sábado, 11 de agosto de 2018

Dia dos Pais - Dia de São José -




Tomei por advogado e senhor o glorioso São José, e recomendei-me muito a ele. Claramente vi que desta necessidade, como de outras maiores referentes à honra e perda da alma, esse pai e senhor meu salvou-me com maior lucro do que eu lhe sabia pedir. Não me recordo de lhe haver, até agora, suplicado graça que tenha deixado de obter.

Coisa admirável são os grandes favores que Deus me tem feito por intermédio desse bem-aventurado Santo, e os perigos de que me tem livrado, tanto de corpo como da alma. 

A outros santos o Senhor parece ter dado graça para socorrer numa determinada necessidade. Ao glorioso São José tenho experiência de que socorre a todas. 

O Senhor quer dar a entender com isso que assim como lhe foi submisso na terra, onde São José na qualidade de pai adotivo, o podia mandar, assim no céu atende a todos os seus pedidos. 

Por experiência, o mesmo viram outras pessoas a quem eu aconselhava encomendar-se a ele. Hoje há muitas que lhe são devotas e experimentam cada dia esta verdade.

Santa Tereza de Ávila - Livro da Vida- 

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Refúgio no Coração de Jesus



Em tempo tão sofrido, e difícil, para o povo de Deus, busquemos refúgio no Coração e Jesus, onde encontramos remédio para todos os tipos de dores e estimulo para todas as lutas.  Nele, enquanto apaziguamos o nosso coração desaguando todas as nossa apreensões e angústias, pedimos por todos, e pelos ambientes nos quais vivemos. 

Ele mesmo disse: “pedi, e recebereis…” 
Todos os que O procuram reconhecendo a Sua Majestade, que é toda Poder e Bondade, conseguem se ver livre da tristeza e entrar no gozo da mais profunda alegria, ainda que seja no meio de um "sangrento" campo de batalha cultural. Porque Ele é Deus, e a sua misericórdia, o seu  amor por nós,  é do mesmo tamanho do seu poder. Ele só precisa do nosso olhar pedinte. Venha a nós, Senhor, o Vosso Reino!

Rezemos, então, uma parte da meditação para a primeira sexta-feira de agosto, tirada do livro; “Hora Santa”, do Padre Mateu Crwley- Boevey SS. CC.; editado e distribuído gratuitamente pela Serva de Deus Floripes Dornelas de Jesus, a Lola. –


""Vos pedimos com lágrimas, em companhia de toda a Igreja Santa, pela intercessão da Virgem Mãe, e pela honra do Vosso nome, apresseis o advento, estabeleçais já o reinado do vosso amante coração.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Apressai-vos, Jesus, e reinai antes que o mundo e o demônio se apossem das consciências, e profanem, na vossa ausência, todos os estados da vida.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Adiantai-vos, Jesus, e triunfai nos lares! Reinai neles pela paz inalterável prometida  às famílias que Vos receberem com hosanas.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Não Vos demoreis, Mestre amado, porque muitos deles padecem aflições e amarguras, que Vós só prometestes remediar.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Vinde, porque sois forte, Vós, o Deus das batalhas da vida; vinde, mostrai-vos vosso peito ferido, como esperança celeste no transe da morte.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Sede Vós o êxito prometido aos nossos trabalhos, a inspiração e recompensa de todas as empresas.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

E os vossos prediletos, os pecadores, não esqueçais que para eles, sobretudo, revelastes as ternuras inextinguíveis do vosso amor.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Ah! São tantos os tíbios, tão numerosos os indiferentes!… Inflamai-os, santificai-os com esta admirável devoção.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

“Eis aqui a vida…”dissestes, mostrando-nos vosso peito atravessado: Permiti-nos beber aqui o fervor e a santidade por que aspiramos.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

A vossa imagem foi entronizada, a pedido vosso, em muitas famílias; em seu nome, Vos suplicamos sejais sempre o seu Senhor e Rei adorado.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

Dai palavras de fogo, persuasão irresistível à queles sacerdotes que Vos amam e pregam como João, o discípulo amado.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

E a quantos propagam esta devoção sublime, a todos que publicam as suas inefáveis maravilhas, reservai ó Jesus, no vosso Coração, um lugar de preferência, perto daquele que reservastes para vossa Mãe.

Venha nós o reinado do vosso amante coração!

E por fim, ó Jesus, dai-nos a todos,  o Céu do vosso Coração, a todos os que temos compartilhado da vossa agonia na Hora santa. Por essa hora de consolo e pela Comunhão reparadora das primeiras sextas-feiras, cumpri em nós a vossa promessa inefável. Na hora da nossa morte:

Venha nós o reinado do vosso amante coração!""



quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Aborto - Por quem os sinos dobram?




"Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme. Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano, e por isso não me perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.” 
– O trecho da poesia de John Donne, que dá título e epígrafe à obra de Ernest Hemingway “Por quem os sinos dobram”, fala alto no fundo de um coração humano – 

O fato dos sinos dobrarem pelos mortos faz parte da história do mundo ocidental. Antigamente os sinos das igrejas tocavam tristemente quando morria alguém da paróquia.  Mesmo as crianças, ainda pequenas, ao ouvir os badalos longos e lentos já os associavam à dor; porque ouviam os adultos, em tom de tristeza, se perguntarem: – Quem morreu?

Vejo no Facebook que Dom  Emmanoel de Oliveira, bispo de Caratinga, MG,  ordenou que, às 15 horas, hora da Misericórdia, de 02 de agosto, dia do Perdão de Assis, na Festa da Porciúncula, todos os sinos das igrejas da sua diocese  sejam tocados pela vida, contra o aborto, clamando as orações de todos os fiéis. Vejo que no Rio de Janeiro, também, os sinos das igrejas badalarão  pela mesma intenção.

Quando era adolescente, ouvi contar a história triste de um padre que fora expulso da sua cidadezinha na Europa por tocar os sinos com toque  fúnebre  todos dias, mesmo que ninguém tivesse morrido. Ele dizia que os tocava pelos seus irmãos inocentes que eram assassinados, pelo aborto, no mundo todo.  Tal atitude  irritava seus paroquianos que, naquela época, já começavam a ter os corações endurecidos.

O quê pensar diante do fato de que o STF se posiciona para analisar a Constituição e proferir uma interpretação da mesma para decidir se será crime ou não assassinar criancinhas indefesas nas barrigas das mães.

Isso, apesar da Constituição Federal de 1988, no artigo 5º, caput,  garantir o direito à vida a todos os brasileiros e estrangeiros que aqui no Brasil residem:

“Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.

O STF  tem poder para mudar o sentido das palavras e dar a elas outra conotação? Se o podem fazer, não precisamos do Poder Legislativo.
Alguém poderá dizer que que o feto humano não tenha direito à vida, que não  pode ser considerado uma pessoa?  
Será que quem  diz isso pode  afirmar que não tenha sido um feto humano? 
Considera que se tivesse sido abortado não poderia hoje estar dizendo o que  deve ser considerado uma sandice?
Que direito tem alguém de decidir quem deve ou não morrer? 
Tal pessoa, que acredita deter tal poder, vive por determinação própria? 
Escolheu ser quem é, ter tais características físicas? 
Escolheu a data e o local em que foi concebido, a duração da sua gestação e data e o local do seu nascimento? 
Poderá decidir sobre a vida ou morte de alguém, ainda mais se a vítima não lhe tenha feito mal algum além de simplesmente existir? 
Dar um pouco de atenção à própria pessoa pode ajudar  uma mulher a perceber que se livrar de um ser inocente, que poderá lhe proporcionar as maiores e mais ricas emoções da vida, com certeza será um mal infinitamente maior do que passar pelo desconforto que possa parecer ter um bebê. 
Não fiquemos à mercê de pessoas pobres, desprovidas de sentimentos, que não  são mais capazes de transcender além da pobre matéria, da sensação física, e que veem as pessoas apenas como estorvos, porque  consideram os seres humanos apenas um conjunto de pobres ignorantes a serem tratados como manada; os que resolvem, da sua "infinita sabedoria", o deve ser aplicado a todos os mortais. Eles, não creem em Deus, e pensam que O sejam.Triste situação. 
Porém, aos que Lhe pedem, Deus concede a graça de serem tratados, cada um, como um ser único, desejado e amado, muito antes de  ser projetado pela Sua infinita Sabedoria e ser concebido, naquela barriga, com a semente daquele pai. Perceber essa verdade, é uma graça fácil de se receber. Basta querer e pedir a Quem pode dar.
Então, os que assim se sentem, filhos amados de Deus, sofrem muito quando veem seus semelhantes receberem um tratamento tão hediondo que não suportariam ver acontecer com nenhum animal. 
Por isso, o tocar dos sinos é tão importante. Eles nos  despertam a consciência, e nos lembram da dor causada por tal crime, que os ditadores da cultura imposta querem anestesiar em nós  para fazer-nos regredir a um estágio de vida quase vegetal. Assim seríamos mais fáceis de sermos controlados, como o gado o é.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Bênção dos avós



Deus eterno e misericordioso, Pai de todas as gerações, que escolhestes Joaquim e Ana para serem avós de Jesus, derramai as vossas bênçãos sobre todos os avós.

Que sejam fortalecidos pela vossa graça, para transmitir às gerações mais novas a história da nossa salvação e a experiência da vossa ternura.

Que sejam iluminados pelo vosso Espírito  para partilharem com os mais novos a sua sabedoria e a sua fé, as suas alegrias e esperanças.

Que sejam configurados com Cristo para que nas dificuldades dos seus dias encontrem alegria na comunhão familiar, ânimo no cuidado dos netos, e paz no seu mundo.

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Amém.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Uma questão de importância e de poder




Entre e três e quatro horas da tarde. 
As autoridades, os que ocupam cargos relevantes e importantes de cujo trabalho depende a vida da população, especialmente os mais simples e pobres; assim como os jornalistas, os que se encarregam de divulgar os feitos dessas autoridades para o conhecimento publico,  estão a pleno vapor, usando todos os recursos das suas capacidades mentais para que os fatos se sucedam segundo o que consideram bom.

Nem sempre, o que consideram bom coincide com que o povo simples o considera. Na maioria das vezes, pelo que se pode constatar, as pessoas  tidas como importantes estão encasteladas em bunkers políticos muito mais preocupadas em destruir os que consideram adversários do que em realizar obras que beneficiem as pessoas comuns, do povo em geral. Essas, só são lembradas na época das eleições. Nesse tempo, são importantíssimas! Portanto, especialistas em comunicação são contratados a peso de ouro para produzir peças de comunicação para, em todas as mídias,  divulgarem as vantagens dos seus candidatos e as desvantagens dos opositores. É uma guerra.

 Os tempos entre as eleições,  as pessoas importantes, os poderosos, se dedicam a realizar conchavos, relacionamentos políticos, e a forjar fatos  que os mostrem na mídia como bons sujeitos, ou  que destruam  a boa reputação dos desafetos políticos. Por tal motivo, as decisões a respeito do que seria bom para povo, os projetos das promessas de campanha, os serviços básicos que devem ser prestados à população ficam relegados, a segundo, terceiro, quarto plano… não sobra tempo… por isso quase sempre acabam em improvisados projetos feitos “nas cochas”,  finalizados com um “foi o que conseguimos fazer, diante da urgência da necessidade… Necessidade de agora, não prevista, não lembrada, não preparada, não conduzida e não atendida como deveria ser. Resultado: povo indignado com o atendente de balcão, com quem é colocado diante dele impotente, sem os recursos necessários para atender as necessidades urgentes de cada cidadão.  O funcionalismo público se apresenta como um salva vidas que não sabe nadar.

Enquanto tudo isso acontece, com as pessoas importantes se digladiando verbalmente nos jornais e nas redes sociais, com a difamação correndo solta enquanto o povo sofre as terríveis consequências da infantilidade dos que ocupam cargos importantes na política, no serviço público e nas comunicações, um grupo de mulheres despacha diretamente com Deus Todo Poderoso. 

Elas apresentam a Ele suas necessidades, suas preocupações com a saúde de seus doentes, com o direcionamento dado à educação de seus filhos, netos e bisnetos, com o desvirtuamento, com os descaminhos seguidos pela juventude estimulada pelos meios de comunicação e as políticas educacionais. Pedem recursos e providências para o futuro de suas famílias num mundo cada vez mais deteriorado, no qual Deus perdeu a importância para o homem que agora a tem perdido para os animais. 

Apresentam pedidos urgentes e causas a serem atendidas a médio e longo prazos, com o cuidado de deixar claro que desejam que essas graças sejam estendidas a todas as mulheres,  de todo o mundo, que estejam na situação delas, por suas famílias e pelas necessidades de cada um dos seus membros. Que a nenhum falte o afeto e a acolhida com o respeito e a dignidade próprio e relativa aos filhos de Deus,  a Quem se dirigem com toda a simplicidade  que corresponde à liberdade de uma filha com seu Pai totalmente amoroso. 

Eu conheço lugares em que  tais mulheres têm conseguido feitos extraordinários.



sábado, 7 de julho de 2018

Primeiro sábado do mês, dedicado ao Imaculado Coração de Maria


A Vós, Senhor Deus, rendo graças do mais íntimo do coração, porque por nós, tão indignos, vos dignastes tomar nossa natureza e, nascendo da Virgem, quisestes ser alimentado com leite, ser acolhido seu regaço e estar-lhe sujeito, Vós que tudo conservais e regeis. 

E dignaste-Vos iluminar-me, a mim miserável… de modo que eu saiba que tendes uma Mãe, e me concedestes, indignadíssima criatura, que eu possa e ouse saudá-la… 

Oh! Com quanta devoção deveria o meu coração expandir-se diante de vós, Virgem Maria! A minha boca deveria estar cheia de uma admirável doçura quando vos saúdo, doce e benigna Senhora, e bendigo o fruto do vosso ventre. 

Oh! Como é possível que, ao saudar-vos, não me deleite tanto que chegue a esquecer todas as coisas por vós e pelo vosso Fruto? 

E que podeis ouvir com mais agrado do que a saudação na qual sois reconhecida como Mãe de Deus? Vós quereis que os homens se alegrem em vós para o seu afeto se dirija para Aquele de quem sois Mãe, pois que não quereis outra coisa senão ser reconhecida e saudada como Mãe de Deus. 

Ave, portanto, ó Maria! Verdadeiramente Ave! Ó admirável Ave, pelo qual os demônios são postos em fuga, são libertados os pecadores, são regenerados os filhos: o Anjo congratula-se convosco, ó Virgem, o Verbo encarna no vosso seio e vós tornai-vos Mãe de Deus. A vós, pois, cante Ave sem fim toda a criatura… 

Com toda reverência, honra e devoção devemos saudar-vos, ó bem-aventurada Virgem pois vós procurais quem se aproxima de vós com reverência e devoção. A estes amais, alimentais e tomais por filhos. Oh! Feliz aquele que faz todo o possível para se conformar convosco, Mãe de Deus! Este é certamente o que, desprezando toda criatura, só a Deus se une com singular amor e, crucificado com Cristo, anseia pela salvação das almas - São Boaventura -

Extraido do livro: Intimidade Divina - Meditações sobre a vida interior para todos os dias do ano.
Autor: P. Gabriel de Santa Madalena O.C.D. - Edições Carmelitanas - Porto - 

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Corpus Christi

Glória a Jesus na Hóstia santa
Que se consagra sobre o altar
E aos nossos olhos se levanta
Para o Brasil abençoar!

REFRÃO:
Que o Santo Sacramento,
Que é o próprio Cristo Jesus,
Seja adorado e seja amado
Nesta terra de Santa Cruz!
Seja adorado e seja amado
Nesta terra de Santa Cruz!

Glória a Jesus, prisioneiro
Do nosso amor a esperar,
Lá no Sacrário, o dia inteiro,
Que o vamos todos procurar!

Glória a Jesus, Deus escondido,
Que, vindo a nós na comunhão,
Purificado, enriquecido
Deixa-nos sempre o coração!

Glória a Jesus, que ao rico, ao pobre
Se dá na Hóstia em alimento
E faz do humilde e faz do nobre
Um outro Cristo, em tal momento!

Glória a Jesus Sacramentado,
Que vai ao enfermo visitar
E deixa-o sempre confortado
No seu amor a confiar!

Glória a Jesus na Eucaristia,
No sacramento do amor!
Longe de nós toda heresia,
Que à nossa fé se queira opor!

Glória a Jesus na Eucaristia,
Cantemos todos sem cessar!
Certos também que de Maria
Bençãos a pátria há-de ganhar.z