer coisas inimagináveis para as mentes humanas, como a existência concomitante de dois Papas. Embora a chefia da Igreja esteja com apenas um deles, o novo Josué, a oração ininterrupta do novo Moisé, sua contínua união com Deus, é que faz acontecer a vitória do novo Josué. 


"Amalec  veio atacar Israel em Rafidim. Moisés disse a Josué: “Escolhe-nos homens e vai combater Amalec. Amanhã estarei no alto da Colina com a vara de Deus na mão”. 

Josué obedeceu a Moisés e foi combater Amalec, enquanto Moisés, Aarão e Hur subiam ao alto da Colina. E, enquanto Moisés tinha anão levantada, Israel vencia, mas, logo que a abaixava, Amalec triunfava. 

Mas como se fatigassem os braços de Moisés, puseram-lhe uma pedra por baixo e ele assentou-se nela, enquanto Aarão e Hur lhe sustentavam as mãos de cada lado: suas mãos puderam assim conservar-se levantadas até o por do sol, e Josué derrotou Amalec e o seu povo ao fio da espada."
- Ex 17 8-13 -

 Leia a história toda, é linda!



quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A calma da vítima diante do carrasco do EI ( Estado Islâmico)


"Eu lamento enormemente isso (os ataques da coalizão internacional contra os terroristas). O Brasil sempre vai acreditat que amelhor forma é o diálog, é o acordo e a intermediação da ONU" - Presidente Dilma Roussef.

Este painel é para ilustrar um ótimo artigo publicado no jornal "O Estado de São Paulo" de hoje. Escrito por Aki Peritz, do "Washingnton Post".  Ele nos lembra que é preciso ver  cada notícia com todo o seu significado. Senão vamos nos tornando embrutecidos, cada vez mais desumanos, tratando como banais fatos de grande gravidade. Se as notícias servirem para tornar as pessoas piores, mais violentas, sem sentimentos de compaixão, melhor seria que não existissem os veículos que as divulgam.




O meio ambiente humano e a Palavra de Deus



 Veja como atual é a carta de São Paulo aos Romanos:

“A ira de Deus se manifesta do alto do céu contra toda a impiedade e perversidade dos homens, que pela injustiça aprisionam a verdade. Porquanto o que se pode conhecer de Deus eles o lêem em si mesmos; porque Deus lho revelou com evidência. Pois desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por suas obras; de modo que não se podem escusar. Porque, conhecendo a Deus não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças. Pelo contrário, extraviaram-se em seus vãos pensamentos, e se lhes obscureceu o coração insensato. Pretendendo-se sábios, tornaram-se estultos. Mudaram a majestade de Deus incorruptível em representações e figuras de homem corruptível, de aves, quadrúpedes e répteis.

Por isso Deus os entregou aos desejos dos seus corações, à imundícia, de mordo que desonram entre si os próprios corpos. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador, que é bendito pelos séculos. Amém! Por isso, Deus os entregou  paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza. Do mesmo modo, também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario.Como não se preocupassem em adquirir o conhecimento de Deus, Deus entregou—os aos sentimentos depravados, e daí ao procedimento indigno.


São repletos de toda espécie de malícia, perversidade, cobiça maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade. São difamadores, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, soberbos altivos, inventores de maldades, rebeldes contra os pais. São insensatos, desleais, sem coração, sem misericórdia. Apesar de conhecer o justo decreto de Deus que considera dignos de morte aqueles que fazem tais coisas, não somente as praticam, como também aplaudem os que as cometem.” - Rom 1, 18-32 -

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

"Porque quando o meu Deus manda, até diabo obedece".



O Poder de Deus.

Certo dia eu estava ouvindo a programação de uma rádio Católica, e ligou para a rádio uma senhora que estava passando por momentos muito difíceis. Aproveitando a oportunidade, ela resolveu fazer um apelo e disse : ”Eu estou passando  por uma grande dificuldade, o desemprego bateu em minha porta, tenho filhos pequenos, meu esposo está fazendo apenas alguns serviços extras, porém, a renda não é suficiente. Se algum irmão puder me ajudar com algum alimento eu ficaria muito grata, aquilo que DEUS tocar em seu coração eu agradeço e será de grande ajuda. E ali ela aproveitou e falou o seu endereço…

Mas no momento deste apelo um homem estava ouvindo a programação e disse: - É hoje que eu mostro que Deus não se importa com ninguém.

