domingo, 10 de setembro de 2017

O caminho da beleza - via pulchritudinis



Documento final da Assembléia Plenária do Pontifício Conselho para a Cultura, realizada nos dias 27 e 28 de março de 2006.


O documento pode ser lido aqui, na sua forma original, no site do Vaticano.


Conselho Pontifício para a Cultura 


DOCUMENTO FINAL DA ASSEMBLÉIA PLENÁRIA

A Via Pulchritudinis,
Caminho privilegiado para a evangelização e para o diálogo.



"Não há nada mais bonito do que conhecê-Lo e falar aos outros sobre a nossa amizade com Ele. A tarefa do pastor, a tarefa do pescador dos homens, muitas vezes pode parecer cansativa. Mas é linda e maravilhosa, porque é verdadeiramente um serviço à alegria, à alegria de Deus que anseia entrar no mundo ".
Bento XVI - Homilia na Missa para a Inauguração de seu Pontificado
  24 de abril de 2005


INTRODUÇÃO 


O tema escolhido pelo Pontifício Conselho para a Cultura para a Assembléia Plenária de 2006 segue na sequência das assembléias precedentes, buscando ajudar a Igreja a transmitir fé em Cristo através de uma abordagem pastoral que responda aos desafios da cultura contemporânea, notadamente a indiferença religiosa e a descrença . (ver Motu proprio, Inde a Pontificatus) Com projetos e propostas concretas, procura ajudar os pastores a seguir a via pulchritudinis, como caminho de evangelização das culturas e diálogo com os não-crentes, levando a Cristo, "o caminho, a verdade e a vida ". (Jo 14,6)


UM DESAFIO CRUCIAL 


As Assembléias Plenárias de 2002, "a transmissão da fé no coração das culturas, Novo Millennio Ineunte ", [1] e em 2004, "a fé cristã no alvorecer do novo milênio e o desafio da descrença e indiferença religiosa," [ 2] sublinhou a necessidade de um novo impulso apostólico da Igreja de evangelizar as culturas com uma inculturação eficaz do Evangelho. 

1) A cultura que emerge de uma visão de mundo materialista e ateu, característica 
das sociedades secularizadas, provoca descontentamento da religião, às vezes a 
oposição, particularmente o cristianismo, com um novo anti-catolicismo. [3] Muitos 
vivem como se Deus não existisse (etsi Deus non daretur), como se sua presença e Sua Palavra não teve influência sobre a vida das pessoas e das sociedades. Eles lutam para afirmar claramente a sua pertença religiosa, e sua espiritualidade permanece no domínio estrito de suas vidas privadas. A experiência religiosa é muitas vezes dissociada de um pertencimento claro para uma instituição eclesial: alguns acreditam que sem pertencer, outros pertencem, sem oferecer sinais visíveis de sua crença. 

2) Os fenômenos da nova religiosidade e espiritualidade emergentes se espalhando por todo o mundo são um grande desafio para a nova evangelização. Eles fingem atender as necessidades espirituais, emotivo e psicológico dos nossos contemporâneos melhor do que a Igreja e formatos tradicionais religiosas. Através de práticas sincréticas e esotéricas que tocam as faíscas de emoção nas pessoas de uma dinâmica comunitária e pseudo-religiosa que impede muitas vezes eles, ou os priva de sua liberdade e sua dignidade. [4] 

3) Os cristãos continuam a ser uma força viva capaz de testemunhar com 
discernimento e coragem no coração da cultura neo-pagã, embora em alguns países tradicionalmente cristãos, cristãos praticantes não são mais a maioria do país. Sinais claros de essa esperança pode ser visto nas Jornadas Mundiais da Juventude, encontros excelentes para os Congressos Eucarísticos e nos santuários da Virgem Maria, a multiplicação de centros de recursos, os inúmeros pedidos para retiros monásticos, o reencontro de rotas de peregrinação antigos, os florescimento de uma infinidade de novos movimentos religiosos que afetam jovens e velhos, e as multidões que convergiram em Roma por ocasião da morte de João Paulo II e para a eleição de Bento XVI. É claro que a Igreja está viva. Como o Santo Padre exclamou durante a homilia da missa inaugurando seu pontificado:.. "Durante aqueles dias tristes da doença do Papa e da morte, tornou-se maravilhosamente evidente para nós que a Igreja está viva E a Igreja é jovem Ela tem em si o futuro do mundo e, portanto, cada um de nós mostra o caminho para o futuro da Igreja está viva e estamos vendo isso:.. estamos experimentando a alegria que o Ressuscitado prometeu aos seus seguidores [5]



II . UMA PROPOSTA DE RESPOSTA DA IGREJA: A VIA PULCHRITUDINIS 


II. 1 Aceitando o Desafio 

Dados os desafios históricos, sociais, culturais e religiosas constatadas durante as 
duas últimas assembléias plenárias, que aspectos de seu trabalho pastoral pode o 
favor Igreja em seu diálogo apostólico com os homens e mulheres do nosso tempo, nomeadamente com os descrentes e os indiferentes? 

A Igreja cumpre a sua missão de levar as pessoas a Cristo, o Salvador, compartilhando a Palavra de Deus eo dom dos sacramentos da graça. A fim de alcançar as pessoas com um aptpastoral da cultura , à luz de Cristo contemplado no mistério da Encarnação ( GS 22), a Igreja examina os sinais dos tempos e chama ponteiros deles para desenvolver "pontes" que levam para um encontro com o Deus de Jesus Cristo através de um itinerário de amizade em um diálogo de verdade. 

Nesta perspectiva, o caminho da beleza parece ser um itinerário privilegiado para 
entrar em contato com muitos daqueles que enfrentam grandes dificuldades em receber os ensinamentos da Igreja, particularmente a respeito moral. Muitas vezes, 
nos últimos anos, a verdade tem sido instrumentalizadas por ideologias, e  reduzida a  um ato meramente social, como se a caridade para com o próximo, sem ser por si só suficiente enraizada no amor de Deus. Relativismo, que encontra uma de suas expressões mais claras no Debole pensiero (pensamento fraco, nihilismo), continua a se espalhar, encorajando um clima de incompreensão,  tornando  raros  os encontros reais, sérios e fundamentados. 

Começando com a experiência simples do encontro maravilhoso com a beleza, a via pulchritudinis pode abrir o caminho para a busca de Deus, e dispõe o coração e o espírito para encontrar Cristo, que é a beleza da santidade encarnada, oferecida por Deus aos homens para a salvação deles. Convida os agostinianos contemporâneos, buscadores inextinguíveis de amor, verdade e beleza, para ver através da beleza perceptível a beleza eterna, e com fervor descobrir o Deus santo, o autor de toda a beleza.

Todas as culturas não são igualmente abertas ao transcendente e acolhedoras da Revelação Cristã. Nem todas as expressões de beleza - ou momentos que pretendem- são tão favoráveis à aceitação da mensagem de Cristo e à intuição de Sua divina beleza. À medida que suas expressões artísticas e manifestações estéticas são marcadas pelo pecado, as culturas podem atrair e prender a atenção até que ela se incline criando novas formas de idolatria. Não somos confrontados com demasiada frequência por fenómenos de decadência real em que a arte e a cultura são desnaturalizadas e prejudicam o homem na sua dignidade?

A própria beleza não pode ser reduzida ao simples prazer dos sentidos: isso seria privá-lo de sua universalidade, seu valor supremo, que é transcendente. A percepção requer uma educação, pois a beleza é autêntica em seu vínculo com a verdade - do que  viria a ser brilhante, senão a verdade? - e é ao mesmo tempo "a expressão visível do bem, assim como o bem é a metafísica expressão de beleza ". [6] E novamente:" A beleza não é a rota mais segura para alcançar o bem? " perguntou Max Jacob. Embora acessível a todos, o Caminho da Beleza não está isento de ambiguidades, desvios, erros, desvios etc. Sempre dependente da subjetividade humana, pode ser reduzido ao esteticismo efêmero e deixar-se instrumentalizado e servil às modas cativantes da sociedade de consumo .

A prioridade também deve ser dada a aprender a discernir entre o uti e o frui, isto é, entre um relacionamento com as pessoas e as pessoas baseadas exclusivamente na funcionalidade (uti) e um relacionamento autêntico e confiante (frui) solidamente enraigado na beleza do amor gratuito, de acordo com  Santo Agostinho no seu De catechizandis rudibus "Nulla est enim maior ad amorem invitatio quam praevenire amando - Não há maior convite para o amor do que amar primeiro" (Lib. I, 4.7,26).

É necessário esclarecer apenas o que é a via pulchritudinis e de que ela é feita. Qual é a beleza que favorece a entrega da fé pela capacidade de tocar o coração das pessoas, para expressar o mistério de Deus e da pessoa humana, ser uma autêntica "ponte", um espaço aberto para um caminho para os homens e mulheres do nosso tempo que já conhecem a beleza, ou desejam aprender a apreciá-las e ajudá-las a encontrar a beleza do Evangelho de Cristo, que a Igreja tem pela missão de anunciar a todas as pessoas de boa vontade.


