sábado, 19 de julho de 2014

Oração de Santo Elias

20 de julho - dia de Santo Elias, profeta, o precursor dos carmelitas.


 Oração de Santo Elias 

Senhor, Deus dos Exércitos, que manifestates o teu poder em Santo Elias, Profeta, defensor da Justiça, da Ética e da Vida, sendo de Deus no meio do povo; dai-me força e coragem para caminhar.

Que o Divino Espírito Santo venha me iluminar nas noites escuras. 
Livra-me do deserto da vida, da falta de fé, dos deuses da modernidade. 
Atende a esta súplica neste momento de cansaço e indecisão. (Fazer o pedido)

Que a Virgem do Carmo e Santo Elias me cubram com o Sagrado Manto e revistam-me com o Santo Escapulário.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, na Unidade do Espírito Santo.
Amém

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Romaria à Aparecidinha - julho de 2014

13/07/2014. Como acontece duas vezes ao ano, uma em janeiro outra em julho, mais uma vez a romaria à Aparecidinha moveu milhares de pessoas de Sorocaba e região:


Às 5horas da manhã/ madrugada a praça em frente à catedral já estava repleta de romeiros.

  

Após a Santa Missa, celebrada nas escadarias da Catedral pelo Arcebispo Dom Eduardo Benes Rodrigues,  o cortejo segue com destino ao Santuário de Aparecidinha.
O segundo constuído no Brasil para homenagear Nossa Senhora Aparecida, daí nome "Aparecidinha".

Segundo o folheto distribuido no Santuário, escrito pelo seu pároco, Pe. Marcos Ribeiro de Carvalho, ele teve como origem  na capela construída em 1785 para abrigar uma  pequenina imagem, que teria sido feita por um índio e que  ficava em um nicho, no tronco de uma árvore.  O lugar  era passagem dos tropeiros, que pararavam sempre ali para pedir bênção à Mãe de Deus, lembrada pela pequena imagem.

Tem-se notícias de que as romarias existem desde 1808, outros dizem que desde 1852.  A apartir de 1899, por causa de um segundo surto de febre amarela, Monsenhor João Soares, pároco da então Matriz de Nossa Senhora da Ponte, fixou as datas das romarias: a 01 de janeiro a imagem vem do Santuário para a Matriz, hoje Catedral, e no segundo domingo de julho volta para o Santuário, sempre carregada pelo seu povo.

Hoje o Santuário é assim:



 Voltando à romaria deste ano, a saida do cortejo foi assim:



 Todas as vezes, acontece uma parada na ponte sobre o rio Sorocaba, que une os dois lados da cidade.
Nesse momento acontece um repicar de fogos, homenagem dos moradores do bairro.
Neste ano,  parecia que um havia 'um mar' de filhos da mãe de Deus.


O cortejo segue, passa pela Santa Casa de Misericórdia:



 Nesse ponto, muitos sorocabanos seguem um pedaço do cortejo, ou vêm apenas para homenagear
Nossa Senhora, como as irmãs Bufalo, que já fizeram muitas vezes a caminhada:


Sobre os ombros da multidão de seus filhos, a imagem da Mãe percorre a cidade.
Os que caminham sentem um conforto muito grande, os corações estão em paz, se soltam. O ambiente é totalmente favorável aos filhos de Deus.  AQUI TODOS GOSTAM DE NOSSA SENHORA!


Um clima de respeito e alegria vigora. Muitas pessoas cantam hinos marianos, lembram canções que ouviram de mães ou avós,  Muitos rezam o terço:

                                    



A romaria percorre grande parte da cidade com a imagem da Mãe:





No longo trajeto, de cerca de 15 km, a imagem de Nossa Senhora é homenageda pelas firmas localizadas no caminho:





 







Muitas dessas pessoas e firmas oferecem também o uso de sanitários aos romeiros, mas o governo municipal disponibiliza sanitários químicos, ao longo de todo o percurso:


 A caminhada prossegue; encanta ver a generosidade de pessoas e firmas que oferecem gratuitamente, pão, água, chá e café aos peregrinos:




A distância vai sendo vencida, todos juntos, demonstrando sua fé e alegria em família. A imensa família dos filhos de Deus e da Virgem Maria:



A chegada enche de alegria o coração do romeiro, que enfrenta grande fila para se reverenciar diante de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida que fica no Santuário novo:





Depois de visitar o o santuário, é preciso comer um pastel, feito com muito carinho pelas pessoas da paróquia do Santuário. Elas trabalham dias antes para organizar  a recpcão de tantos filhos da sua Mãe.
Quem observa, vê com gosto que os pasteis são produzidos, por senhoras da terceira idade em maioria, assim como são fritos por senhores mais responsáveis. Aos jovens cabe trabalhar no caixa e no atendimento aos fregueses. Mais uma vez, a família  de Deus trabalhando unida.



Quem chega mais cedo, espera a chegada da imagem. Um sentimento de tranquilidade se instala.


