segunda-feira, 30 de março de 2015

Pobres, sempre os tereis convosco.



Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde morava Lázaro, que ele havia ressuscitado dos mortos. Ali ofereceram a Jesus um jantar; Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. Maria, tomando quase meio litro de perfume de nardo puro e muito caro, ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos. A casa inteira ficou cheia do perfume do bálsamo.

Então, falou Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que o havia de entregar: “Por que não se vendeu este perfume por trezentas moedas de prata, para dá-las aos pobres?” Judas falou assim, não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão; ele tomava conta da bolsa comum e roubava o que se depositava nela.

Jesus, porém, disse: “Deixa-a; ela fez isto em vista do dia da minha sepultura. Pobres, sempre os tereis convosco, enquanto a mim, nem sempre me tereis”. (Jo 12,1-8)

domingo, 29 de março de 2015

Semana Santa, tempo de restaurar nossos direitos, e riquezas, de cristãos


A semana Santa é um tempo especial para o cristão católico. Principalmente na nossa época, em que a força dos elos que nos unem aos nossos antepassados anda abalada pela enxurrada de informações que nos arrastam, sem nos dar tempo e condição de examinar cada uma delas, à luz do nosso repertório cultural,  comparando-as com as verdadeiras informações que nos moldaram e fizeram de nós o que consideramos ser: filhos de Deus, cheios da mais alta dignidade, não importando  o que seja dito ou pensado  a nosso respeito,  até por nós mesmos.

Participando de todas as solenidades, dos ritos que acontecem da mesma forma, usando as mesmas palavras, em todo o mundo, estaremos fazendo um verdadeiro curso de imersão na cultura católica. Recordaremos ou aprenderemos, o porquê de tudo o que é importante para nós, os fundamentos dos nossos valores. 

As solenidades mais importantes são: a da quinta-feira, na qual re-acontece a Última Ceia de Jesus Cristo com seus apóstolos, antes de ser traído por um deles. Veremos que o lava-pés é apenas um detalhe diante da principal consequência do acontecido: a Eucaristia, presença física de Jesus vivo no meio de nós, ontem, hoje e sempre.

Na sexta-feira santa recordamos a morte violenta de Jesus, antecedida de dolorosas torturas, físicas e mentais. Rezamos juntos, como povo, por todos os povos da humanidade.

No sábado à noite, significando as primeiras horas do domingo de Páscoa, celebramos a ressurreição gloriosa de Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Importante observar, em detalhes, que essa cerimônia reproduz, em pouco tempo, toda a história da nossa fé, desde Adão até a plenitude dos tempos, o reatamento da união de Deus com a humanidade, desfeita por Adão, graças à rendenção realizada em Jesus Cristo. 

Conhecendo nossa história, poderemos usufruir dos mais valiosos instrumentos e meios para renascer, livres da pesada carcaça que nos tem sido colocadas nos ombros, talvez ainda pior do que uma cruz.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Jornal "O Beija-flor"


Primeira edição da Folha Informativa "O Beija-Flor".


Era costume da Lola comunicar-se com seus amigos através de beija-flores.  Era seu costume dizer a alguém que chegasse em sua casa:  um beija-flor me disse que você  viria aqui hoje; ou: se vir um beija-flor lá, ele estará levando a minha presença, a respeito de algum evento, casamento, batizado que gostasse de participar.

Ilustra bem o sentido do beija-flor como veículo de comunicação entre os amigos da Lola a  narrativa publicada no livro:  A “Graça” que Frutifica – Contos e Narrativas – de autoria do 
Pe. Fernando Pedreira de Castro, S.J.,publicado  pela Editora Vozes, Petrópolis, RJ., em 1956.

Assim, a AACL( Associação dos Amigos da causa da Lola) resolveu criar um jornalzinho que participasse seus associados no mundo todo os fatos de interesse da Causa da Lola.   Generosamente,  o jornal "O imparcial" forneceu a lista dos seus assinantes, assim, muitos rio-pombenses nos mais diversos lugares receberam esta edição d'O Beija-Flor, que foi recebido com muita alegria e entusiasmo. 

Como já era evidente o desagrado dos padres a respeito da divulgação do exemplo de fé da nossa Lola, mormente se feito por meio da AACL, procurarmos deixar claro já no  primeiro artigo, que tudo o que a AACL fazia estava de acordo com a Igreja Católica Apostólica Romana.

Infelizmente o sucesso da primeira edição  aumentou a rejeição dos padres a rspeito da AACL, assim, os membros mais importantes da associação foram assediados por visitas um dos padres. Assim, apenas mais uma edição foi publicada, ainda assim, censurada.