II.  2 Como pode a Via Pulchritudinis ser uma resposta ? 


O Papa João Paulo II, um examinador incansável dos sinais dos tempos, indica desta maneira na Encíclica Fides et Ratio: "Lembrei urgentemente a urgente necessidade de uma nova evangelização e agora exorto os filósofos a explorar de forma mais abrangente as dimensões do verdadeiro, do bem e do belo a que a Palavra de Deus dá acesso. Esta tarefa torna-se cada vez mais urgente se considerarmos os desafios que o novo milênio parece implicar e que afetam de maneira particular as regiões e culturas que têm uma tradição cristã de longa data. Essa atenção à filosofia também deve ser vista como uma contribuição fundamental e original no serviço da nova evangelização ". [7]

Este chamado aos filósofos pode surpreender algumas pessoas, mas a via pulchritudinis é também uma via veritatis em que o homem procura descobrir as  belezas do amor de Deus, fonte de toda beleza, verdade e bem? A beleza, tanto quanto a verdade quanto o bem, nos leva a Deus, a primeira verdade, o bem supremo e a própria beleza. Mas a beleza significa mais do que a verdade ou o bem. Dizer que algo é bonito não é apenas reconhecê-lo inteligível e, portanto, adorável, mas também, ao especificar nosso conhecimento, nos atrai ou nos captura com um raio capaz de inflamar a maravilha. Além disso, ao expressar um certo poder de atração, a beleza narra a própria realidade na perfeição de sua forma. É sua epifania. Ela o manifesta expressando seu brilho interno. [8] Se o bem falar o desejável, o belo fala o esplendor e a luz da perfeição que se manifesta. [9]

A via pulchritudinis é uma maneira pastoral que não pode ser esgotada em uma abordagem filosófica. No entanto, o metafísico é necessário para nos ajudar a entender por que a beleza é um caminho real que leva a Deus. Ao sugerir-nos quem Ele é, estimula em nós o desejo de desfrutar da paz da contemplação, não só porque só Ele pode preencher nossas mentes e corações, mas porque Ele contém em si a perfeição do ser, uma fonte harmoniosa e inesgotável de clareza e luz. Para alcançá-lo, precisamos saber como fazer a passagem do fenômeno para o fundamento: "Onde quer que homens e mulheres descubram um chamado ao absoluto e ao transcendente, a dimensão metafísica da realidade se abre diante deles: na verdade, na beleza, na moral valores, em outras pessoas, em si mesmo, em Deus. Nós enfrentamos um grande desafio no final deste milênio para passar do fenômeno para o fundamento, um passo tão necessário quanto urgente. Não podemos parar na experiência apenas, mesmo que a experiência revele a interioridade e a espiritualidade do ser humano, o pensamento especulativo deve penetrar no núcleo espiritual e no terreno do qual ele sobe ". [10]

Este movimento do fenômeno para o fundamento não é feito espontaneamente por aqueles que não estão acostumados a passar do visível para o invisível devido a uma espécie de vício que tende para a feiúra, mau gosto e falta de entusiasmo promovido tanto pela publicidade como por aqueles artistas que se beneficiam do   que é  esquálido e feio para provocar  escândalo. Na verdade, mesmo as flores cativantes do mal fascinam: "Você é do céu mais alto ou do abismo, ó beleza?" ponderou Baudelaire. E Dimitri Karamazov confiou a seu irmão Aliocha: "A beleza é uma coisa terrível. É a luta entre Deus e Satanás, e o campo de batalha é o meu coração". Se a beleza é a imagem do Deus criador, também é filha de Adão e Eva e, por sua vez, marcada pelo pecado. A pessoa humana corre o risco de cair na armadilha da beleza tomada por si mesma - o ícone torna-se ídolo, o meio que engole o fim, a verdade que aprisiona, atrapalha  e faz as pessoas caírem, devido a uma formação inadequada nos sentidos e à falta de um bom educação em relação à beleza.

Caminhar no caminho da beleza implica educar a juventude para a beleza, ajudando os jovens a desenvolver um espírito crítico para discernir as várias ofertas da cultura da mídia e ajudá-los a moldar seus sentidos e seu caráter para crescer e se elevar a uma verdadeira maturidade. A "cultura kitsch" não é apenas um protesto típico daqueles que vivem com medo de responder ao chamado para sofrer uma profunda transformação? Depois de recusar essa "paixão", Santo Agostinho sofreu sua própria transformação profunda da alma provocada por conhecer a beleza de Deus. Nas Confissões, ele lembra com tristeza e amargura os tempos perdidos e as ocasiões perdidas e, em algumas passagens inesquecíveis, revive sua viagem atormentada na busca da verdade e de Deus.

Em uma espécie de iluminação, ele redescobre a Deus e o toma como "a verdade em si" (X, 24) fonte de alegria pura e bem autêntico: “Tarde te amei, ó beleza, tão antiga e tão nova, muito tarde. Eu te amei! Você estava aqui e eu procurei em outro lugar: eu estava deformado, me afogando nas formas  justas  que você fez. [...] Você  chamou . Você gritou. Você sofreu minha surdez. Você brilhou. Você brilhou. Você quebrou minha cegueira. Você irradiou e respirei em seu espírito, e eu desejei você. Experimentei você e tive fome, tive sede de você. Você me tocou e eu queimei por sua paz. "[11] Esta experiência de conhecer o Deus da Beleza é um evento  vivido na totalidade do ser e não apenas nos sentidos. Daí a confissão: "Num possumus amare nisi pulchra?" (De musica 6, 13, 38, "O que podemos amar, senão a beleza?")


II.3 O Caminho da Beleza Caminho, para a Verdade e o Bem 


Ao propor uma estética teológica, von Balthasar procurou abrir os horizontes do pensamento para a meditação e contemplação da beleza de Deus, do mistério de Cristo em quem se revela. Na introdução ao primeiro volume de sua obra principal, The Glory of the Lord, o teólogo fala de "o que para nós será o primeiro”: a beleza, e explica seu valor em comparação com o bem que "perdeu seu poder de atração "e onde" as provas da verdade perderam seu caráter conclusivo ". [12] Por diferentes razões, Solzhenitsyn notou com acento profético em seu Discurso para o Prêmio Nobel de Literatura: "Então, talvez essa antiga trindade da Verdade, do Bem e da Beleza não seja simplesmente uma fórmula vazia e desbotada como pensávamos nos dias da nossa juventude autoconfiante e materialista. Se os topos dessas três árvores convergem, como os estudiosos mantiveram,  mas as correntes demasiado claras, diretas da Verdade e do Bem são esmagadas, cortadas, não permitidos, então talvez as incríveis, imprevisíveis e inesperadas raízes da Beleza irão atravessar e subir para aquele mesmo lugar, e ao fazê-lo irá cumprir o trabalho de todos os três. [13]

Na verdade, longe de renunciar a propor a Verdade e o Bem, que estão no coração do Evangelho, é um caso de seguir um caminho que pode deixá-los atingir os corações dos homens e suas culturas. [14] O mundo precisa urgentemente disso, como o Papa Paulo VI sublinhou em sua vibrante Mensagem aos Artistas, em 8 de dezembro de 1965, no final do Segundo Concílio Ecumênico do Vaticano: "Este mundo em que vivemos precisa de beleza para não se afundar no desespero. Beleza, como a verdade, que traz alegria ao coração do homem e é esse fruto precioso que resiste ao desgaste do tempo, que une as gerações e faz com que compartilhem as coisas com admiração ". [15] Contemplada com uma alma pura, a beleza fala diretamente ao coração, transformando espanto em maravilha, admiração  em gratidão  e felicidade em contemplação.

 Assim, ela cria um terreno fértil para ouvir e dialogar com os homens, envolvendo todo o homem - espírito e coração, inteligência e razão, capacidade criativa e imaginação. É improvável que resulte em indiferença;  ela provoca emoções, coloca em movimento um dinamismo de profunda transformação interior que engendra alegria, sentimentos de plenitude, desejo de participar livremente dessa mesma beleza, tornando-a própria e interiorizá-la e integrá-la na própria existência concreta.

O caminho da beleza responde ao desejo íntimo de felicidade que reside no coração de cada pessoa. Abrindo horizontes infinitos, leva a pessoa humana a empurrar, para fora de si mesmo, a rotina do efêmero instante para ir até o Transcendente e Misterioso, e procura, como objetivo final o bem-estar, essa beleza original que é o próprio Deus, criador de toda a beleza criada. Numerosos Padres se referiram a isso durante o Sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia em outubro de 2005.

O desejo íntimo de bem do homem é confrontado com os males do sofrimento e da morte. Assim, as culturas às vezes são confrontadas com fenômenos análogos de lesões e cicatrizes que podem levar ao seu desaparecimento. A voz da beleza ajuda a abrir-se à luz da verdade, e ilumina a condição humana ajudando-a a aproveitar o significado da dor. Desta forma, ajuda a curar essas lesões.



III. OS CAMINHOS DA BELEZA 


Três áreas destacam-se pela forma privilegiada de beleza para permitir o diálogo 
com as culturas contemporâneas: 

III.1 A beleza da criação; 

III.2 A beleza das Artes, e 

III.3 A beleza de Cristo, modelo e protótipo da santidade cristã. 


A beleza de Deus, revelada pela beleza singular de Seu Filho, constitui a origem e o fim de toda a criação. Se for possível começar com o nível mais básico, então, ascender após uma dinâmica escrita nas Sagradas Escrituras, desde a beleza tangível da natureza até a beleza do Criador, essa beleza brilha de maneira única no rosto de Cristo e em Sua Mãe e nos santos. O cristão vê a "criação" como inseparável da "recriação", pois se Deus julgou o bem e o belo trabalho de seis dias (o Gen 1), o pecado, juntamente com a desordem, introduziu a feiúra da morte e do mal . "Oh falha feliz, que ganhou para nós como um Redentor!" canta a liturgia da Páscoa. A Graça que flui do lado de Cristo Salvador em todo o mundo, purifica e introduz uma beleza que é completamente diferente para salvar o mundo, o que  aguarda a hora de sua transformação final. (Rm 8, 22)


III.1  A beleza da criação. 


A Escritura sublinha o valor simbólico da beleza do mundo que nos rodeia: "Sim, naturalmente estúpidos são todos os homens que não conheceram a Deus e que, pelas coisas boas que são vistas, não conseguiram descobri-Lo, quem é, Ou, ao estudar as obras, não conseguiram reconhecer o Artífice. [...] Se, encantados com a beleza delas, tomaram as coisas por deuses, que eles saibam o quanto o Senhor  os supera, uma vez que o próprio Autor da beleza as criou". (Wis 13, 1 e 3)

Há um abismo entre a inefável beleza de Deus e seus vestígios na criação, e o autor sagrado define o objetivo deste diálogo ascendente: "através da grandeza e beleza das criaturas, podemos, por analogia, contemplar seu Autor". (v.5) É uma questão de passar pelas formas visíveis das coisas naturais para subir ao seu autor invisível, o "Completamente Outro", que professamos no Credo: "Creio em Um Deus, o Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra ".



A)  Maravilhar-se com a beleza da criação

"A natureza é um templo onde os pilares vivos, às vezes, desencadeiam palavras confusas". Se poetas como Baudelaire [16] são particularmente sensíveis às belezas da criação e às suas línguas misteriosas, é porque, desde a contemplação da paisagem no pôr do sol, ou de cumes de montanhas cobertas de neve sob um céu estrelado, ou de campos cobertos com flores encharcadas de luz ou as variedades de plantas e animais, nasce uma paleta de sentimentos que nos convidam a ler dentro (intus-legere),  e passar do visível para o invisível e chegar a dar uma resposta à pergunta, "quem é este artesão com tão poderosa imaginação na origem de tanta beleza e grandeza, tal profusão de seres no céu e na terra?" [17]

Ao mesmo tempo, a contemplação das belezas da criação causa uma paz interior e agudiza a sensação de harmonia e o desejo de uma vida bela. Com o homem religioso, o espanto e a admiração se transformam em atitudes interiores e espirituais: adoração, louvor e ação de graças ao Autor dessas belezas. Como o salmista cantou: “ Quando eu olho  para o  firmamento obra d e vossos dedos, a lua e as estrelas que  lá fixastes:  – ah, digo-me então, que é o homem  para pensardes nele? Que são os filhos do homem que vos ocupeis com eles?
Contudo, vós o fizestes pouco menos que um deus, vós o coroastes  de glória e esplendor, fez dele senhor  das  obra das  vossas  mãos, colocou tudo sob seus pés, [...] Javé, nosso Senhor, quão grande é o seu nome em toda a terra! "(Sl 8, 3-6: 10). A tradição franciscana, com São Boaventura, assinala uma dimensão sacramental para a criação, que traz vestígios de suas origens. Desta forma, a natureza é considerada uma alegoria e cada realidade natural como um símbolo de seu Autor. [18]


B) Da criação à recriação  

Entre as criaturas, há uma com certa semelhança com Deus: o homem criado à Sua imagem e semelhança. Por sua alma espiritual, ele carrega em si mesmo um "germe da eternidade irredutível a se importar sozinho". (GS 18) Mas a imagem foi alterada pelo primeiro pecado, esse veneno que prejudica a vontade em sua inclinação para o bem e, assim, obscurece a inteligência e desvia os sentidos. A beleza da alma, sedenta pela verdade e pelos amados, perde seu esplendor e torna-se capaz do mal, da feiúra. Uma criança que testemunha um ato  de maldade não afirma: "Isso não é  bonito!”

Para a feiúra - e, portanto, a priori boa - aparece no domínio da moral e se volta para o homem, é seu assunto. Com o pecado, ele perdeu a beleza e se vê nu, até sentir vergonha. A vinda do Redentor restabelece o homem na sua primeira beleza; Além disso, ele o restaura em uma nova beleza: a beleza inimaginável da criatura levantada para a filiação divina, a transfiguração prometida pela alma resgatada e levantada pela Graça, resplandecente em toda sua fibra, o corpo chamou a nova vida.

Se Cristo, o Novo Adão, "revela completamente o homem a si mesmo e mostra a  a sua vocação sublime"(GS 22), a abordagem cristã da beleza da criação encontra o seu ápice  na novidade avassaladora da recriação: Cristo, representação perfeita da glória do Pai, comunica ao homem a plenitude da Graça. Ele faz o homem gracioso, isto é, lindo e agradável a Deus. A Encarnação é o centro focal, a perspectiva correta em que a beleza tem o seu sentido último.

"Aquele que é a" imagem do Deus invisível "(Col 1:15) é ele mesmo o homem perfeito que restaurou nos filhos de Adão a semelhança de Deus que havia sido desfigurada desde o primeiro pecado. A natureza humana, pelo próprio ato de que foi assumida, não absorvida, nEle, foi elevada a uma dignidade incomparável. Pois, por Sua Encarnação, Ele, o Filho de Deus, se uniu de certo modo a cada homem ". (GS 22) Retornaremos mais tarde à beleza da santidade que emana daqueles configurados para Cristo sob o sopro do Espírito Santo. É uma das testemunhas mais bonitas, capaz de mexer os corações mais indiferentes e deixá-los sentir a passagem de Deus na vida dos homens.

Em uma ação de Graça contínua, o cristão adora Cristo que lhe devolveu a vida e se deixa transfigurar pelos presentes gloriosos que ele fez. Nossos olhos, ansiosos pela beleza, se deixam atrair para o Novo Adão, verdadeiro ícone do Pai eterno, "luz radiante da glória de Deus" e "cópia perfeita de Sua natureza". (Hb 1: 3) Para os puros de coração, a quem foi prometido ver Deus face a face, Cristo já permitiu perceber a luz da glória no coração da noite da fé.


C) Criação, usada ou idolatrada. 

Inúmeros homens e mulheres, no entanto, só vêem a natureza e o cosmos em sua materialidade visível, um universo silencioso que não tem outro destino do que aqueles comandados pelas frias e invariáveis leis da física, sem evocar qualquer outra beleza, muito menos um Criador. Em uma cultura onde o cientificismo impõe os limites do seu método de observação, até o ponto de fazer uma norma exclusiva de conhecimento, o cosmos é reduzido a ser nada além de um imenso reservatório do qual o homem chega ao ponto de drená-lo para encontrar suas necessidades crescentes e desproporcionais.

O Livro da Sabedoria nos adverte contra tal miopia, que São Paulo denunciou como "pecado de orgulho e presunção". (Rm 1, 20-23) Mas a criação não é silenciosa: os extraordinários fenômenos naturais, às vezes trágicos, vistos nos últimos anos e freqüentes desastres ecológicos exigem uma nova compreensão da natureza, suas leis e sua harmonia. Está se tornando mais claro para muitos dos nossos contemporâneos que a natureza não pode e não deve ser manipulada sem respeito.

Não se trata de fazer da natureza um novo ídolo absoluto ou novo, como é o hábito de alguns grupos neo pagãos.  Ela nunca pode ser mais valiosa do que a dignidade da pessoa humana, que é chamado a ser seu guardião.


Propostas pastorais 


A atenção particular à natureza ajuda a descobrir nela o espelho da beleza de Deus. Deve ser dada maior atenção à criação e à sua beleza na formação humana e cristã, evitando os riscos de reduzi-la ao simples ecologismo ou a uma visão panteísta. Alguns movimentos tentam instalar na juventude a capacidade de observar a natureza e torná-los conscientes da necessidade de protegê-la. Isso ajuda as pessoas a descobrir o projeto do Deus Criador, atraindo os sentimentos ligados à maravilha, adoração e ação de graças. Devemos cuidadosamente colocar em prática a dupla dimensão de ouvir:

- ouvir a criação que diz a glória de Deus.

 - e ouvir Deus que nos fala através da sua criação e se torna acessível à razão, de acordo com o ensinamento do Primeiro Concílio do Vaticano (Dei Filius, cap. 2, can.1).

Os catequistas  em seus esforços para formar crianças e jovens pode aproveitar ao máximo desenvolvendo uma pedagogia de observação de belezas naturais e conseqüentes atitudes fundamentalmente humanas: silêncio, interiorização, escuta, esperas pacientes, admiração, descoberta de harmonia, respeito pelo equilíbrio natural , significado de gratificação, adoração e contemplação.

O ensino de uma autêntica filosofia da natureza e uma bela teologia da criação precisa de um novo impulso em uma cultura onde o diálogo fé-ciência é particularmente crucial. É uma cultura para a qual os clérigos precisam de um nível mínimo de consciência epistemológica e os cientistas podem tirar mais dos imensos compromissos da tradição de sabedoria cristã. [19] Os preconceitos do cientificismo e do fideísmo ainda estão presentes na mentalidade cotidiana, por isso é importante provocar ocasiões para um encontro entre pessoas da ciência e fé em todos os níveis: instituições de ensino católico, casas de formação, universidades, centros culturais católicos, etc.

O Jubileu dos Cientistas, [20], celebrado em 2000, provocou novas iniciativas culturais destinadas a renovar o diálogo entre ciência e fé. Entre estes projetos, o Projeto STOQ (Ciência Teológica e Questão Ontológica), promovido pelo Pontifício Conselho para a Cultura, em colaboração com várias Universidades Pontifícias. Na verdade, cada ramo de saber, por exemplo filosofia, teologia, ciências sociais e humanas, psicologia, podem contribuir para revelar a beleza de Deus e de sua criação.

Ações a favor da defesa da natureza ou do habitat natural organizadas por comunidades cristãs ou famílias religiosas inspiradas no exemplo de São Francisco, que "contemplou o Mais Bonito nas belas coisas" [21] tem um certo eco e contribui para a desenvolvimento de uma visão menos idólatra da natureza. Um exemplo pode ser visto na carta pastoral dos Bispos de Queensland, Austrália, intitulada "Deixe as muitas regiões costeiras ficarem satisfeitas", uma carta pastoral sobre a grande barreira de coral. Na cultura contemporânea, é importante multiplicar as iniciativas pelas quais a Igreja transmite o sentido do valor autêntico da natureza, da beleza, do poder simbólico e da capacidade de descobrir a obra criadora de Deus.


III.2 A beleza das Artes 

 Se a natureza e o cosmos são a expressão da beleza do Criador e nos conduzem ao limiar de um silêncio contemplativo, a criação artística possui sua própria capacidade de evocar os aspectos inefáveis do mistério de Deus. A obra de arte não é "beleza", mas sua expressão, e possui um caráter intrínseco de universalidade se obedecer aos cânones, que naturalmente flutuam para toda a arte está ligada a uma cultura. A beleza artística provoca emoção interior, desperta silenciosamente o espanto e leva a uma "saída de si mesmo", um êxtase.

Para o crente, a beleza transcende a estética e encontra seu arquétipo em Deus. A contemplação de Cristo no mistério da Encarnação e da Redenção é a fonte viva na qual o artista cristão se inspira para falar do mistério de Deus e do mistério do homem salvo em Jesus Cristo. Todas as obras de arte cristãs têm esse significado: é, por natureza, um "símbolo", uma realidade que se refere além de si, que conduz ao caminho que revela o significado, a origem e o fim de nossa jornada terrestre. Sua beleza é caracterizada por uma capacidade de se mover do interior "para si" para o "mais do que para si". Esta passagem torna-se real em Jesus Cristo, que é Ele mesmo "o caminho, a verdade e a vida" (Jn 14, 6) a "verdade completa". (Jn 16, 13)


A) Beleza Inspirada pela fé . 


As obras de arte de inspiração cristã, que constituem uma parte incomparável do patrimônio artístico e cultural da humanidade, são objeto de uma verdadeira paixão por multidões de turistas, crentes e não, agnósticas e indiferentes à religião. Este é um fenômeno que afeta todos os tipos de pessoas, independentemente da cultura ou da religião. A cultura, no sentido do patrimônio espiritual, é fortemente democratizada: graças ao extraordinário desenvolvimento da tecnologia, as obras de arte  estão mais próximas das pessoas. Agora, um pequeno dispositivo eletrônico pode conter as obras completas de Mozart ou Bach e milhares de imagens da biblioteca do Vaticano.
O rosto de Cristo em Sua singular beleza, as cenas do Evangelho, os grandes episódios proféticos do Antigo Testamento, o Gólgota, a Virgem com a Criança e a Virgem das Dores constituem uma fonte de inspiração para os artistas cristãos. Com uma imaginação extraordinária e crescente, os artistas procuram, através de pesquisas contínuas e novidades incessantes, apresentar a beleza de Deus revelada em Cristo para aproximá-la, quase tocável e visível. De certa forma, o artista estende  a revelação fornecendo-lhe forma, imagem, cor e som. Ao mostrar o quão belo Deus é, o artista mostra o quanto Deus é para o homem, como seu próprio bem e a última verdade de sua existência. A beleza cristã traz uma verdade maior do que o coração do homem, a verdade que supera a linguagem humana e indica o seu bem, o único essencial.
Os Cardeais da Santa Igreja Romana não sentiram a terrível beleza do Juízo Final de Michelangelo na Capela Sistina quando estavam votando pelo novo Romano Pontífice? As catedrais e as igrejas do Oeste e do Oriente não chegam a um  ápice  de esplendor quando uma liturgia com beleza é celebrada por uma multidão reunida? E os abadias e os mosteiros não se tornam refúgios de paz quando seguem suas funções de adoração, súplica e ação de graças com melodias que  cantam ao longo dos séculos? Tantos homens e mulheres de tantas eras e culturas sentiram aquela agitação emocional profunda e abriram seus corações a Deus contemplando o rosto de Cristo na Cruz, ouvindo uma Paixão ou um Te Deum, ajoelhadas antes de um retábulo dourado ou um ícone bizantino.
O Papa João Paulo II, em sua Carta aos Artistas, pediu uma nova epifania de beleza e um novo diálogo de fé e cultura entre a Igreja e a arte, sublinhando suas necessidades recíprocas e a riqueza de sua aliança milenar a partir da qual surgiu o "nascimento da beleza ", da qual Platão falou no Banquete. [22]

Se o meio cultural condiciona fortemente o artista, em seguida, ecoando o apelo de Von Balthasar, devemos levantar as questões: como podemos ser guardiões da beleza na cultura artística contemporânea de hoje, onde a sedução erótica deriva dos instintos, polui a imaginação e inibe as faculdades espirituais ? Não é a tarefa de salvar a beleza a de salvar o homem? Este não é o papel da Igreja, "especialista em humanidade" e guardiã da fé?


B) Aprender a acolher esta beleza . 


Obras de arte inspiradas na fé cristã - pinturas e mosaicos, esculturas e arquitetura, marfins, plataformas, obras poéticas, literárias, musicais e teatrais, cinematográficas, danças, etc. - possuem um enorme potencial pertinente às necessidades contemporâneas que permanecem inalteradas pelos tempos que passam. De forma intuitiva e de bom gosto, permitem a participação na grande experiência da fé, do encontro com Deus diante de Cristo em quem descobre o mistério do amor de Deus e a identidade do homem.
Ao falar aos artistas na Capela Sistina  em 7 de maio de 1964, o Papa Paulo VI denunciou o "divórcio" entre a arte e o sagrado que caracterizou o século 20 e observou que hoje muitos têm dificuldade em tratar temas cristãos devido à falta de formação e experiência de a fé cristã. [23] A feiúra de algumas igrejas e sua decoração, sua dessacralização, é a conseqüência desse divórcio, uma laceração que precisa ser tratada para ser curada. Há uma necessidade de resolver a ignorância generalizada no campo da cultura religiosa para deixar a arte cristã do passado e do presente abrirem-se para toda a via pulchritudinis. Para ser plenamente ouvida e compreendida, a obra de arte cristã precisa ser lida à luz da Bíblia e dos textos fundamentais da Tradição a que se refere a experiência da fé. Se a beleza fala em si mesma, deve aprender sua própria linguagem, ser causa de admiração, emoção e conversão. Com a linguagem da beleza, a obra de arte cristã não só transmite a mensagem do artista, mas também a verdade do mistério de Deus meditado por uma pessoa que  a lê para nós, para não glorificar a si mesmo, mas para glorificar a Fonte. O analfabetismo bíblico esteriliza a capacidade de compreensão da arte cristã. [24]
Um esforço combinado deve ser feito para superar uma dificuldade que surgiu devido ao clima cultural alimentado pelas críticas de arte amplamente influenciadas pelas ideologias materialistas. Destacando apenas o aspecto estético-formal das obras, sem interesse pelo conteúdo que inspirou tal beleza, tais ideologias esterilizam a arte,  suprimindo o fluxo vivo e vital da vida espiritual, limitando-a ao mundo das emoções.


C) Arte Sacra, Instrumento de Evangelização e Catequese . 


O Servo de Deus, João Paulo II, qualificou o patrimônio artístico inspirado pela fé cristã como um "instrumento formidável da catequese", fundamental para "relançar a mensagem universal de beleza e bem". (Discurso aos Bispos da Toscana, 11 de março de 1991) Em tons semelhantes, o Cardeal Ratzinger, como Presidente da Comissão Preparatória Especial para o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, justificou o uso de imagens: "A imagem também é uma pregação do Evangelho . Em todas as épocas, os artistas  têm oferecido  os acontecimentos que marcam o mistério da salvação com o esplendor das cores e na perfeição da beleza para a contemplação e a admiração dos fiéis.  Esta é uma indicação de como, hoje mais do que nunca , sendo a nossa a civilização da imagem, uma imagem santa pode expressar muito mais do que as próprias palavras, pois o seu dinamismo de comunicação e transmissão do evangelho é mais eficaz ". [25]
O documento do Conselho Pontifício para a Cultura sobre uma Abordagem Pastoral à Cultura,  augura que "em nossa cultura, onde um dilúvio de imagens muitas vezes banais e brutais são produzidas diariamente pela televisão, o cinema e os vídeos, uma união frutífera entre o Evangelho e a arte trará novas manifestações de beleza, nascidas da contemplação de Cristo, de Deus feito homem, a partir da meditação de Seus mistérios e de sua luz na Virgem Maria e nos santos ". (N.36)
A capacidade de comunicação da arte sacra a torna capaz de quebrar barreiras, filtrar preconceitos e alcançar o coração de pessoas de diferentes culturas e religiões e deixá-las perceber a universalidade da mensagem de Cristo e Seu Evangelho. Quando uma obra de arte inspirada pela fé é oferecida ao público dentro de sua função religiosa, é uma "via", um "caminho de evangelização e diálogo", dá um gosto da própria fé, ao mesmo tempo em que é patrimônio vivo do cristianismo.
Reler as obras da arte cristã, pequenas ou grandes, musicais ou artísticas, e colocá-las de volta ao seu contexto, ao aprofundar os seus laços vitais com a vida da Igreja, em particular a liturgia, é deixá-las falar novamente e ajudá-las a transmitir a mensagem que inspirou sua criação. A via pulchritudinis, ao estabelecer o caminho das artes, leva à verdade da fé, o próprio Cristo se torna "pela Encarnação, o ícone do Deus invisível". João Paulo II não hesitou em expressar” a convicção de que, em certo sentido, o ícone é um sacramento. Por analogia com o que ocorre nos sacramentos, o ícone torna presente o mistério da encarnação em um ou outro aspecto". [26]
A arte cristã oferece ao crente um tema de reflexão e atua como um auxílio para entrar em contemplação em uma intensa oração, semelhante a um momento de catequese, como uma recitação da História da Salvação. Os principais trabalhos inspirados pela fé são verdadeiramente "Bíblias dos Pobres" ou "Escadas de Jacó" que levam a alma ao Autor de toda a beleza e com Ele ao mistério de Deus e daqueles que vivem em Sua visão de beatificação: " Visio Dei vita hominis - A vida do homem é a visão de Deus! " professou St Ireneus. [27] Estes são os caminhos privilegiados de uma experiência autêntica da fé.


Propostas pastorais 


A Carta aos Artistas de João Paulo II é um ponto de referência fundamental aqui, e encontra um eco claro na passagem citada do documento do Conselho Pontifício para a Cultura sobre uma abordagem pastoral à cultura. [28] As Conferências episcopais podem levar esses dois textos como ponto de partida para iniciativas concretas. [29]
É uma questão de usar uma pedagogia adequada para iniciar as pessoas na linguagem da beleza, para educá-las para aproveitar a mensagem da arte cristã. Isto é o que torna as obras bonitas e acima de tudo favorece nelas um encontro com o mistério de Cristo. A consciência está crescendo neste domínio, e há um retorno de interesse visível no estudo da arte cristã sagrada, que agora é mais conhecida por aqueles que são responsáveis pela formação cristã. [30] Diante de interpretações ateias e ideológicas amplamente difundidas, a necessidade é sentida por uma grande obra de reformulação teórica do ensino da arte sacra, baseada em uma autêntica visão cristã.