Então ele se dirigiu ao mercado e fez “aquela" compra. De tudo que havia ele comprou em dobro. Chegou em casa  e disse para duas pessoas que trabalhavam com ele: - Vocês vão até a casa dessa senhora e e entreguem esta compra e quando ela perguntar quem mandou, vocês vão dizer a ela que foi o diabo. É o diabo quem está enviando esta compra. 

E assim seguiram aqueles dois homens rumo à casa da senhora, bateram palmas e ela, com toda a sua humildade, atendeu. Eles disseram: - Viemos trazer esta compra para a senhora. -Entrem, por favor, vão colocando aqui, disse ela.

Descarregaram tudo e a senhora disse: Que Deus abençoe, muito obrigada, muito obrigada, mesmo!

E aqueles dois homens pararam, olharam um para o outro e sussurraram: -Ela não vai perguntar quem mandou a compra? -E o outro respondeu: - Não sei. Estranho, né?

Então o homem, com todo atrevimento perguntou: -Hei, você não vai perguntar quem mandou essa compra? E a senhora, com toda sabedoria respondeu: -Eu não. Porque quando o meu Deus manda, até o diabo obedece. 

E os dois homens ficaram pasmos e se retiraram.

Moral da história: O Poder de Deus é incalculável e grandioso, quando colocamos as preocupações, a nossa saúde e principalmente a nossa vida nas mãos e no Coração de Jesus, tudo em nós se transforma: basta apenas CRERMOS em Seu Amor…


Padre Marcelo Rossi, no seu livro: Momento de Fé - As Melhores Histórias - Editora Novo Rumo- Curitiba -2004

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Primavera


Venha, chuvosa e luminosa, primavera!
Nos expulsar a dureza e escuridão do coração.
Que Deus faça, no nosso meio ambiente,  acontecer  
a paz, o amor e a alegria, 
 disseminados por sua beleza e harmonia.







sábado, 20 de setembro de 2014

Notícias filtradas



Assisti, ao vivo, na quarta-feira16/09/2014 a seção CPMI da Petrobrás  que deveria interrogar o seu ex-diretor Paulo Roberto Costa, a respeito  do  conteúdo da delação premiada que ele havia  feito à Justiça do Paraná sobre prejuízos causados à empresa possivelmente devido à corrupção.  Confesso que senti algo de bom; muitas informações levaram a deduções vindas do próprio silêncio do inquirido, que usou do seu direito de permanecer calado.

Diante do silêncio, parlamentares da oposição , disseram que suas assessorias realizaram diligências e obtiveram muitas informações a respeito do assunto e, baseados nelas, fizeram perguntas ao acusado, mesmo que ficassem sem resposta. 

Alguns externaram a indignação própria dos seus representados: todos os  cidadãos que se prezam, ao saber que tal diretor da maior estatal do país, preso por corrupção, diz à Justiça que dezenas de parlamentares, governadores e ministros estão envolvidos na mesma trama de corrupção.

Às vésperas das eleições, quando tem que escolher em quem votar, como fica o eleitor sem saber se está ou não votando em em corrupto? Na visão dos brasileiros sérios, há grande necessidade de que seus nomes sejam declinados, uma vez que as delações deveriam ser acompanhadas de provas para que aconteça o prêmio da grande diminuição da pena. Já os da base do governo apenas diziam que queriam que a investigação fosse feita…

Assim que terminou  a seção, num canal de TV de notícias, âncora e comentarista insinuavam deboche ao comentarem que a CPI virou palanque eleitoral. O mesmo estava na manchete de pelo menos um grande jornal do país.
  