Assim que foi possível o Beija-Flor veio para a internet. É que  "Não podemos deixar de falar de coisas que temos visto e ouvido". ( Atos 4, 20)

















































quarta-feira, 25 de março de 2015

Anunciação da Encarnação do Divino Verbo (Palavra de Deus)


- O Verbo Divino (a Palavra de Deus), se fez carne
- E habitou entre nós

No Antigo Testamento, a profecia (Is 7,10-14;8,10):

Naqueles dias, o Senhor falou com Acaz, dizendo: “Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu”. Mas Acaz respondeu: “Não pedirei nem tentarei o Senhor”. 

Disse o profeta: “Ouvi então, vós, casa de Davi; será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, porque Deus está conosco.

***
No Novo Testamento, o acontecimento (Lc 1,26-38):

Naquele tempo, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria. O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”

Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus.Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”.

Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, porque para Deus nada é impossível”. Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.  

segunda-feira, 23 de março de 2015

Um cidadão de Bem ( Aluísio Clemente Vidal)

Autor: Dr. Aristides Souza Gomes

Publicado no Jornal O Imparcial de Rio Pomba , MG em 23 de dezembro  de 2010

             Estamos já na segunda quinzena dedo mês de dezembro consequentemente todos os seres humanos devem abrir seus corações para uma troca de mensagens, de paz, de fraternidade, num verdadeiro espírito  de  alegria nestes dias que antecedem as comemorações do nascimento do menino Deus. Acredito ser este o momento oportuno para podermos falar a respeito de um conterrâneo que nos deixou para sempre  no final do ano passado, mais precisamente  em 01 de novembro de 2009.
            
Naquela oportunidade eu estava em Juiz de Fora me recuperando de um procedimento cirúrgico. Permito-me neste momento relembrar a vida do senhor Aluísio Clemente Vidal, repleta de belas passagens, ensinamentos, exemplos, religiosidade, familiaridade, quer tenha sido junto de seus pais e irmãos, ou mesmo ao lado de sua esposa e descendentes. Espírito sempre alegre, comunicativo, pautando sua vida pela humildade e simplicidade, características dos homens de bem; tratava a todos com devida urbanidade, princípio esse indispensável no seio da comunidade em que vivemos.
            
Uma vida profissional invejável, pois superou todos os degraus da instituição que o acolheu como trabalhador ( Banco de Crédito Real de Minas Gerais ), onde iniciou como contínuo alcançando o mais alto posto daquele grande Banco, o de presidente, numa prova inconteste de que, quando se quer, tudo se consegue, através de uma luta constante.
            
Não se pode deixar aqui de dar importância ao fato de que em agosto de 1954, num dos maiores acontecimentos religiosos ocorridos em nossa cidade com as presenças do então presidente  do Apostolado da Oração no Brasil, Pe. Romeu Faria, bem como o então pároco da matriz de São Manoel, o nosso saudoso Pe. Gladstone Batista Galo, e, sem dúvida alguma ante um todo trabalho prévio desenvolvido por nossa querida Lola na confecção e preparo das fitas, veio a ser fundado o Apostolado da Oração Masculino, onde nada menos do que 400 pessoas de todas as idades receberam suas respectivas fitas, numa data histórica para a comunidade católica local e adjacências e principalmente para todos aqueles que vieram a se tornar membros, tendo sido o senhor Aluísio Vidal um dos que receberam sua fita. O meu mais fraternal abraço aos seus queridos irmãos, bem como à dona Lúcia Furtado Vidal, seus filhos e demais familiares.

Este post é parte da sub página "Membros notáveis da AACL " da página AACL , sobre a Associação dos Amigos da Causa da Lola 

sábado, 21 de março de 2015

Santa Hildegard de Bingen

Uma sugestão : assistir ao filme “Visão”, sobre a vida de Santa Hildegard de Bingen, uma freira beneditina à frente do seu tempo. Viveu entre o  ano de  1098 e 1179. Uma das personalidades femininas mais fascinantes da Idade Média.  

Monja beneditinamísticateólogacompositora,pregadoranaturalistamédica informal, poetisa
dramaturgaescritorab e mestra do Mosteiro de Rupertsberg em Bingen, na Alemanha. 

 Ela ampliou a visão da espiritualidade, incorporando ela uma visão diferente sobre a natureza e a ciência. Se vivesse nos nossos dias, Hildegard seria uma grande cientista,ou até mesmo nerd. Foi uma revolucionária, movida pela vida de intensa oração e convívio  com Deus. 


Tinha grande preocupação em transmitir o conhecimento e sabedoria às gerações futuras, da mesma forma que os recebeu. Foi um elo mais rico e mais forte entre as duas gerações, a que lhe antecedeu e a  posterior à sua.

Foi proclamada pelo Papa Bento XVI, em carta apostólica de 7 de outubro de 2012, Doutora da Igreja Universal