É uma questão de criar as condições para uma renovação da criação artística na comunidade cristã e formar vínculos efetivos com os artistas para ajudá-los a capturar o que torna as obras de arte autenticamente religiosas e de arte sagrada. Muito já foi feito em muitas dioceses, mas ainda pode ser feito para aproveitar o rico patrimônio cultural e artístico da Igreja, nascido da fé cristã, e usá-lo como instrumento de evangelização, catequese e diálogo. Não basta apenas criar galerias de arte, as condições também devem ser criadas para permitir que esse patrimônio expresse o conteúdo de sua mensagem. Uma liturgia autenticamente bela ajuda a entrar nesta língua particular da fé, feita de símbolos e evocações do mistério que se celebra.

Algumas iniciativas já foram testadas e merecem atenção:

- Diálogo com artistas, pintores, escultores, arquitetos para futuros edifícios da igreja, restauradores, músicos, poetas, dramaturgos, etc. - para promover uma nova criatividade, nutrir sua imaginação com as fontes da fé e promover as relações entre os desejos da Igreja e a produção de artistas. O analfabetismo litúrgico entre artistas escolhidos para construir igrejas é um problema muito  comum.

- Informações sobre a beleza do mistério cristão expresso em arte sacra por ocasião da inauguração de uma nova Igreja, uma obra de arte, um concerto, uma liturgia particular.

- Organização de eventos culturais e artísticos - exposições, concursos de prêmios, concertos, conferências, festivais, etc. - para valorizar o imenso patrimônio da Igreja e ajudá-lo a  passar sua mensagem e a inspirar nova criatividade, especialmente nas áreas de arte e canto litúrgico .

- Publicações locais sob a aparência de guias turísticos, páginas da web ou revistas especializadas em patrimônio, com o objetivo pedagógico de destacar a alma, a inspiração e a mensagem de obras, a análise científica podem  ser postas ao serviço de uma compreensão mais profunda do trabalho.

- Faça os agentes pastorais, catequistas e professores de religião, seminaristas e clérigos conscientes desta questão através de cursos de formação, seminários, reuniões temáticas, visitas guiadas. Os museus diocesanos e os centros culturais católicos podem desempenhar um papel importante, nomeadamente ao propor a leitura de obras de arte locais e regionais e utilizá-las na catequese.

- Formação de guias na especificidade da arte de inspiração cristã, criação de grupos especializados para tirar o máximo partido dos centros artísticos e culturais que compartilham esses mesmos objetivos.

- Estudo e conscientização mais profunda sobre as questões em escolas e universidades com mestrados, seminários, laboratórios, etc. Oferecendo bolsas para promover educação nesta área. Desenvolvimento a nível regional e nacional de Institutos de Música Sagrada, Liturgia, Arqueologia, etc., e a constituição de bibliotecas especializadas neste domínio.



III.3 A Beleza de Cristo, modelo e protótipo da santidade cristã 


Enquanto a beleza da criação é, segundo Santo Agostinho, em "Confissões",  é um convite  à contemplação da beleza em sua fonte, ou seja, o "criador do céu e da terra, de todas as coisas, visíveis e invisíveis", e enquanto a beleza da arte revela algo de beleza em sua figura, o Filho que tomou carne, "o mais belo dos homens", há também um terceiro caminho fundamental, talvez o mais importante, o que nos leva à descoberta da beleza no ícone da santidade, obra do Espírito Santo que molda a Igreja à imagem de Cristo, modelo de perfeição. Para a pessoa batizada, é a beleza do testemunho dada por uma vida transformada em Graça e, pela Igreja, pela beleza da liturgia. Ele nos permite experimentar Deus vivo entre Seu povo atraindo para Ele aqueles que se deixam levar a si mesmos neste encontro de alegria e amor.

A  Igreja da Caridade, testemunha da beleza de Cristo, revela-se como sua esposa mais bonita por seu Senhor quando faz atos de caridade e escolhas preferenciais, quando se dedica à promoção da justiça e  à edificação da grande casa comum onde cada criatura é chamada a viver, especialmente os pobres: eles também têm direito à beleza. Ao mesmo tempo, este testemunho de beleza pela caridade e pelo  empenho no serviço da justiça e da paz anuncia a esperança que nunca falha. Para oferecer aos homens e mulheres de hoje a verdadeira beleza, para tornar a Igreja atenta a anunciar sempre, nos bons tempos e nos maus, a beleza que salva e que é sentida naqueles lugares onde a eternidade plantou sua  tenda ao longo do tempo é oferecer razões para viver e esperar para aqueles que estão sem ou  em rico de a perder. A Igreja, testemunha do significado final da vida, semente de confiança no coração da história humana, já aparece como a gente da beleza que salva, pois antecipa nestes últimos tempos algo da beleza prometida por este Deus que irá trazer todas as coisas até a sua conclusão no fim dos tempos. Esperança, antecipação militante da entrada no mundo salvo prometido no Filho crucificado e ressuscitado, é uma proclamação de beleza. Nisso, o mundo tem uma necessidade particular.


A) no caminho para a beleza de Cristo 


A beleza absolutamente original e singular de Cristo, modelo de "vida verdadeiramente linda", reflete-se na santidade de uma vida transformada pela Graça. Infelizmente, muitas pessoas percebem o cristianismo como uma submissão aos mandamentos constituídos por proibições e limites aplicados à liberdade pessoal. O Papa Bento XVI se referiu a isso em uma entrevista à Rádio Vaticano 14 de agosto de 2005, antes de partir para a Jornada Mundial da Juventude em Colônia. Ele continuou dizendo: "Eu, por outro lado, preferiria ajudar as pessoas a entender que ser apoiado por um grande amor e por uma   Revelação não é um fardo: dá asas e é lindo ser cristão. Essa experiência permite que nós cresçamos [...] A alegria de ser cristão é beleza, é correto acreditar. "[31] Da beleza interior e da profunda emoção provocada por um encontro com a Beleza em pessoa - pensamos na experiência de Santo Agostinho - surge a capacidade de propor eventos de beleza em todas as dimensões da existência e a experiência da fé.


 O trabalho pastoral da Igreja, que leva as pessoas a encontrarem-se com Cristo, encontra na apresentação da beleza os meios para despertar os corações para essa descoberta. Na Carta aos Artistas, o Papa João Paulo II sublinhou a riqueza da novidade da Encarnação: "Ao tornar-se homem, o Filho de Deus introduziu na história humana toda a riqueza evangélica do verdadeiro e do bem, e com isso ele também revelou uma nova dimensão da beleza, da qual a mensagem do Evangelho está cheia até a borda ". (n.5) Esta beleza única e particular do "Filho do Homem" revela-se diante do "Bom Pastor", e também no Cristo transfigurado de Tabor, e em Cristo crucificado desprovido de beleza corporal, o "Homem" das Dores ". O cristão vê na deformidade do servo sofredor, despojado de toda a beleza exterior, a manifestação do amor infinito de Deus, que até se vê com a feiúra do pecado para nos elevar, além dos sentidos, para a beleza divina que é acima de tudo de beleza e nunca se altera. Para aqueles que desejam contemplá-lo, o ícone do Crucificado com rosto desfigurado contém a misteriosa beleza de Deus. Esta beleza é cumprida com dor e tristeza, no dom de si sem ganho pessoal. É a beleza do amor que é mais forte do que o mal ou a morte.


B) A beleza luminosa de Cristo e seu reflexo na santidade cristã 

Jesus Cristo é a representação perfeita da Glória do Pai. Ele é o mais belo dos filhos do homem, pois Ele possui a plenitude da Graça pela qual Deus livra o homem do pecado, livra-o da escravidão do mal e o devolve à sua primeira inocência. Uma multidão de homens e mulheres se deixaram prender por essa beleza para se consagrar a ela. Como o Papa Bento XVI expressou durante a primeira Canonização de seu Pontificado na Missa de encerramento da XI Assembléia geral ordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia, "o santo é tão fascinado pela beleza de Deus e por sua perfeita verdade que ele é progressivamente transformado por ele. Por essa beleza e essa verdade, ele está pronto para renunciar a tudo,  até a ele mesmo ". (23 de outubro de 2005)
Se a santidade cristã se configura para a beleza do Filho, a Imaculada Conceição é a mais perfeita ilustração do trabalho da beleza. A Virgem Maria e os santos são o reflexo luminoso e atraente testemunho da singular beleza de Cristo, beleza do infinito amor de Deus que se entrega e se faz conhecer aos homens. Estes refletem, cada um de acordo com suas maneiras, como prismas de um cristal,  faces de um diamante, contornos de arco-íris, luz e beleza original do Deus de Amor; a santidade do homem é a participação na santidade de Deus e por ela da beleza dele. Quando é totalmente acolhido no coração e no espírito, ele ilumina e orienta a vida de homens e mulheres em suas ações diárias.
A beleza do testemunho cristão expressa a beleza do cristianismo e prevê o seu futuro. Como podemos ser credíveis ao anunciar  a “boa nova” se nossas vidas não puderem manifestar a "beleza" desta vida? Do encontro da fé com Cristo, surge, em uma ação dinâmica interior apoiada pela Graça, a santidade dos discípulos e sua capacidade de fazer "bela e boa" sua vida comum e a de seus vizinhos. Não é beleza exterior e superficialidade, uma fachada, mas uma beleza interior pintada sob a ação do Espírito Santo. Ela brilha diante dos homens: nada pode esconder o que é uma parte essencial do seu ser.