Uma pergunta não queria calar: onde estão os nossos jornalistas investigativos? Por que o que foi dito  naquela seção de CPMI não estava publicado nos grandes jornais?
Os, habitualmente demonizados, deputados que externaram, no Parlamento, o sentimento  de muitos brasileiros diante do pouco que tem sido publicado sobre o rombo na Petrobrás, estariam fazendo o papel da imprensa, investigado e divulgando fatos de interesse de toda a população?

Os jornalistas que acusaram os deputados de uso da comissão como palanque eleitoral por acaso acreditam que, por ser época de eleição, não deveriam cumprir o dever deles, defender o interesse público em situação de tão alto risco? Ou apenas  tais jornalistas não alcançam a  extensão e gravidade  dos assuntos que noticiam?
 Em uma democracia, é preciso que haja diversidade de pensamentos. Sem ela   não há como um cidadão desenvolver todo o seu potencial. Ao que tem parecido, depois de décadas de monopólio ideológico, nas redações, a maioria dos nossos jornalistas comungam o pensamento e visão de mundo dos que detêm o poder no pais.

 A revista Veja tem sido naturalmente demonizada  por atingidos e partidários deles, por abrigar heróicos jornalistas que, ousando contrariar o regime, puxaram o cordão da verdade publicando notícias que colocaram na cadeia corruptos importantes  devidamente julgados e condenados.  Se não fosse por tais notícias  divulgadas e aprofundadas depois por outros órgãos da imprensa, certamente já teríamos um grau de liberdade igual ao de Cuba e uma qualidade de vida similar à da vizinha Venezuela, que é, ainda, um pouco melhor que a de Cuba...

Tudo isso devido à hegemonia do pensamento que quer vigorar, à força, pela ditadura gramscista. Viva a verdadeira Democracia, que não acontece sem a verdadeira liberdade de imprensa.

Confirma o pensamento a afirmação da Presidente da República publicada hoje ( 20/09/2014) em todos os grande jornais: “Papel da imprensa não é o de investigar e sim divulgar informações”. Segundo o cômodo pensamento de Sua Excelência, jornalistas, como bons vassalos, devem apenas publicar o que as assessorais de imprensa dos órgãos do governos enviam às redações. Afinal, a receita de tais empresas de notícias não tem como maiores fontes de recursos as propagandas dos governos, das autarquias, das empresas estatais,  e os bancos oficiais?…

Foto:meninadelah.blogspot.com.br/

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Santa Missa: a Palavra de Deus em ação.



Com efeito, “celebração liturgia torna-se uma contínua, plena e eficaz  proclamação  da Palavra de Deus. Por isso, constantemente anunciada na liturgia, a Palavra de Deus permanece viva e eficaz pela força do Espírito Santo, e manifesta aquele amor operante do Pai que não cessa jamais de agir em favor de todos os homens”."

De fato, a Igreja sempre mostrou ter consciência de que, na ação litúrgica, a Palavra de Deus é acompanhada pela ação íntima do Espírito Santo que a torna operante no coração dos fiéis. Na realidade, graças ao Paráclito (Espírito Santo) é que "a Palavra de Deus  se torna fundamento da ação litúrgica, norma e sustentáculo da vida inteira. A ação é do próprio Espírito Santo […] que sugere a cada uma, no íntimo do coração, tudo aquilo que, na proclamação da Palavra de Deus, é dito para a assembléia inteira dos fiéis e, enquanto reforça a unidade  de todos, favorece também a diversidade dos carismas e valoriza a ação multiforme”. 

Por isso, para a compreensão da Palavra de Deus, é necessário entender e viver o valor essencial da ação litúrgica. Em certo sentido, a hermenêutica( interpretação ) da fé relativamente à Sagrada Escritura deve ter sempre como ponto de referencia  a liturgia, onde  a Palavra de Deus é celebrada como palavra atual e viva: “A Igreja, na liturgia, segue fielmente o modo de ler e interpretar as Sagradas escrituras seguindo o próprio Cristo, quando, a partir do ‘hoje' do seu evento , exorta a perscrutar todas as escrituras. “

Bento XVI na Exortação Apostólica Pós -Sinodal VERBUM DOMINI, 
citando o Ordenamento das leituras da Missa.