A chegada da imagem, precedida pela de São Benedito, faz todo mundo se levantar e recebe-las com alegria:



 Finalmente,  o sentimento do romeiro é traduzido pela letra da música cantadada com tanto amor:

Aqui estão vossos devotos,
Cheios de fé incendida,
De conforto e de esperança,
Ó Senhora Aparecida.

Viva a Mãe de Deus e nossa!
Sem pecado concebida,
Viva a Virgem Imaculada,
Ó Senhora Aparecida!

video

Todas as fotos foram tiradas neste dia, 13/07/2014.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

São Bento e a sabedoria

11 de julho, dia de São Bento

Nos  mosteiros beneditinos, na Santa Missa desse dia, é feita esta leitura, que descreve bem a vida de São Bento, e que é modelo para seus filhos.



Meu filho, se aceitares as minhas palavras, e guardares contigo os meus mandamentos, prestando atenção à sabedoria e inclinando o teu coração ao conhecimento da prudência; se suplicares a inteligência e pedires em voz alta a prudência; se andares à sua procura como ao dinheiro, e te lançares no seu encalço como a um tesouro; então compreenderás o temor do Senhor, e alcançarás o conhecimento de Deus.

 Porque é o Senhor quem dá a sabedoria, de sua boca procedem a ciência e o discernimento. Ele reserva o êxito aos retos. É um escudo para quem caminha com integridade, protege aquele que segue as veredas da justiça e guarda o caminho dos seus fiéis. Então conhecerás a justiça e o direito, a equidade e todo bom caminho. - Pr 2, 1-9 -

São Bento, rogai por nós!

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Nossa Senhora Aparecida e sua devoção, em Sorocaba e região.


A Padroeira  de Sorocaba é Nossa Senhora da Ponte. 
Aqui no Brasil é o único lugar em que a Virgem é venerada
com este título. A imagem atual, que fica no altar-mor da Catedral, 
veio do Porto, em Portugal, em1771. 

Segundo o grande historiador sorocabano, Aluísio de Almeida,
tal invocação tem origem mesmo em Portugal. Em uma cidade 
do Minho, que se chama Ponte de Lima, existe uma imagem
muito parecida com a daqui. Daí teria surgido o nome Nossa
Senhora da Ponte, significando a Nossa Senhora da cidade de
Ponte de Lima.

Católicos de todo o planeta, no entanto, consideram muito natural
o fato de que Nossa Senhora seja a ponte entre a indigência
humana e a onipotente bondade de Deus. Por meio dela
(servindo como ponte), o “Verbo” se fez carne, e habitou entre
nós. Deus fez-se humano, uniu-se a  nós, tornou-se humano,  sem, 
no entanto, deixar de ser Deus.

 Porém, se alguém aplicar uma pesquisa em Sorocaba para
saber qual é o título de Nossa Senhora de maior devoção dos sorocabanos,
sem dúvida vai se certificar de que é Nossa Senhora Aparecida.
Duas vezes por ano, o povo acorda cedo para homenageá-la.

 Na madrugada do segundo domingo de julho, os fiéis se reúnem na porta 
da Catedral para, depois de participar de uma Missa celebrada pelo arcebispo, 
levar uma pequenina imagem para o segundo santuário a ela dedicado, o de
Aparecidinha, em um bairro distante cerca de 15 quilômetros, que o povo percorre a pé.

O mesmo trajeto é feito de volta, depois dos primeiros
raios de sol do Ano-Novo.  Aos primeiros raios de sol do primeiro 
dia de janeiro, novamente o arcebispo metropolitano celebra a Missa no
Santuário, depois da qual a romaria traz de volta a pequenina
imagem para ser venerada na sua capela da Catedral. 

 Durante o cortejo a imagem  passa pela Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba, 
onde os doentes e os que deles cuidam se sentem abençoados e confortados
com tão querida visita. 

Dessas romarias, participam dezenas de milhares de pessoas, dos mais 
diferentes perfis. Conta-se na cidade, que essas romarias ocorrem desde
1852, mas que as datas foram fixadas a partir de 1899 pelo então
pároco da Matriz (ainda não era Catedral) de Nossa Senhora da
Ponte, Monsenhor João Soares. Na ocasião, havia um surto de
febre amarela e o povo pedia ajuda de Nossa Senhora para a cura
de terrível doença. 

Hoje, inúmeras são as necessidades que movem os romeiros, 
entre elas, a de agradecer a tantas graças vindas do fato de poder 
considerar como sua a Mãe de Deus, e gozar de tudo o que isso significa.

Por essa devoção tão grande, a capela de Nossa Senhora
Aparecida, uma das oito que margeiam a nave da Catedral de Sorocaba, 
é a que tem diante de si sempre o maior número de pessoas. 

 Alí, a história desse título, Aparecida, está contada por uma
pessoa que era ainda um estrangeiro, recém-chegado da Itália,
mas que soube como descrever com grande significado a história
que todos podem compreender sabendo ou não ler.