Este foi o chamado de João Paulo II aos homens e mulheres consagrados na exortação Apostólica pós-sinodal Vita Consecrata: "Mas é acima de tudo para vocês, mulheres e homens consagrados, que no final desta exortação eu apelo com confiança: Viva plenamente a sua dedicação a Deus, para que este mundo nunca esteja sem um raio de beleza divina para iluminar o caminho da existência humana. Os cristãos, imersos nos cuidados e preocupações deste mundo, mas também chamados à santidade, precisam descobrir em seus corações purificados que, na fé, “vê" Deus, as pessoas dóceis ao trabalho do Espírito Santo que se esforçam decididamente na fidelidade ao carisma de seu chamado e missão ". (n.109) Onde quer que a caridade brilhe, a beleza que salva é manifesta. Lá, a glória é dada ao Pai, e a unidade dos discípulos do nosso amado Senhor cresce.
Pavel Florenskij, uma bela cantora russa e mártir do século XX, ofereceu este comentário sobre o Evangelho de São Mateus, cap. 5, v. 16. "Suas" boas ações "não significam realmente" bons atos "no sentido filantrópico e moral: tà kalà érga significa" atos belos ", revelações luminosas e harmoniosas de personalidade espiritual - acima de tudo um rosto luminoso, linda de uma beleza que deixa a luz interior dos homens brilhar para o exterior. E quando são atingidos por essa luz irresistível, os homens dão glória ao Pai celestial e a imagem dele brilha sobre toda a terra ". [32]  Assim, a vida cristã é chamada a tornar-se, na força da Graça dada por Cristo ressuscitado, um evento de beleza susceptível de suscitar admiração e reflexão e incitar a conversão. O encontro com Cristo e Seus discípulos, em particular, Maria, Sua Mãe e seus testemunhos, os santos, deve sempre e em todos os lugares ter o potencial de se tornar um evento de beleza, um momento de alegria na descoberta de uma nova dimensão de  vida, um convite para colocar-se no caminho do Pai do Céu para apreciar a visão da Verdade Completa, a beleza do Amor de Deus: a beleza é o esplendor da verdade e o florescimento  do Amor.


C) Beleza na Liturgia 


A beleza do amor de Cristo vem nos encontrar todos os dias, não apenas pelo exemplo dos santos, mas também pela Santa Liturgia, especialmente na celebração da Eucaristia onde o Mistério se torna presente e ilumina, com significado e beleza, toda a nossa existência . Este é o meio extraordinário pelo qual nosso Salvador, uma vez morto e ressuscitado, compartilha sua vida conosco, fazendo-nos parte de Seu Corpo como membros vivos e fazendo-nos participar de Sua beleza.

Florenskij descreveu a beleza na liturgia, símbolo dos símbolos do mundo como aquela que permite a transformação do tempo e do espaço "no santíssimo e misterioso templo que brilha com a beleza celestial".
Durante uma conferência no 23º Congresso Eucarístico Nacional Italiano, o cardeal Ratzinger citou em sua introdução a antiga lenda sobre as origens da fé cristã na Rússia. De acordo com esta lenda, o Príncipe Vladimir de Kiev decidiu aderir à Igreja Ortodoxa de Constantinopla depois de ter ouvido seus embaixadores que haviam sido enviados para Constantinopla, onde haviam estado presentes em uma solene liturgia na basílica de Santa Sofia. Eles disseram ao príncipe: "Não sabíamos se estávamos no céu ou na terra ... Somos testemunhas: Deus criou a sua habitação entre os homens". E o cardeal teólogo tomou desta lenda a base da verdade: "é certo que a força interna da liturgia desempenhou um papel essencial na difusão do cristianismo ... O que convenceu os embaixadores do príncipe russo, que a fé celebrou na liturgia ortodoxa era verdade, não era um argumento de estilo missionário cujos elementos pareciam mais convincentes para aqueles dispostos a ouvir do que os de qualquer outra religião. Não, o que os atingiu foi o mistério em si mesmo, um mistério que, precisamente porque é mistério, vai além de toda discussão, impõe ao motivo a força da verdade ". [33] Como podemos deixar de sublinhar a importância dos ícones, a herança maravilhosa do Oriente cristão, que ainda hoje dá algo da liturgia da Igreja indivisa: é Uma linguagem rica e profunda próspera em suas raízes na experiência da Igreja indivisa, das catacumbas romanas, dos mosaicos de Roma e Ravenna, bem como de Bizâncio?
Para o crente, a beleza transcende a estética. Permite a passagem de "para si" para "mais do que eu". A liturgia que não busca celebrar Deus por Ele, por meio de Ele e Nele, não é bela e, portanto, não é verdadeira. Deve ser livre para em "colocar-se diante de Deus e colocar os olhos naquele que brilha com a luz divina sobre as coisas que passam". É nessa austera simplicidade que se torna missionária, isto é, capaz de testemunhar observadores que se deixam dominar pela realidade invisível que ela oferece.

O escritor francês Paul Claudel atraiu a força interna da liturgia ao testemunhar a sua conversão durante o canto do Magnificat durante as Véspera na véspera de Natal em Notre-Dame de Paris: "Foi então que aconteceu o evento que dominou toda a minha vida Em um instante, meu coração foi tocado e eu acreditava. Eu acreditava com tanta força, com tanto alívio de todo o meu ser, uma convicção tão poderosa, tão certa e sem espaço para dúvida, que desde então, todos os livros, todos os argumentos, todos os perigos da minha vida agitada nunca abalaram a minha fé, nem dizer a verdade, eles até a tocaram. "[34]

A beleza da liturgia, num momento essencial de experiência na fé  e o caminho para uma fé adulta, é incapaz de se reduzir à mera beleza formal. É antes de tudo a beleza profunda do encontro com o mistério de Deus, presente entre os homens através da obra intermediária do Filho, "o mais belo dos filhos dos homens" (Sl 45, 2) que renova sem fim Seu sacrifício de amor por nós. Ela expressa a beleza da comunhão com Ele e com os nossos irmãos, a beleza de uma harmonia que se traduz em gestos, símbolos, palavras, imagens e melodias que tocam o coração e o espírito e  suscitam a maravilha e o desejo de encontrar o Senhor ressuscitado, Aquele que é a Porta da Beleza.
A superficialidade, a banalidade e a negligência não têm lugar na liturgia. Eles não só não ajudam o crente a progredir em seu caminho de fé, mas acima de tudo  prejudicam aqueles que freqüentam as celebrações cristãs e, em particular, a Eucaristia dominical. Nas últimas décadas, algumas pessoas deram muita importância à dimensão pedagógica da liturgia e ao desejo de tornar a liturgia mais acessível mesmo para os estrangeiros e minaram sua função primária: a liturgia nos permite mergulhar completamente no salvífico ação de Deus em Seu filho Jesus, que o torna missionário. Essencialmente voltado para Deus, é bonito quando permite que toda a beleza do mistério do amor e da comunhão se manifeste. [35] A liturgia é linda quando é “agradável a Deus" e nos  mergulha na alegria divina. [36]


Propostas pastorais 


É bom oferecer a mensagem de Cristo em toda a sua beleza, capaz de atrair os espíritos e os corações através dos laços do amor. Ao mesmo tempo, devemos viver e testemunhar a beleza da comunhão em um mundo frequentemente marcado por desarmonia e ruptura. É uma questão de transformar em "eventos de beleza" os gestos da caridade diária e todas as atividades pastorais comuns do local. A beleza salvadora de Cristo deve ser apresentada de forma renovada para que cada crente e também o indiferente possam acolhê-lo e contemplá-Lo. A atenção dos pastores e dos catequistas precisa ser trazida a esta questão para que a sua pregação e ensino conduzam à beleza de Cristo. Os cristãos são chamados a testemunhar a alegria e a saber que são amados por Deus e de possuirem  a beleza da vida transformada por esse amor que vem do alto.
Para o encerramento do Grande Jubileu de 2000, João Paulo II enviou a carta apostólica Novo Millennio Ineunte a toda a Igreja. Ele nos convidou expressamente a voltar a começar em Cristo e aprender a contemplar o Seu rosto. A partir desta contemplação surge o desejo, a necessidade e a urgência de redescobrir o significado autêntico do mistério da liturgia cristã, no qual ele vive concretamente o encontro com o Salvador que morreu e ressuscitou. [37]

Para cumprir este chamado, muitos bispos enviaram cartas pastorais às suas dioceses sobre a beleza da salvação e o significado da celebração litúrgica, sublinhando a beleza do encontro com Cristo, aos domingos, o dia consagrado a Ele, que dá tempo para uma pausa na ritmo implacável e frenético de nossas sociedades. [38]

Outros também estiveram  empenhados na via pulchritudinis nas últimas décadas, por exemplo, os mariologistas, especialmente  desde que  Paulo VI falou para o VII Congresso Internacional de Mariologia em 16 de maio de 1975. [39]

É uma questão de apresentar uma linguagem que fala e agrada aos nossos contemporâneos utilizando os meios mais apropriados como o precioso testemunho dado pela Mãe de Deus, os mártires e os santos que seguiram Cristo de uma maneira particularmente "atraente". Muito está sendo feito em programas de catequese para que a vida extraordinária dos santos seja descoberta. 

Está claro hoje que, para os jovens, os santos são fascinantes - pense em Francisco de Assis e José de Anchieta, Juan Diego e Teresa do Menino Jesus, Rosa de Lima e Bakhita, Kisito e Maria Goretti, Padre Kolbe e Madre Teresa e as obras teatrais, filmes, histórias em quadrinhos, recitais, concertos e músicas que recriam suas histórias. O exemplo deles chama cada cristão a ser um peregrino no caminho da beleza, da verdade, do bem, ao caminhar para a Jerusalém celestial, onde contemplaremos a beleza de Deus em uma relação cheia de amor, face a face. "Lá, descansaremos e veremos, veremos e amaremos, amaremos e louvaremos. Tal será o fim, sem fim". [40]

Uma educação adequada ajuda os fiéis a crescer na vida de oração de adoração e adoração, e uma maior participação na verdade a uma liturgia vivida na plenitude da beleza que imerge os fiéis no mistério da fé. Ao mesmo tempo que reeduca  os fiéis para se maravilhar com os pensamentos de que Deus trabalha em nossas vidas, também é necessário devolver à liturgia o verdadeiro "esplendor", toda a sua dignidade e beleza autêntica, redescobrindo o sentido autêntico de mistério cristão e formando os fiéis para que possam entrar no significado e beleza do célebre mistério e vivê-lo autenticamente.

A liturgia não é o que o homem faz, mas é um trabalho divino. Os fiéis precisam ser ajudados a perceber que o ato de adoração não é fruto da atividade, um produto, um mérito, um ganho, mas é a expressão de um mistério, de algo que não pode ser totalmente compreendido, mas que precisa ser recebido em vez de conceituar. É um ato totalmente livre de considerações de eficiência. A atitude do crente na liturgia é marcada pela sua capacidade de receber, condição do progresso da vida espiritual. Esta atitude não é mais espontânea em uma cultura onde o racionalismo busca dirigir tudo, até nossos sentimentos mais íntimos.
Não menos importante é a promoção da arte sacra para acompanhar adequadamente a celebração dos mistérios da fé, para  trazer a beleza de volta aos edifícios eclesiásticos e objetos litúrgicos. Desta forma, eles serão acolhedores e, acima de tudo, capazes de transmitir o significado autêntico da liturgia cristã e encorajar a plena participação dos fiéis nos mistérios divinos, seguindo o desejo muitas vezes expresso durante o Sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia.

Certamente, as igrejas devem ser esteticamente belas e bem decoradas, as liturgias acompanhadas de belos cantos e boa música, as celebrações dignas e pregadores bem preparados, mas não é isso em si mesmo, que é a via pulchritudinis ou aquilo que nos muda. Estas são apenas condições que facilitam a ação da graça de Deus. Portanto, os fiéis precisam ser educados para prestar atenção não apenas à dimensão estética da liturgia, por mais bonita que seja, mas também para entender que a Liturgia é um ato divino que não é determinado por um ambiente, clima ou mesmo por rubricas, pois é o mistério da fé celebrado na Igreja.


CONCLUSÃO 


Propor a via pulchritudinis como caminho de evangelização e diálogo é começar com a inquietante questão, às vezes latente, mas sempre presente em nossos corações, "O que é a beleza?" para liderar "todos os homens de boa vontade, em quem a Graça age invisivelmente" em relação ao "homem perfeito" que é a "imagem do Deus invisível" [41].

Esta busca leva aos tempos originais, como se o homem estivesse procurando desesperadamente o mundo da beleza fora de seu alcance desde a queda original. Cruza a história sob múltiplas formas e a profusão de uma multiplicidade de obras de beleza em todas as civilizações não apaga sua sede.

Pilatos perguntou a Cristo sobre a questão da verdade. Cristo respondeu com silêncio: esta verdade não é dita, mas chega, sem palavras, ao coração de nosso ser. Jesus revelou-se a Seus discípulos: "Eu sou o caminho a verdade e a vida". Agora ele está em silêncio. Mas ele mostra o caminho, o caminho da verdade cujo cume é a cruz, o mistério da sabedoria. Pilatos não entende, mas misteriosamente ele mesmo dá a resposta a Sua pergunta: "O que é verdade?" Ante as pessoas, ele chora: "Eis o homem!" É Cristo quem é a verdade.
Se a beleza é o esplendor da verdade, nossa pergunta é a de Pilatos, e a resposta é a mesma: é o próprio Jesus que é a beleza. Ele se manifesta desde Tabor até a Cruz, lançando luz sobre o mistério do homem, desfigurado pelo pecado, mas purificado e recriado pelo Amor Redentor. Jesus não é um caminho entre outros, uma verdade entre outros, uma beleza entre outros. Ele não propõe um caminho entre outros. Ele é o caminho vivo que leva à verdade viva que dá vida verdadeira. Suprema beleza, esplendor da Verdade, Jesus é a fonte de toda a beleza porque, Palavra de Deus feita carne, Ele é a manifestação do Pai. "Aquele que me viu viu o Pai". (Jo 14, 9)
O cume, o arquétipo da beleza se manifesta diante do Filho do Homem crucificado na Cruz das dores, Revelação do infinito amor de Deus que, em Sua misericórdia para Suas criaturas, restaura a beleza perdida com o pecado original. "A beleza salvará o mundo", porque essa beleza é Cristo, a única beleza que desafia o mal e triunfa sobre a morte. Por amor, o "mais belo dos filhos dos homens" tornou-se "o homem das dores", "sem beleza, sem majestade, nenhum olhar para atrair os nossos olhos" (Is 53, 2), e assim ele tornou a ser humano, a cada um e deu cada um a plenitude da Sua beleza, Sua dignidade e Sua verdadeira grandeza. Em Cristo, e somente nEle, nossa via crucis se transforma na Sua via lucis  (caminho de luz e via pulchritudinis (caminho da beleza)

A Igreja do terceiro milênio procura essa beleza no encontro com o Senhor e com Ele, no diálogo do amor com os homens e mulheres do nosso tempo. No coração das culturas, para responder às suas ansiedades, suas alegrias e esperanças, a Igreja nunca deixa de professar com o Papa Bento: "Se deixamos Cristo  entrar em nossas vidas, não perdemos nada, nada, absolutamente nada do que torna a vida livre,  bela e grande. Não! Somente nesta amizade estão as portas da vida abertas. Somente nesta amizade está o verdadeiro potencial da existência humana verdadeiramente revelado. Somente nesta amizade experimentamos beleza e libertação ". [42]


–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

1] Cf. Fé e Culturas, Cidade do Vaticano, 2002-2.

[2] Cf. P. POUPARD - PONTIFICIUM CONSILIUM DE CULTURA, Onde está o seu Deus? Respondendo ao Desafio da incredulidade e da indiferença religiosa hoje - Dónde está tu Dios? La fe cristiana ante la increencia religiosa, Chicago 2004; Dónde está tu Dios? La fe cristiana ante la increencia religiosa, Valência 2005; Gdje je tvoj Bog? Kršćanska vjera pred izazovom vjerske ravnodušnosti, Sarajevo 2005; Où est-il ton Dieu? La foi chrétienne au défi de l'indifférence religieuse, Salvator, Paris 2004. A versão italiana do documento, Dov'è il tuo Dio? La Fede cristiana davanti alla non credenza e indifferenza religiosa, foi publicada com os outros Actos da Assembléia Plenária de 2004 em Religioni e sette nel mondo, 26, 2003-2004.
[3] Cf. R. RÉMOND, Le Christianisme en acusação, Paris 2000; Ibid, Le nouvel antichristianisme, 2005.

[4] Veja também o documento CONSELHO PONTIFÍCIO PARA A CULTURA & CONSELHO PONTIFICÁVEL PARA O DIÁLOGO INTERRELIGIOSO, Jesus Cristo, o Portador da Água da Vida. Uma reflexão cristã sobre a "Nova Era", 21 de fevereiro de 2003, Cidade do Vaticano; Jesus-Crist le porteur d'eau vive. Une réflexion chrétienne sur le «Nouvel Âge»; Gesù Cristo portatore dell'acqua viva. Una riflessione cristiana sul New Age; Jesucristo portador da água da vida. Una reflexión cristiana sobre a "Nova Era"; Jesus Christus der Spender lebendigen Wassers. Überlegungen zu New Age aus christlicher Sicht.

[5] BENEDICTO XVI, Homilia pela Missa para a Inauguração de seu Pontificado, 24 de abril de 2005.

[6] JOÃO PAULO II, Carta aos artistas, 4 de abril de 1999, n. 3.
[
7] JOÃO PAULO II, Encíclica Fides et Ratio, 14 de setembro de 1998, n. 103.

[8] De acordo com  São Tomás de  Aquino, claritas é uma das três condições da beleza. Na parte que trata De Trinitate na Summa Theologica, examina os atributos próprios de cada Pessoa Divina e atribui beleza ao Filho: «Pulchritudo habet similitudinem cum propriis Filii». E ele indica as três condições da beleza para aplicá-las a Cristo: integritas sive perfectio, proportio sive consonantia e claritas (Ia, p. 39, artigo 8).

[9] Para uma reflexão sobre a filosofia da beleza e da atividade artística, veja M.-D. PHILIPPE, L'activité artistique. Philosophie du fait, 2 vol., Paris 1969-1970, com uma bibliografia importante. Para uma reflexão teológica, veja Bruno FORTE, La porta della Bellezza. Per un'estetica teologica, Brescia 1999; Inquietudini della trascendenza, cap. 3: "La Bellezza", Brescia 2005, p. 45-55; La Bellezza di Dio: Scritti e discorsi 2004-2005, Cinisello Balsamo 2006.

[10] JOÃO PAULO II, Encíclica Fides et Ratio, 14 de setembro de 1998, 83. E ele acrescenta: "Portanto, uma filosofia que evita a metafísica seria radicalmente inadequada à tarefa de mediação na compreensão de Apocalipse".

11]  Santo Agostinho, As Confissões, X, 27 .Tarde te amei! Tarde Te amei, ó Beleza tão antiga e tão nova! Tarde demais eu Te amei! Eis que estavas dentro, e eu, fora – e fora Te buscava, e me lançava, disforme e nada belo, perante a beleza de tudo e de todos que criaste. Estavas comigo, e eu não estava Contigo… Seguravam-me longe de Ti as coisas que não existiriam senão em Ti. Chamaste, clamaste por mim e rompeste a minha surdez. Brilhaste, resplandeceste, e a Tua Luz afugentou minha cegueira. Exalaste o Teu Perfume e, respirando-o, suspirei por Ti, Te desejei. Eu Te provei, Te saboreei e, agora, tenho fome e sede de Ti. Tocaste-me e agora ardo em desejos por Tua Paz!

[12] Cf. H. URS VON BALTHASAR, Herrlichkeit: Eine theologishe Ästhetik, eu: Schau der Gestalt, 1961: "A beleza é a palavra que será nossa primeira. A beleza é a última coisa que o intelecto pensante se atreve a abordar, já que só dança como um esplendor não acumulado em torno da dupla constelação do verdadeiro e do bem e sua relação inseparável um com o outro. A beleza é desinteressada, sem a qual o mundo antigo se recusou a se entender, uma palavra que tanto imperceptivelmente quanto ainda inequivocamente se despediu do nosso novo mundo, um mundo de interesses, deixando-o para sua própria avareza e tristeza. Já não amado ou fomentado pela religião, a beleza é levantada do rosto como uma máscara, e sua ausência expõe características desse rosto que ameaçam tornar-se incompreensíveis para o homem. [...] Podemos ter certeza de que todo aquele que zombar de seu nome como se fosse o ornamento de um passado burguês - ele admite ou não - não pode mais rezar e logo não poderá amar. [...] Em um mundo sem beleza - mesmo que as pessoas não possam dispensar a palavra e constantemente tê-la na ponta da língua para abusar dela - em um mundo que talvez não seja totalmente sem beleza, mas que não pode mais vê-la ou comprovar isso: Em tal mundo, o bem também perde a sua atratividade, a auto prova de por que deve ser executada. [...] Em um mundo que já não tem confiança suficiente em si mesmo para afirmar o belo, as provas da verdade perderam sua força. "Tradução inglesa tirada da Glória do Senhor, Uma Estética Teológica, I. Vendo a Forma, Edimburgo 1982, pp. 18-19.

[13] A. SOLZHENITSYN, Discours pour le Prix Nobel, em Œuvres, t. IX, YMCA Press, Vermont-Paris 1981, p. 9.

[14]  Frei Turoldo, um cantor de beleza, relata esta afirmação de Divo Barsotti: "O mistério da beleza! Quando a verdade e o bem não se tornam beleza, a verdade e o bem parecem permanecer estranhos para os povos, impondo-se à pessoa humana de fora, o homem se adere a eles, mas não os possui, exigem dele uma reverência que seja mortificante ". E ele desenha as seguintes conclusões: "A verdade e o bem não são suficientes para criar uma cultura, porque só, eles não parecem ser suficientes para criar uma comunhão, uma unidade de vida entre os homens. E como a cultura é a própria expressão de desenvolvimento individual, de uma espécie de perfeição alcançada, segue-se que a cultura parece expressar-se mais claramente em beleza ". Cf. "Bellezza", em Nuovo Dizionario di Mariologia, Ed. Paoline, 1985, p. 222-223.

[15] Cf. . JOÃO PAULO II, Carta aos Artistas , n. 11.

[16] Cf. a poesia de ST JOHN OF THE CROSS, "Mil gracias derramando / Pasó por estes sotos com presura / Y, yéndolos mirando, / Con sola su figura, / Vestidos los dejó de su belleza"; G. M. HOPKINS, "O mundo é carregado com a grandeza de Deus".

[17] Aristóteles já havia afirmado que "em todas as coisas da natureza, há algo maravilhoso", em The Parts of Animals, I, 5. O estudo da natureza e do cosmos desempenhou um papel essencial na filosofia desde a antiguidade. Também na teologia, a cosmologia tem sido um elemento fundamental para entender o trabalho de Deus e suas ações na história. Pense, por exemplo, na visão do Pseudo-Dionísio, a Areopagita, tão freqüentemente citada em teologia e tradições místicas cristãs, ou a cosmologia aristotélica tomada por São Tomás e usada como uma "prova para a existência de Deus". Emmanuel Kant também reconheceu a beleza da capacidade da criação de despertar a maravilha em sua Crítica da Razão Prática: "Duas coisas enchem o coração de admiração e uma veneração sempre nova e poderosa, de tal forma que a reflexão é anexada e aplicada a eles: o céu estrelado acima de mim e a lei moral dentro de mim ".

[18] Cf. St Bonaventure, Collationes em Hexaemeron II, 27.

[19] Cf. CONSELHO PONTIFÍCIO PARA A CULTURA, Rumo a uma abordagem pastoral à cultura, 1999, n. 35.

[20] Cf. CONSELHO PONTIFÍCIO PARA A CULTURA, A Pesquisa Humana pela Verdade: Filosofia, Ciência, Teologia. Conferência Internacional sobre Ciência e Fé. Vaticano, 23 a 25 de maio de 2000, imprensa da Universidade de São José, Filadélfia, EUA, 2002; Ibid, L'uomo alla ricerca della verità. Filosofia, scienza, teologia: prospetante por il terzo millennio. Conferenza internazionale su scienza e fede - Città del Vaticano, 23-25 ​​maggio 2000, Vita e Pensiero, Milano 2005.

[21] ST BONAVENTURE, Legenda Maior, IX.

[22] JOÃO PAULO II, Carta aos Artistas, n. 12-13.

[23] Cf. ASSOCIAZIONE ARTE E SPIRITUALITÀ, Sulla via della Bellezza. Paolo VI e gli artisti, Cahier n. 3, Brescia 2003, p. 71-76.

[24] Cf. D. PONNAU, Forme et sens. Colloque de formation à la dimension religieuse du patrimoine culturel, École du Louvre, Paris, 1997, p. 20.
[25] Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, Introdução. Tradução oficial em inglês.

[26] JOÃO PAULO II, Carta aos Artistas, 12 e 8.

[27] ST IRENEUS, Adversus haereses, IV, 20,7.

[28] Cf. n ° 17: Art et loisir e n ° 36: L'art et les artistes.

[29] Cf. COMISSÃO PONTIFICATIVA PARA AS MERCADORIAS CULTURAIS DA IGREJA, Carta Circular, Formação para bens culturais em seminários, 15 de outubro de 1992; CONFERÊNCIA EPISCOPAL REGIONAL DE TOSCÂNIA, Nota Pastoral, La vita si è fatta visibile. La communicazione della fede attraverso l'Arte, 23 de fevereiro de 1997; e OFICINA NACIONAL DA CONFERÊNCIA EPISCOPAL ITALIANA PARA BENS CULTURAIS ECLESIÁSTICOS, Documento, Spirito Creatore, 30 de novembro de 1997.

[30] Os cursos de formação estão se multiplicando nas universidades católicas, por exemplo a Faculdade de História da Igreja e Bens Culturais da Pontifícia Universidade Gregoriana e o Instituto de Arte Sacra e Música Litúrgica do Instituto Católico de Paris e da Universidade Católica de Lisboa; Revistas e revistas inspiradas por cristãos também freqüentemente abordam esse tema, e. Arte Cristiana de Milão, Humanitas de Santiago do Chile; Os museus diocesanos estão se tornando mais comuns e concebidos como verdadeiros centros culturais católicos; publicações recentes promovem a via pulchritudinis ajudando o leitor a entrar na linguagem da arte com meditação espiritual. Cf. M. G. RIVA, Nell'arte lo stupore di una Presenza, San Paolo, Milão, 2004.

[31] Esta idéia foi desenvolvida pelo prévio da comunidade de Bosé, Enzo Bianchi, que exorta a aprender "como proclamar a diferença cristã" como resposta à indiferença: "Ou o cristianismo é filoquálico, o amor da beleza, através da pulchritudina , modo de beleza, ou não é nada. E se for o caminho da beleza, atrairá outros para o caminho que está seguindo para uma vida mais forte que a morte, será uma seqüência de santos evangélicos para os homens e mulheres de nossos tempos ". Cf. E. BIANCHI, "Perché e vir evangelizzare di fronte all'indifferentismo", na Vita e pensiero 2, 2005, p. 92-93.

[32] P. FLORENSKIJ, Les portes royales. Essai sur l'icône, Milão 1999, 50.

[33] J. RATZINGER, Eucharistia vem genesi della missione. Conferência no XXIII Congresso Eucarístico de Bolonha, 20-28 de setembro de 1997 em "Il Regno" 1 de novembro de 1997, n. ° 19, p.588-589.

[34] Cf. P. CLAUDEL, Ma conversão em Contacts et, Gallimard, 1940, p. 11ss; cf. também em Ecclesia, Lectures chrétiennes, Paris, nº 1, abril 1949, p. 53-58.
[35] Cf. T. VERDON, Vedere il mistero. Il genio artistico della liturgia cattolica, Mondadori 2003
[36] H. URS VON BALTHASAR percebeu "o mistério da beleza em um paradoxo insolúvel. [...] Pois, o que se manifesta em uma manifestação dada é sempre, ao mesmo tempo, o não-manifesto [...] Junto com a superfície vista da manifestação, percebeu a profundidade não manifestada: é apenas isso que presta ao fenômeno do belo seu caráter enrapetitivo e esmagador, assim como é só isso que assegura a verdade e os benefícios do existente ". A Glória do Senhor, op.cit., P. 442.

[37] Cf. Exortação apostólica pós-sinodal Ecclesia in Europa, 28 de junho de 2003, n. 66-73; Encíclica Ecclesia de Eucharistia, 17 de abril de 2003; Carta Apostólica Mane nobiscum, 17 de outubro de 2004. G. VECERRICA, Diamo forma alla bellezza della vita Cristiana, Lettera pasotrale, Fabriano 2006.

[38] Cf., por exemplo, C.M. MARTINI, Quale bellezza salverà il mondo? Carta Pastoral 1999-2000, Milão 1999; B. Forte, Perché e are a messa la domenica. L'Eucaristia e la Belleza di Dio, Cinisello Balsamo 2004.

[39] Cf. PONTIFÍCIA ACADEMIA MARIANA INTERNACIONAL, A Mãe do Senhor. Memória, Presença, Esperança, Cidade do Vaticano, 2000, p. 40-42.

[40] St AUGUSTINE, A Cidade de Deus, XXII, 30, 5.

[41] CONSELHO DO VATICANO II, Constituição pastoral sobre a Igreja no mundo contemporâneo, Gaudium et spes, 22.

[42] BENEDICTO XVI, Homilia na Missa para a Inauguração de seu Pontificado, 24 de abril de 2005.







































Nenhum comentário:

Postar um comentário