A pintura  de Bruno de Giusti ao redor da pequena imagem mostra, 
do lado esquerdo, o momento em que a imagem “aparecia” na rede
dos pescadores. A frágil imagem de Nossa Senhora da Conceição,
que se tornara negra por ter estado tanto tempo no fundo rio Paraíba,
mostrava-se da cor de muitos dos seus filhos que estavam, naquela época, 
na condição de escravos. A mãe dava um sinal de que aquilo não
estava certo, queria todos os seus filhos livres.

Tal fato é comprovado pela cena retratada do outro lado.
Um episódio tão contado em todos os ambientes católicos de até
pouco tempo atrás, está (ainda) descrito com total simplicidade
pelo pincel e pela grande sensibilidade do pintor estrangeiro: um
escravo, apesar de ter os braços ligados por pesadas correntes,
fugia do seu dono e era perseguido pelo feitor e seus cachorros.

Quando não aguentava mais, viu uma pequena capela, onde buscou,
instintivamente, o refúgio. Ali se encontrava a pequenina
imagem da Mãe “aparecida” na rede dos pescadores. Caiu de joelhos
diante da imagem com um olhar suplicante; nesse momento,
perante os olhos do feitor, que vinha em seguida, as correntes
caíram milagrosamente.

 Para cena, o pintor usou como  modelo da figura do escravo
uma pessoa muito popular na cidade chamada Roque.

 - trecho do livro, inédito, "A Arte Sacra de Bruno de Giusti -
Comunicação e Cultura na Catedral de Sorocaba" 

É lamentável o estado em que se encontra atualmente uma obra de arte tão
relevante do patrimônio cultural, de Sorocaba e do catolicismo mundial

Giselle Neves Moreira de Aguiar

terça-feira, 8 de julho de 2014

Santíssimo Sacramento adorado no sítio da Lola por milhares de pessoas.

Foto de Davi Reis postada no Facebook


Tudo que a Lola sempre quis!
Jesus Sacramentado sendo adorado no sítio que ela deixou somente para esse fim: que Ele fosse mais conhecido para, obviamente, ser mais amado e adorado.
Deus seja louvado por atender às suas orações e desejos! Todo esse povo adorando a Jesus Sacramentado é fruto da obra de sua vida!
Tudo por Vós ó Sagrado Coração de Jesus! "Elevai vossa fiel serva à honra dos altares"...

  Veja mais fotografias desse evento, acontecido em 07/07/2014, em Rio Pomba, MG.

Encontro do Apostolado de Oração no sítio da Lola



 07/07/2014 -  Fotografias de Dehon Soares Martins, postadas no Facebook sobre o encontro do Apostolado de Oração da Forania de Rio Pomba, arquidiocese de Mariana, MG. No Sítio deixado  em testamento pela Serva de  Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola, para que todos os recursos dele  fossem totalmente usados para que o Sagrado Coração de Jesus seja mais conhecido e, portanto, mais amado.
"Tudo por Vós ó Sagrado Coração de Jesus"era seu lema.









terça-feira, 1 de julho de 2014

O milagre de Lanciano: a Eucaristia é o próprio Coração de Jesus.



No século VIII, em Lanciano, na Itália, um sacerdote duvidou da transubstanciação que acontece da hóstia (pão)  e o vinho, usados na celebração,  no Corpo e Sangue de Jesus Cristo, no momento da Consagração, na Missa.

 Quando pronunciava as palavras: "Tomai e comei,  pois isto é o meu corpo” e “Tomai e bebei : pois este é o cálice do meu Sangue, da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e pela multidão dos homens em remissão dos pecados.” ( Luc 22, 19-20) a hóstia e o vinho se transformaram em carne  e sangue diante dele.

 Guardados em recipientes de vidro, nas condições  normais e naturais de ambiente, continuaram ao longo dos séculos, tendo o sangue coagulado. 

Em 1970, o arcebispo de Lanciano, Dom Pacífico Perantoni, encarregou os professores Edoardo Linoli e Ruggero Bertelli, da Universidade de Siena, de analisar cientificamente as relíquias.

Em 1971  os cientistas disseram  que as análises revelaram se tratar de carne humana, do miocárdio, tecido do coração. O sangue, tipo AB, era de pessoa viva, uma vez que, se fosse extraído de um cadáver o resultado seria diferente.

Em 1976, a OMS - Organização Mundial da Saúde - publicou, em Nova York e em Genebra, os resultados de uma nova análise científica, feita nas mesma relíquias, que confirmava os resultados obtidos pelos cientistas italianos.   A organização afirmava, também, que a ciência não poderia dar um explicação, com base científica,  para o fenômeno.

 O mistério cristão ultrapassa a razão.

Saibamos, portanto, que recebemos, na Sagrada Eucaristia, o próprio Coração de Jesus. Se nos alimentamos dEle, toda a nossa indignidade e fraqueza são sobrepujadas pela fortaleza e dignidade dEle.  Ele é digno e forte por nós. Podemos, assim, gozar as prerrogativas de filhos de Deus, Por Ele, com Ele e nEle.

Saiba mais sobre o assunto: